Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/315530
Type: DISSERTAÇÃO
Degree Level: Mestrado
Title: Composição floristica e estrutura fitossociologica do estrato herbaceo-subarbustivo em duas areas de floresta ombrofila densa, Parana, Brasil
Author: Kozera, Carina
Advisor: Rodrigues, Ricardo Ribeiro
Abstract: Resumo: Composição florística e estrutura fitossociológica do estrato herbáceosubarbustivo em duas áreas de Floresta Ombrófila Densa, Paraná, Brasil. Realizou-se o estudo florístico e o fitos sociológico do estrato herbáceo-subarbustivo em duas áreas de Floresta Ombrófila Densa (FOD) no período entre janeiro de 1999 e fevereiro de 2000. As áreas encontram-se localizadas na encosta do morro Bento Alves (Ilha do Mel) e na do morro Facãozinho (Morretes), ambas no Paraná. Os objetivos do trabalho foram listar as espécies de Magnoliophyta e Pteridophyta presentes no estrato herbáceo-subarbustivo, realizar o estudo fitossociológico deste estrato e determinar se o mesmo poderia ser utilizado para caracterizar cada subformação da FOD. Para o estudo florístico foram realizadas coletas quinzenais utilizando-se técnicas usuais de coleta e herborização e, para a determinação das espécies, foram utilizadas bibliografia específica, consultas à especialistas e comparações com exsicatas de herbários. Para o estudo fitossociológico foram alocadas 120 parcelas de 2 x 2m no morro Bento Alves (MBA) e 160 no morro Facãozinho (MF A), incluindo indivíduos herbáceos e subarbustivos com altura igual ou inferior a 1,5m. Foram determinadas a freqüência, a cobertura (absoluta e relativa) e a importância relativa (IR) de cada uma das espécies. Além disto, determinou-se o índice de diversidade de Shannon (H') e o de similaridade de Jaccard entre as áreas estudadas e outras áreas florestais nas quais foram realizados estudos que abordaram o estrato inferior. No MBA foram registradas 99 espécies, 71 gêneros e 36 famílias. Destacaram-se nesta área com os maiores números de espécies Dryopteridaceae (9), Orchidaceae (8) e Piperaceae (8). Para o MF A foram registradas 108 espécies, 66 gêneros e 39 famílias. Destacaram-se nesta área com os maiores números de espécies Dryopteridaceae (15) e Araceae (7). Na análise fitossociológica do MBA foram registradas 59 espécies, 48 gêneros e 29 famílias; e no MF A 57 espécies, 38 gêneros e 27 famílias. Em ambas as áreas destacaram-se no estudo fitossociológico com os maiores números de espécies Dryopteridaceae, Araceae, Piperaceae e Acanthaceae. Foram registradas em média 13 espécies por parcela com cobertura igual a 30,62% na área do MBA, enquanto que no MFA 6 espécies por parcela com 32,75% de cobertura. A diferença de cobertura entre uma e outra área ocorreu principalmente devido ao porte das espécies, as quais foram maiores no MF A. Destacaram-se com os maiores valores de IR no MBA Cyathea corcovadensis, Monstera adansonii e Calathea sp.; e no MFA Philodendron ochrostemon, Stigmatopteris heterocapa e Polybotrya cy/indrica. Os valores de similaridade para as duas áreas de FOD estudadas foram baixos e os dois locais por isto foram considerados diferentes com relação aos seus estratos herbáceosubarbustivos. O estrato inferior parece ser muito diferente do restante da floresta, sugerindo que os fatores que influenciam este estrato possam ser muito diferentes daqueles que influenciam a própria floresta. No entanto, uma explicação das causas destas diferenças ainda permanece desconhecida. Este estudo é importante para ilustrar que a dinâmica que influencia a estrutura de uma comunidade vegetal pode variar enormemente, e que uma formação vegetal aparentemente estável pode apresentar regionalmente comunidades herbáceas-subarbustivas diferenciadas

Abstract: A comparison of the floristic composition and structure of the herbaceous and small shrub layer in two Dense Ombrophilous Forests, Parana, Brazil. In two areas of Atlantic Coastal Wet F orest, the herbaceous and small shrub layers were compared tloristically and structurally from March 1999 to February 2000. The areas were located at mount Bento Alves (Ilha do Mel) and mount Facãozinho (Morretes), in the state of Paraná. The goal of the study was to identify and compare the Magnoliophyta and Pteridophyta and to study the structure of this vegetation layer, and determine whether this vegetation layer is indicative of this forest, or whether local variation is significant. Plants were identified to the species level, using literature, herbarium specimens, or authorities as necessary. Quadrats at Bento Alves (n=120) were compared with quadrats at Facãozinho (n=160), in which specie¿s frequency, cover (absolute and relative), indexes of diversity (Shannon) and similarity (Jaccard) were estimated and compared. In Bento Alves 99 species, 71 genera in 36 families were found. The most speciose families were Dryopteridaceae (9), Orchidaceae (8) and Piperaceae (8). In Facãozinho, 108 species, 66 genera in 39 families were recorded. Here the most species rich families were Dryopteridaceae (15) and Araceae (7). In the quadrats, at Bento Alves, 59 species, 48 genera in 29 families were recorded while at Facãozinho, 57 species, 38 genera in 27 families were found. The most species rich families in both study sites were Dryopteridaceae, Araceae, Piperaceae and Acanthaceae. The average number of species per quadrant was 13 in Bento Alves, with 30,62% cover, and six species with 32,75% cover in Facãozinho. The difference in cover in the two areas was due to the size difference of plants in the two areas, which were larger in Facãozinho. The most important species were Cyathea corcovadensis, Monstera adansonii and Calathea sp. in Bento Alves, and Philodendron ochrostemon, Stigmatopteris heterocapa e Polybotrya cylindrica in Facãozinho. Similarity of the two sites was very low, as calculated by the J accord index, and so the two sites were considered to be very different in their herbaceous and shrub under story. The understory appears very different while the forest type remains constant, suggesting that factors that influence forest under story may be very different than those which influence the forest itself. However, the causal explanations for these differences remain unknown. This study is important in that it illustrates that the dynamics that influence plant community structure may vary widely, which suggests that an apparently very stable forest type may harbor a very dynamic and regionally variable under story community
Subject: Florestas
Mata Atlântica - Composição
Mata Atlântica
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2001
Appears in Collections:IB - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Kozera_Carina_M.pdf15.23 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.