Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/315210
Type: DISSERTAÇÃO
Degree Level: Mestrado
Title: Análise fitossociológica do sub-bosque de florestas com araucária e sua relação fitogeográfica com outras formações da Floresta Atlântica s.l.
Title Alternative: Understory phytosociological analysis of forests with araucaria and its phytogeographic relation with other phytogeographic of the s.l. Atlantic Forest formations
Author: Polisel, Rodrigo Trassi, 1986-
Advisor: Yamamoto, Kikyo, 1954-
Abstract: Resumo: O foco desta dissertação é o sub-bosque da floresta com araucária. Estudos com o seu componente arbóreo têm mostrado que esta formação possui uma área core no sul do Brasil, com limite no sul do estado de São Paulo. Entretanto, ainda não se sabe se o componente de sub-bosque corrobora esta delimitação fitogeográfica. Esta dissertação pretende contribuir para o conhecimento do sub-bosque de floresta com araucária e a sua delimitação fitogeográfica perante as demais formações florestais da Floresta Atlântica. A uma matriz de dados de espécies de sub-bosque pré-existente, acrescentamos novos dados, inclusive dos inventários que realizamos em quatro trechos de floresta com araucária em São Paulo, dois na presumida área core, Barra do Chapéu ("BC?: 24º28?19??S e 49º01?48??W; 803 msm) e Itaberá ("IT?: 23º50?55??S e 49º08?27??W; 705 msm); e dois em áreas disjuntas, Bananal ("BA?: 22º45?34''S e 44º18'53''W; 1011 msm) e Campos do Jordão ("CJ?: 45º27'52''W e 22º41'30''S; 1500 msm). Em cada localidade, dentro de cada uma das 50 parcelas contíguas previamente instaladas de 10 x 20 m (1 ha) (exceto em Bananal: 43 parcelas, 0,86 ha), alocamos cinco subparcelas de 1 x 1 m nas quais registramos dados florísticos e estruturais dos componentes residentes do sub-bosque: bambusóides, ervas, subarbustos, arbustos, trepadeiras e pequenas árvores. Análises multivariadas aplicadas a dados florísticos das regiões sul e sudeste do Brasil não permitiram o claro reconhecimento de espécies peculiares ao sub-bosque residente de Floresta Ombrófila Mista (FOM). Aparentemente por razões climáticas, localidades ao sul de Torres (RS) (grupo sul-rio-grandense), exceto o nordeste do estado, se separaram das demais localidades ao norte na Serra do Mar. O clima estacional distinguiu um terceiro bloco. As florestas com araucária do sul do país se aproximaram do "grupo sul-rio-grandense?. Localidades de FOM do Paraná e Santa Catarina se agruparam na TWINSPAN, mas apenas parcialmente na UPGMA. Este agrupamento pode representar a região core de distribuição das espécies de sub-bosque da floresta com araucária, mas demanda confirmação, pois o número de estudos nestes locais ainda é baixo. As florestas com araucária de São Paulo apresentaram-se similares às florestas estacionais do entorno. Dentro do estado de São Paulo, as quatro localidades que descrevemos separaram-se como blocos florísticos distintos. Campos do Jordão apresentou a área mais homogênea. Itaberá apresentou a maior heterogeneidade entre parcelas, aparentemente relacionada à variação de luz proporcionada pela caducifolia das árvores do dossel. Análise da curva de rarefação mostrou que Bananal, Campos do Jordão e Barra do Chapéu possuem riqueza e diversidade semelhantes e maiores que em Itaberá. Ervas e arbustos apresentaram riqueza e abundância estatisticamente maiores em Campos do Jordão e Bananal, enquanto que Barra do Chapéu e, principalmente, Itaberá se destacaram pela abundância de trepadeiras. Não se observou relação entre riqueza de espécies ruderais e o estado aparente de conservação das áreas. Duas novas espécies registradas, uma em Bananal e outra em Campos do Jordão, evidenciaram o conhecimento ainda falho sobre o sub-bosque da Floresta Atlântica, o que dificulta a análise da delimitação fitogeográfica das suas fitofisionomias

Abstract: The focus of this dissertation is the understory of Araucaria forest. Studies with its tree component have shown that this formation has a core area in southern Brazil, with a limit in the southern São Paulo state. However, it is not yet known if the understory component supports this phytogeographic delimitation. This thesis aims to contribute to the knowledge of the understory of Araucaria forest and its phytogeographical delimitation regarding other Atlantic Forest formations. We added new data to a pre-existing data matrix of understory species, including those of floristic and phytosociological inventories we carried out in four patches of Araucaria forest in São Paulo, two in the presumed core area, Barra do Chapéu ('BC ': 24 ° S and 49 º 28'19' 01'48''W, 803 msm) and Itaberá (' IT ': 23 ° S and 49 º 50'55' 08'27''W, 705 msm) and two in disjunct areas, Bananal ('BA': 22 ° S and 44 º 45'34' 18'53''W; msm 1011) and Campos do Jordão ('CJ': 45 ° and 22 ° 27'52''W 41'30''S, 1500 msm). At each location, within each of the previously installed 50 plots of 10 x 20 m (1 ha) (except in Bananal: 43 plots, 0.86 ha), we allocated five subplots of 1 x 1 m. Within the subplots, we recorded floristic and structural data of the understory components: bambuzoids, herbs, subshrubs, shrubs, vines and small trees. Multivariate analyses applied to floristic data from southern and southeastern Brazil did not allow a clear recognition of peculiar understory species of Araucaria forest (AF). Apparently due to climatic factors, locations south of Torres (RS) (gaucho group), excepting the northest state, separated from other northern locations in Serra do Mar. The seasonal climate distinguished a third group. The Araucaria forests in southern Brazil were more similar to the ' gaucho group?. Some AFs from Paraná and Santa Catarina were grouped by TWINSPAN, but not clearly by UPGMA. This group may represent the core distribution area of AF?s understory species, but it requires confirmation because the number of studies in these areas is still low. The AFs in São Paulo showed similarity with the surrounding seasonal forests. Within São Paulo state, the four locations we described behaved as four distinct floristic blocks. Campos do Jordão presented the most homogeneous area. Itaberá presented the greater heterogeneity among plots, apparently due to the variation of light provided by the shedding of canopy trees. Analysis of the rarefaction curve showed that Bananal, Campos do Jordão and Barra do Chapéu have similar richness and diversity, higher than in Itaberá. Herbs and shrubs had higher richness and abundance in Campos do Jordão and Bananal, while abundance of vines distinguished Barra do Chapéu and especially Itaberá. No relationship was found between richness of weed species and the apparent conservation status of the areas. The lack of knowledge about the understory of Atlantic Forest, that complicates the analysis of phytogeographical demarcation of its physiognomies, was demonstrated by two new species we found, one in Bananal and the other in Campos do Jordão
Subject: Estrato herbário-arbustivo
Biogeografia
Comunidades vegetais
Floresta ombrófila mista - Mata Atlântica
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2011
Appears in Collections:IB - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Polisel_RodrigoTrassi_M.pdf6.43 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.