Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/314806
Type: TESE
Degree Level: Doutorado
Title: Leguminosae na floresta ombrofila densa do Parque Estadual da Serra do Mar, nucleos Picinguaba e Santa Virginia, São Paulo, Brasil = taxonomia e similaridade entre diferentes cotas altitudinais
Title Alternative: Leguminosae in ombrophilous dense forest of Serra do Mar State Park, nucleus Picinguaba and Santa Virginia, São Paulo, Brazil : taxonomy and similarity between different altitudes
Author: Silva, Edson Dias da
Advisor: Tozzi, Ana Maria Goulart de Azevedo, 1954-
Abstract: Resumo: Considerada a quinta área mais ameaçada e rica em espécies no mundo, a Floresta Atlântica está atualmente reduzida a pequenos fragmentos florestais, que representam apenas 7,6% da formação original. Inventários florísticos e estudos fitossociológicos realizados em várias regiões da Floresta Atlântica já estão oferecendo evidências da importância da família Leguminosae na composição e estrutura desse bioma. O presente estudo traz o inventário das espécies de Leguminosae que ocorrem em uma área de Floresta Ombrófila Densa do litoral norte do estado de São Paulo, entre Picinguaba e Santa Virgínia em altitudes que variam desde a restinga, próximo do nível do mar, até a vegetação do topo dos morros do Cuscuzeiro, Seringa e Corcovado, entre 1000 e 1200 m altitude. O levantamento florístico envolveu coletas de plantas arbóreas, arbustivas, herbáceas e lianas e foi realizado mensalmente entre 2006 e 2009 percorrendo trilhas nas diferentes fitofisionomias. A família Leguminosae está bem representada na Floresta Ombrófila Densa dos Núcleos Picinguaba e Santa Virgínia (140 espécies), sendo 18 Caesalpinioideae, 42 Mimosoideae e 80 Papilionoideae. Sessenta e uma espécies possuem hábito arbóreo, 56 são subarbustos e arbustos e 23 são lianas. É apresentada uma lista de gêneros e espécies com suas respectivas descrições, ilustrações, informações sobre hábitat, distribuição geográfica, períodos de floração e frutificação, além de chaves para a identificação específica, discussão sobre semelhanças fenotípicas e delimitação taxonômica. A análise de agrupamento realizada para 13 faixas altimétricas distintas revelou a existência de pelo menos três conjuntos ao longo do gradiente: um formado pelas espécies que ocorrem de 0-50 m, correspondente a Floresta de Restinga, outro ocorrendo de 800 a 1200 m, na faixa mais alta da Floresta Ombrófila Densa Montana e outro de 50 a 500 m, que abrange a Floresta Ombrófila Densa de Terras Baixas + Floresta Ombrófila Densa Submontana. A Floresta de Restinga apresentou a menor similaridade com as demais cotas altitudinais considerando todas as espécies levantadas ou apenas as subarbustivas e arbustivas. As árvores indicam a Floresta Ombrófila Densa Montana como a formação com a menor similaridade com as demais faixas altitudinais. A Floresta Ombrófila Densa de Terras Baixas e a Floresta Ombrófila Densa Submontana apresentaram maior similaridade, indicando haver alto compartilhamento de espécies entre essas duas fitofisionomias. As espécies da família Leguminosae, apesar de ocorrerem de forma bastante expressiva até os 1000 m, mostram-se mais adaptadas a ocupar áreas de menor altitude, entre 0 e 500 m, apresentando comparativamente menor riqueza específica nas áreas de maior altitude (1100 a 1200 m). Vinte e seis espécies de Leguminosae encontradas na área de estudo são endêmicas da Floresta Atlântica.

Abstract: Considered the fifth most endangered and richest in species area in the world, the Atlantic Forest is presently reduced to small forest fragments, which represent just 7,6% of the original formation. Floristic inventories and phytosociological studies accomplished in several regions of the Atlantic Forest are already offering evidences of the importance of the Leguminosae family in the composition and structure of this biome. This study brings the inventory of the Leguminosae species which occur in an area of Ombrophilous Dense Forest from the north coast of the state of São Paulo, in Picinguaba and Santa Virgínia in altitudes that vary from the Restinga Forest, close to the sea level, to the vegetation at the top of the Cuscuzeiro, Seringa e Corcovado mountains, between 1,000 at 1,200 meters of altitude. The floristic survey involved the collecting of herbs, shrubs, trees and lianas and was done monthly between 2006 and 2009 going through range in the different phytophysiognomies. The Leguminosae family is well represented in the Ombrophilous Dense Forest of Picinguaba and Santa Virgínia nucleus (140 species), being 18 Caesalpinioideae, 42 Mimosoideae and 80 Papilionoideae. Sixty-one species have arboreal habit, 56 are shrubs and 23 are lianas. A list is presented of the genera and species with their corresponding descriptions, illustrations, habit information, geographical distribution, flowering and fruiting periods and also keys to the specific identification, discussion on phenotipic similarities and taxonomic delimitation. The clustering analysis performed to 13 different altimetric range revealed the existence of at least three groups along the gradient: one formed by the species which occur from 0-50 m, corresponding to the Restinga Forest, another occurring from 800 to 1,200 m, on the highest level of Montane Ombrophilous Dense Forest and another from 50 to 500 m which comprises the Lowland Ombrophilous Dense Forest and the Submontane Ombrophilous Dense Forest. The Restinga Forest presented the smallest similarity to the other altitudinal quotas considering all the studied species or just the shrubs. The trees indicate the Montane Ombrophilous Dense Forest as the formation with the smallest similarity to the other altimetric range. The Lowland Ombrophilous Dense Forest and the Submontane Ombrophilous Dense Forest presented the greatest similarity, showing the existence of a great species share between these two phytophysiognomies. The Leguminosae family species seem most adapted to occupy lower altitude areas, between 0 and 500 m, comparatively presenting a smaller richness in highest altitude areas (1,100 to 1,200 m). Twenty-six Leguminosae species found in the studied area are endemic to the Atlantic Forest.
Subject: Gradiente altitudinal
Levantamento florístico
Restingas
Fitofisionomias
Mata Atlântica
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2010
Appears in Collections:IB - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Silva_EdsonDiasda_D.pdf11.92 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.