Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/314805
Type: TESE
Title: Filogenia e biogeografia de Lonchocarpus s.l. e revisão taxonômica dos gêneros Muellera L.f. e Dahlstedtia Malme (Leguminosae, Papilionoideae, Millettieae)
Title Alternative: Phylogeny and biogeography of Lonchocarpus s.l. and taxonomic revision of the genera Muellera L.f. and Dahlstedtia Malme (Leguminosae, Papilionoideae, Millettieae)
Author: Silva, Marcos José da
Advisor: Tozzi, Ana Maria Goulart de Azevedo, 1954-
Abstract: Resumo: Lonchocarpus Kunth (Leguminosae, Papilionoideae, Millettieae) é predominantemente neotropical e inclui cerca de 150 espécies. Estudos considerando a sistemática de Lonchocarpus são necessários, devido à sua classificação infragenérica que apresenta problemas nomenclaturais e taxonômicos, correlacionados com a alta diversidade morfológica de seus representantes. Há controvérsias referentes ao número, ao nome e à definição de suas séries, seções e subgêneros, bem como à sua própria circunscrição genérica. Entre as seções de Lonchocarpus, L. sect. Laxiflori (Benth.) Taub. e L. sect. Punctati (Benth.) Taub. são distintas morfologicamente das demais e têm distribuição geográfica quase que restrita à América do Sul, sendo a revisão taxonômica delas fundamental para a delimitação de Lonchocarpus. Ainda neste contexto, a precisa circunscrição do gênero só é possível com o entendimento das relações de Lonchocarpus com gêneros relacionados. Entre as poucas referências de estudos filogenéticos que incluem espécies de Lonchocarpus, uma apresenta Lonchocarpus s. str. como monofilético se as espécies sulamericanas da seção Punctati forem excluídas. Considerando os resultados apresentados nos estudos filogenéticos e os problemas relacionados à circunscrição e à classificação infragenérica de Lonchocarpus, esta tese teve como objetivos 1) estudar a filogenia de Lonchocarpus, com o intuito de precisar sua circunscrição, bem como sua origem, idade, diversificação geográfica, e de elucidar suas relações com alguns gêneros cotribais, e 2) revisar Lonchocarpus sect. Punctati e L. sect. Laxiflori. O estudo filogenético baseou-se em fragmentos seqüências de macromoléculas derivadas do DNA do cloroplasto (trnL-F e matK) e nuclear (ITS1+5.8S+ITS2), analisadas individualmente ou de maneira combinadas entre si e com dados morfológicos, através dos métodos de parcimônia e bayesiano, enquanto que os estudos taxonômicos revisionais fundamentaram-se nos procedimentos taxonômicos tradicionais. No capítulo 1, que trata da filogenia e biogeografia de Lonchocarpus e afins, as análises cladísticas mostraram que Lonchocarpusconforme atualmente circunscrito é parafilético e que em Lonchocarpus sensu lato três grandes clados podem ser reconhecidos: clado Laxiflori, clado Dahlstedtia e clado Lonchocarpus s. str., sendo os dois primeiros predominantemente sulamericanos e o último principalmente mesoamericano. As espécies de Lonchocarpus sect. Punctati ficaram no clado Dahlstedtia, enquanto que no clado Laxiflori também foram incluídas as espécies de Bergeronia Micheli e Margaritolobium Harms. Com estes resultados, em adição à consistência da delimitação morfológica, houve a necessidade de se propor o reestabelecimento de Muellera L.f., gênero neotropical com apenas duas espécies antes de sua sinonimização com Lonchocarpus, para incluir as espécies do clado Laxiflori, e a ampliação da circunscrição de Dahlstedtia, para incluir as espécies até então subordinadas à seção Punctati. Na recircunscrição e revisão do gênero Dahlstedtia Malme (capítulo 2) foram reconhecidas 16 espécies incluindo as duas anteriormente aceitas e as 3 novas para a ciência, e propostas 12 combinações novas e dois sinônimos novos. Dahlstedtia possui distribuição neotropical, com centro de diversidade na porção sudeste da América do Sul. O estudo visando o restabelecimento e revisão do gênero Muellera L.f. (capítulo 3) resultou na sinonimização de Lonchocarpus sect. Laxiflori e dos gêneros Bergeronia e Margaritolobium com Muellera, totalizando 26 espécies, das quais 10 novas. O gênero é sulamericano, com duas espécies atingindo a América Central. Estão sendo propostas seis lectotipificações, 10 sinonimizações e 17 combinações novas. Descrições, ilustrações, comentários taxonômicos, mapas de distribuição geográfica e chaves para identificação das espécies foram apresentadas. A análise de datação molecular revelou que Lonchocarpus s.s originou-se a cerca de 8,7±0,05Ma na América Central, diferentemente dos clados Dahlstedtia e Laxiflori que surgiram na América do Sul, em 6,3±0,05Ma e 8,0±0,09Ma, respectivamente, e que ocorreu pelo menos três eventos de migração deste gênero da América Central para a do Sul e um único para o continente africano.

Abstract: Lonchocarpus Kunth (Leguminosae, Papilionoidae, Millettiae) is predominantly neotropical and it includes around 150 species. It is necessary to make studies of the systematics of Lonchocarpus owing to its problematic nomenclatural and taxonomical infrageneric classification, which is related to the great morphological diversity of its representatives. There is a controversy over the number, the name, the definition of itsseries, sections and subgenus, as well its generic circumscription. Among the sections of Lonchocarpus, only L. sect. Laxiflori (Benth) Taub. and L. Sect. Punctati (Benth) Taub. Are morphologically distinct from the others. And their geographical distribution is mostly restricted to South America. Hence, it is extremely important to perform a taxonomical revision to delimit Lonchocarpus. Moreover, a precise circumscription of the genus is only possible if one has an understanding of the relationship between Lonchocarpus and related genera. Among the few references to phylogenetic studies which include species of Lonchocarpus, one refers to Lonchocarpus s. str. as monophyletic if the South American species of the section Punctati are excluded. Considering the resulted presents in the phylogenetic studies, the problems related to circumscription and the infrageneric classification of Lonchocarpus, this thesis aims at: 1) Studying the phylogeny of Lonchocarpus in order to determine its exact circumscription, its age and origin, and its geographic diversification, as well as elucidating its relationships with some cotribal genera, and 2) at revising Lonchocarpus sect Punctati and L. sect Laxiflori. The phylogenetic study was based on sequence fragments of macromolecules derived from the DNA of the chloroplast (trnL-F AND matk) AND of nuclear (ITS1 + 5.85 + ITS2), analyzed individually or combined among themselves (or with morphological data) using the parsimony and bayesian methods, while the revisional taxonomic studies were based on traditional taxonomic procedures. Chapter 1 deals with phylogeny and biogeography of Lonchocarpus and allies. In this chapter the cladistic analysis shows that according to the current circumscription Lonchocarpus is paraphyletic and that in Lonchocarpus sensu lato three great clade can be recognized: clade Laxiflori, clade Dahlstedia and clade Lochocarpus s. str., where the first two are predominantly southamerican and the last one ismainly mesoamerican. The species of Lonchocarpus sect. Punctati remained in the clade Dahlstedtia, while the species of Bergeronia Micheli and Margaritolobium Harms were also included in the clade Laxiflori. Based on these results which support the consistency of the morphological delimitation, it was necessary to propose the reestablishment of Muellera L.f., a neotropical genus with only two species before its synonymization with Lonchocarpus, in order to include the species of the clade Laxiflori. Furthermore, the circumscription of Dahlstedtia was extended to include the species which were still subordinated to the section Punctati. During the recircumscription and revision of the genus Dahlstedtia Malme (chapter 2), 16 species were recognized including the two species which were previously accepted and 3 unknown species to science. Also, 12 new combinations and 2 new synonyms were proposed. Dahlstedtia has a neotropical distribution, with its diversity center in the southern region of South America. The study intended for the reestablishment and revision of the genus Muellera L.f. (chapter 3) resulted in the synonymization of Lonchocarpus sect. Laxiflori and of the genera Bergeronia and Margaritolobium with Muellera, totalling 26 species (10 of them new). The genus is South American, with two species reaching Central America. Six lectotypifications, tem synonymizations and 17 new combinations are being proposed. Descriptions, illustrations, taxonomic commentaries, maps of the geographic distribution and species identification keys have been presented. The analysis of the molecular dating revealed that Lonchocarpus s. str. originated in Central America around 8.7± 0.05Ma. Unlike the clades Dahlstedia and Laxiflori that appeared in South America in 6.3± 0.05Ma and 8.0± 0.09Ma, respectively. The analysis also revealed that there have been at least three migrations of this genus from Central America to South America, and only one to Africa.
Subject: Lonchocarpus
Muellera
Dahlstedtia
Taxonomia vegetal
Plantas - Filogenia
Datação molecular
Biogeografia
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2010
Appears in Collections:IB - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Silva_MarcosJoseda_D.pdf18.97 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.