Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/314610
Type: TESE
Title: Avaliação de estresse, morbidade psiquiatrica e marcadores inflamatorios em individuos de baixo status socioeconomico
Title Alternative: Stress, psychiatric morbidity and inflammatory markers in low socioeconomic status individuals
Author: Souza, Aglecio Luiz de, 1979-
Advisor: Spadari-Bratfisch, Regina Celia, 1952-
Abstract: Resumo: Muitos estudos demonstram associação entre baixo status socioeconômico e alta prevalência de morbidade psiquiátrica. Entretanto, em países da América Latina, incluindo o Brasil, nos quais as diferenças sociais são maiores, estes estudos são escassos. Fatores psicossociais são importantes mediadores da relação entre saúde e status socioeconômico, e as respostas neuroendócrinas e imunológicas podem explicar a patogênese de morbidade psiquiátrica associada ao estresse psicossocial. Esta resposta é modulada pelo cortisol e por mediadores inflamatórios. O objetivo deste estudo foi avaliar a associação entre índice de estresse percebido, prevalência de morbidade psiquiátrica, concentrações séricas de interleucina 6 (IL-6), fator de necrose tumoral-a (TNF-a) e proteína C reativa (PCR), bem como de cortisol salivar em indivíduos de baixo status socioeconômico. Sessenta e cinco indivíduos foram submetidos a análises psicométricas utilizando-se a Entrevista Clínica Estruturada Revisada (CIS-R), o Questionário de Estresse Percebido (QEP) e a Escala Hospitalar de Ansiedade e Depressão, e forneceram amostras de sangue e saliva para determinação da concentração dos marcadores acima mencionados. Os resultados mostraram alto índice de estresse percebido e alta prevalência de morbidade psiquiátrica, os quais apresentaram associação entre si. Os sujeitos apresentaram também alta concentração salivar de cortisol e resposta do cortisol ao acordar, sendo esta última negativamente correlacionada com a renda per capita. A concentração sérica dos marcadores inflamatórios foi maior do que a apontada na literatura em indivíduos saudáveis, porém, não houve associação entre estes marcadores inflamatórios, o estresse percebido e a prevalência de morbidade psiquiátrica. Nós concluímos que exposição crônica a estressores psicossociais, presentes no ambiente dos indivíduos avaliados, pode explicar o alto índice de estresse percebido e a alta prevalência de morbidade psiquiátrica encontrados neste trabalho. O estresse psicossocial crônico, através da concentração aumentada de cortisol, deixaria o indivíduo vulnerável à morbidade psiquiátrica. Além disso, as altas concentrações de marcadores inflamatórios encontradas indicam um estado sub-clínico de inflamação, o qual poderia contribuir para a alta prevalência de morbidade psiquiátrica e para a manutenção de concentrações elevadas de cortisol. Assim, devido às características socioeconômicas, o Brasil, comparado com países desenvolvidos, possui uma significativa parcela da população sujeita a transtornos mentais, os quais têm forte impacto negativo sobre a saúde pública, exigindo políticas de prevenção e intervenção especificamente direcionadas à população de baixo status socioeconômico

Abstract: The association between low socioeconomic status (SES) and high psychiatric morbidity prevalence has been established throughout studies performed in rich countries rather than developing countries where the social differences are huge. The aim of this work was to investigate the association between the perceived stress level, psychiatric morbidity prevalence, interleukin-6 (IL-6), a- tumoral necrose factor (a TNF) and reactive C protein (PCR) serum levels, as well as salivary cortisol concentration in individuals of low SES. Sixty-five adult male classified as belonging to low SES were submitted to a psychometric analysis by the Revised Clinical Interview Schedule (CIS-R), the Perceived Stress Questionnaire (QSP) and the Hospital Anxiety and Depression Scale (HAD). The subjects also provided blood and saliva samples for the analysis of the biological markers of stress and inflammation. The results showed association between perceived stress level and prevalence of psychiatric morbidity, with both indicators showing high scores. The salivary cortisol concentration and the awakening cortisol response (CAR) were high and the CAR showed a negative correlation to per capita income. The inflammatory markers levels were higher compared to data for healthy subjects in the literature. However, there was no association between inflammatory markers, perceived stress and psychiatric morbidity prevalence. We concluded that chronic exposure to psychosocial stressors, present in low SES environmental, might explain the higher perceived stress level and psychiatric morbidity prevalence found in this work. The chronic psychosocial stress, through the high cortisol levels, might lead to psychiatric morbidity vulnerability. Inasmuch, the higher inflammatory markers levels indicate an inflammatory state, which probably contribute to psychiatric morbidity prevalence. Therefore, considering the socioeconomic features of the Brazilian population, there is a great percentage of people exposed to high risk of mental health diseases. This picture might have a negative impact on public health and imposes the need for public actions of prevention and of intervention specifically directed toward this socioeconomic class
Subject: Stress (Fisiologia)
Depressão mental
Cortisol
Status social
Marcadores inflamatorios
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2007
Appears in Collections:IB - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Souza_AglecioLuizde_M.pdf1.3 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.