Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/314430
Type: TESE
Degree Level: Doutorado
Title: Estudo da variabilidade da frequencia cardiaca e da capacidade aerobia em homens jovens e de meia idade submetidos a treinamento fisico aerobio
Author: Catai, Aparecida Maria
Advisor: Gallo Junior, Lourenço, 1942-
Abstract: Resumo: O presente estudo objetivou avaliar, em homens jovens e de meia idade, os efeitos do treinamento físico aeróbio (TF A) de 3 meses de duração, sobre o controle autonômico da freqüência cardíaca (FC) durante exercício dinâmico e da variabilidade de freqüência cardíaca (VFC) nos domínios do tempo (DT) e da freqüência (DF), durante o sono, bem como sobre as respostas do consumo de oxigênio no limiar de anaerobiose (v 02 LA) e no pico de esforço (v 02 pico). Foram estudados 17 voluntários saudáveis, com padrão sedentário de vida, sendo 10 jovens e 7 meia idade, com idades medianas de 22 e 53 anos, respectivamente. Estes foram submetidos a três protocolos realizados em dias não consecutivos: dois testes de exercício físico dinâmico (EFD) com medida direta do v 02, em cicloergômetro na posição sentada, sendo a) um com protocolo contínuo, com incrementos de potência entre 12 a 20 Watts/min até a exaustão física; b) um com protocolo descontínuo com incrementos de potência de 25 em 25 Watts até atingirem FC até 150 bpm. Interpunha-se períodos variáveis de repouso entre os níveis de esforço, para que a FC e variáveis cardiorrespiratórias retomassem aos valores controle; c) para o estudo da VFC realizou-se eletrocardiografia dinâmica de 24 horas (Holter), onde foram selecionados dois trechos de maior estabilidade, referentes a seis horas centrais do sono, denominados Sono 1 e Sono 2. Os resultados, foram apresentados no DT como média dos intervalos RR e seu desvio padrão, e no DF em bandas de baixa (BF) e alta freqüências (AF) obtidas através da Transformada Rápida de Fourier - "FFT", expressas em unidades absolutas e em unidades normalizadas (un), bem como a razão BF/AF, as quais refletem a modulação vago-simpática sobre o nódulo sinusal. O TF A foi composto de alongamentos de 10 minutos e caminhadas e/ou trotes de 40 minutos, 3X1semana, numa intensidade de 70-85% da FC pico obtida a partir de teste de laboratório, por um período de 3 meses. Os grupos estudados apresentaram significativa bradicardia em repouso e melhora no desempenho aeróbio, expresso pelo aumento dos valores da potência e do consumo de oxigênio no LA e no pico do esforço. Ressalte-se, entretanto, que as respostas adaptativas ao treinamento foram melhor evidenciadas em relação ao V 02 LA e à potência no esforço pico, pois ambos os grupos apresentaram valores significativamente maiores destes parâmetros após o treinamento. Na análise do controle da função autonômica durante exercício foram evidenciados um aumento da contribuição vagal pelo aumento da resposta rápida da FC nos 30 s iniciais do EFD e uma diminuição da estimulação simpática pela redução do incremento lento da FC do f ao 4° min do EFD, embora as respostas intragrupos tenham sido de pequena magnitude. Na análise da VFC no DT, durante o sono, as variáveis mostraram respostas adaptativas intragrupos de pequena magnitude, ao longo do TFA, No entanto, na análise dos valores absolutos entre os grupos, observa-se que a magnitude das respostas dos jovens foi maior que a do grupo meia idade. Na análise no DF, o treinamento físico praticamente não alterou os valores absolutos dos componentes espectrais avaliados no período de sono. No entanto, ao analisarmos os dados em unidades normalizadas e a razão BF/AF, observamos que, após o treinamento, os jovens apresentaram aumento da razão BF/AF bem como aumento da participação do componente BFun e redução da AFun; já, no grupo meia idade, ocorreu o oposto ou seja, o treinamento reduziu a razão BF/AF e a BFun e aumentou a AFun. Entretanto, as diferenças não atingiram significância estatística para ambos os grupos estudados. Estes dados sugerem que o TFA induziu maiores alterações na capacidade aeróbia do que na VFC, para ambos os grupos, podendo estas respostas estarem relacionadas a duração do período de TFA utilizada no presente estudo

Abstract: The main purposes of the present study were to evaluate the effects of a 3month aerobic physical training on efferent autonomic cardiac control by monitoring heart rate (HR) during dynamic exercise (DE) and HR variability (HRV) in time (TD) and in frequency (FD) domains during sleeping. The oxygen uptake at ventilatory anaerobic threshold (VO2 AT) and peak conditions (VO2 peak) during DE were also investigated in two groups of healthy sedentary men: one consisting of young (Y: n=10, median=22 yr) and the other of middle-aged subjects (M: n=7, median=53 yr). Dynamic exercise lests were performed on a cycloergometer with direct V 02 measurement, using continuous and discontinuous protocols in seated .position. Power increments from 12 to 20 Watts/min up to exhaustion were used in continuous protocol. Workload increments of 25 Watts over a period of 4 min each were used in discontinuous protocol; varying periods of rest were allowed between the different levels of effort so that heart rate and ventilatory and metabolic variables could return to control levels. In a different day, ECG signals were recorded using a 24 h Holter tape recorder. Two intervals of sleep (Sleep 1 ¿ the initial sleep period, and Sleep 2 - in a latter period) were selected. Mean RR interval and the standard deviation were the selected TD parameters For FD analysis, the spectral components were expressed at Low (LF) and High (HF) frequencies, obtained by using Fast Fourier Transforms (FFT) in absolute and normalized units (nu), LFnu and HFnu and LF/HF ratio. Aerobic exercise training program was conducted for 3 months on a field track and was composed of stretching for ten minutes and walking and/or jogging for 40 minutes , three times per week at a prescribed HR corresponding to 70 to 85% of peak HR obtained during dynamic exercise test in Laboratory. The studied groups showed significantly resting bradycardia and aerobic capacity improvement since power, V02 AT and V02 peak increased after aerobic training. However, in the case of V 02 AT and power peak significant differences were observed (p<0.05), for both groups. The present study showed a decreases the slow sympathetic and increases the fast parasympathetic contribution to HR during dynamic exerci se at the same absolute workloads, in both groups. These results showed no statistical significance. During sleep, HRV analysis in TD has shown small changes with aerobic training, for both groups. In another way, the comparative evaluation between the groups showed that the young group presented higher absolute values than the middle-aged group. HRV analysis expressed in absolute FD values also showed changes of small magnitude with aerobic training, for both groups. However, the FD components expressed in nu, as well as the LH/HF ratio, have shown after training na increase in LF/HF ratio and in LFnu as well as reduction in HFnu for young group. In the middlle-aged group occurred the opposite, i.e., the training reduced the LF/HF ratio and LFnu and also increased HFnu, with non-significant differences (p>O.O5), for both groups. These overall results suggest that aerobic physical training induced higher alterations in aerobic capacity than in efferent autonomic cardiac control of heart rate during dynamic exerci se and HRV during sleeping, for both groups. These responses may be associated with the duration of aerobic physical training applied in the present study
Subject: Adaptação (Fisiologia)
Educação física
Sistema nervoso autônomo
Envelhecimento
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 1999
Appears in Collections:IB - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Catai_AparecidaMaria_D.pdf11.22 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.