Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/314020
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.contributor.CRUESPUNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINASpt_BR
dc.descriptionOrientador: Carlos Henrique Inacio Ramospt_BR
dc.descriptionTese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Biologiapt_BR
dc.format.extent85 f. : il.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/pdfpt_BR
dc.languagePortuguêspt_BR
dc.typeTESEpt_BR
dc.titleCaracterização das forças envolvidas na estabilidade e na via de enovelamento de globinaspt_BR
dc.title.alternativeCharacterization of forces involved in stability and folding pathway of globinspt_BR
dc.contributor.authorRegis, Wiliam Cesar Bentopt_BR
dc.contributor.advisorRamos, Carlos Henrique Inacio, 1967-pt_BR
dc.contributor.institutionUniversidade Estadual de Campinas. Instituto de Biologiapt_BR
dc.contributor.nameofprogramPrograma de Pós-Graduação em Biologia Funcional e Molecularpt_BR
dc.subjectMutagênese sitio-dirigidapt_BR
dc.subjectProteinas - Estabilidadept_BR
dc.subjectMioglobinapt_BR
dc.subjectUltracentrifugaçãopt_BR
dc.subjectCyperaceaept_BR
dc.subject.otherlanguageSite-directed mutagenesisen
dc.subject.otherlanguageProteins - Stabilityen
dc.subject.otherlanguageMyoglobinen
dc.subject.otherlanguageUltracentrifugationen
dc.subject.otherlanguageCyperaceaeen
dc.description.abstractResumo: Os estudos em biologia estrutural avançaram muito nos últimos anos e inúmeras informações, obtidas principalmente por dados cristalográficos, ajudaram no entendimento dos mecanismos de ação e efeito biológico de várias proteínas contudo o caminho que vai da síntese até a estruturação dde uma porteína aidna é pouco conhecido. Uma descrição termodinâmica detalhada de proteínas é fundamental para se entender seu papel biológico e conhecer as interações e forças que determinam o enovelamento. Este é o foco pincipal deste trabalho que utilizou para isso as mioglobinas de baleia e de cavalo. O estudo da apomioglobina se divide quase igualmente entre as proteínas oriundas de espermacete, a qual está clonada, e de cavalo, a qual é obtida comercialmente. Ambas possuem alta homologia e comportamento similar quanto ao enovelamento, assumindo-se em geral que estas proteínas apresentam o mesmo fenômeno no que diz respeito ao enovelamento. Contudo, esta hipótese pode não ser verdadeira, o que torna necessário medir e comparar a estabilidade destas proteínas. Apenas recentemente um método confiável para medir a estabilidade de mioglobina em uma reação reversível foi implantado: análise do desenovelamento por uréia de um derivado ciano de mioglobina em uma faixa de pH limitado. Nossos resultados mostraram que a mioglobina de cavalo é 2,1 kcal/mol menos estável que a mioglobina de espermacete em pH 5,0 e 25 ºC. Além disso, a mioglobina de cavalo agregou em altas concentrações, como medido por experimentos de gel filtração e ultracentrifugação analítica. A alta estabilidade da mioglobina de espermacete foi identificada tanto para a forma apoquanto para a forma holo e se mostrou independente de pH, na faixa de 5 até 8, e da presença de até 200 mM de cloreto de sódio. A substituição dos resíduos de alanina nas posições 15 e 74 por glicina, encontrados na mioglobina de cavalo, diminuiu a estabilidade da proteína em 1,0 kcal/mol. As apoproteínas de mamíferos que mergulham são significativamente mais estáveis do que as apoproteínas de mamíferos terrestres. Este fenômeno pode ser explicado pela suposição de que sob pressão seletiva um acúmulo de mutações que levam a pequenas estabilizações nas características globais de estabilidade das proteínas. Mamíferos que mergulham em grandes profundidades, como a baleia, são expostos a anaerobiose prolongada e conseqüente condições de acidose. Isto pode levar a uma série de acúmulos de mutações que promoverão resistência ao desenovelamento e a perda do grupo heme, fenômenos que podem ocorrer durante a acidose (Tang et al., 1998). Os resultados deste trabalho indicaram que a propensão a formação de hélices é um componente importante para explicar as diferenças de estabilidade entre as mioglobinas de cavalo e de espermacetept
dc.description.abstractAbstract: The work in the literature on the stability and folding pathway of myoglobin is almost equally divided between horse myoglobin, which is available commercially, and sperm whale myoglobin, which must be cloned and expressed. The two proteins share high homology, show similar folding behavior and it is often assumed that all folding phenomena found with one protein will also be found with the other. This assumption may not be true, which makes essential to compare their basic properties, such as stability and dependence on temperature and salt concentration. However, no reliable method have been used to access the precisely difference in stability between these two proteins because it was not possible until recently to measure the stability of holoMb in a reversible unfoldingr efolding reaction. The reversible folding of myoglobin can be measured by using the cyanmet derivative and urea unfolding but only in a limited pH range. We report data at equilibrium showing that horse myoglobin was 2.1 kcal/mol less stable than sperm whale myoglobin at pH 5.0, 25 ºC, and aggregated at high concentrations as measured by gel filtration and analytical ultracentrifugation experiments. The higher stability of sperm whale myoglobin was identified for both apo and holo forms, and was independent of pH from 5 to 8 and of the presence of sodium chloride. We also show that the substitution of sperm whale myoglobin residues Ala15 and Ala74 to Gly, the residues found at positions 15 and 74 in horse myoglobin, decreased the stability by 1.0 kcal/mol, indicating that helix propensity is an important component of the explanation for the difference in stability between the two proteinsen
dc.publisher[s.n.]pt_BR
dc.date.issued2005pt_BR
dc.identifier.citationREGIS, Wiliam Cesar Bento. Caracterização das forças envolvidas na estabilidade e na via de enovelamento de globinas. 2005. 85 f. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Biologia, Campinas, SP. Disponível em: <http://libdigi.unicamp.br/document/?code=vtls000375382>. Acesso em: 28 mar. 2017.pt_BR
dc.description.degreelevelDoutoradopt_BR
dc.description.degreedisciplineBioquimicapt_BR
dc.description.degreenameDoutor em Biologia Funcional e Molecularpt_BR
dc.contributor.committeepersonalnameBonafé, Carlos Francisco Sampaiopt_BR
dc.contributor.committeepersonalnameGuimarães, Beatriz Gomespt_BR
dc.contributor.committeepersonalnameCano, Maria Isabel Nogueirapt_BR
dc.date.defense2005-09-16T00:00:00Zpt_BR
dc.date.available2017-03-28T19:28:11Z
dc.date.available2017-07-19T12:54:16Z-
dc.date.accessioned2017-03-28T19:28:11Z
dc.date.accessioned2017-07-19T12:54:16Z-
dc.description.provenanceMade available in DSpace on 2017-03-28T19:28:11Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Regis, Wiliam Cesar Bento.pdf: 2288615 bytes, checksum: 63ccd34d93524d993a42e51b4e2f9855 (MD5) Previous issue date: 2005en
dc.description.provenanceMade available in DSpace on 2017-07-19T12:54:16Z (GMT). No. of bitstreams: 1 Regis_WiliamCesarBento_D.pdf: 2288615 bytes, checksum: 63ccd34d93524d993a42e51b4e2f9855 (MD5) Previous issue date: 2005en
dc.identifier.urihttp://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/314020
Appears in Collections:IB - Dissertação e Tese

Files in This Item:
File SizeFormat 
Regis_WiliamCesarBento_D.pdf2.23 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.