Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/313834
Type: DISSERTAÇÃO
Degree Level: Mestrado
Title: (In)segurança alimentar e sua relação com pobreza e ações de proteção social em domicilios com crianças menores de cinco anos
Title Alternative: Food (in)security and its realtion to poverty and social protection actions in households with children under five years old
Insegurança alimentar e sua relação com pobreza e ações de proteção social em domicilios com crianças menores de cinco anos
Author: Fioreti, Ana Paula
Advisor: Corrêa, Ana Maria Segall, 1946-
Abstract: Resumo: As políticas de transferência de renda vêm sendo apontadas como uma estratégia resolutiva para a redução da pobreza e o combate à fome, dois problemas mundiais que ocupam a agenda política global. O Bolsa Família, principal programa de transferência direta de renda brasileiro, até novembro de 2008 alcançou cerca de 20% da população brasileira. O Objetivo deste estudo é o de descrever a prevalência de segurança alimentar e os níveis de insegurança alimentar entre os beneficiários do programa Bolsa Família e suas características sociais. A análise limitou-se aos domicílios onde residiam crianças menores de cinco anos, pertencentes às classes econômicas D e E. Para isso foi feita análise secundária de dados com as informações obtidas na Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Criança e da Mulher - PNDS 2006. Para a medida da segurança alimentar foi utilizada a EBIA. Dos domicílios pesquisados 46% recebem o benefício do Bolsa Família, sendo que a região Nordeste concentra o maior percentual de beneficiários (60,7%). Entre os beneficiários do Bolsa Família apenas 28,7% vivem em segurança alimentar; 28,7% em insegurança alimentar leve; 27,0% em insegurança alimentar moderada e, 15,5% em insegurança alimentar grave. Por sua vez, os não beneficiários de qualquer transferência de renda apresentam prevalência de 35,0% de segurança alimentar; 37,2% de insegurança alimentar leve; 19,5% de insegurança alimentar moderada e, 8,3% de insegurança alimentar grave. Pelo modelo final de regressão, residir em área urbana, especialmente, nas regiões Norte e Nordeste do país, ter duas ou mais crianças menores de cinco anos no domicílio, cinco ou mais moradores, não possuir telefone, piso acabado e água canalizada no interior do domicílio aumenta significantemente a chance do domicílio experimentar insegurança alimentar. Os resultados mostram que as condições de segurança alimentar e, com frequência, as condições sociais dos beneficiários são mais precárias em comparação aos não beneficiários, como já mostrado em outros estudos, sugerindo boa focalização do programa

Abstract: Cash transfer programs have been considered an effective strategy to reduce poverty and hanger, two world issues that are on the global policy agenda. Bolsa Família, the main program of direct income transference to the poorest families in Brazil, reached 20% of its population by November 2008. This study aims to describe the differences in household food security and levels of food insecurity according to their status of having people receiving or not receiving income from the cash transference program, besides of other social characteristics. The analysis was limited to households with children under 5 years old belonging to social classes D and E. For this, a secondary analysis of data with information from the 2006 PNDS (National Survey of Demography and Health of Children and Women) was performed. The EBIA (Brazilian Food Insecurity Scale) was used to mesure food security. 46% of the households surveyed receive the benefit of Bolsa Família and the Northeastern region has the largest percentage of beneficiaries (60.7%). Among the beneficiaries of Bolsa Família, only 28.7% live in food security; 28.7% live in low food insecurity; 27.0% live in moderate food insecurity and 15.5% live in severe food insecurity. In turn, those not entitled to any transfer of income present a prevalence of 35.0% of food security, 37.2% of low food insecurity, 19.5% of moderate food insecurity, and 8.3% of severe food insecurity. Through the final model of regression, living in urban areas, especially in the Northern and Northeastern ones, having two or more children under five years old at home, five or more residents, not having telephone, finished floor and piped water inside the household significantly increases the chance of household food insecurity experience. The results show that the conditions for food security and, often, the social conditions of the beneficiaries are poorer compared to non-beneficiaries, as it has been shown in other studies, suggesting good focus of the program
Subject: Fome
Política social
Pobreza
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2010
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Fioreti_AnaPaula_M.pdf837.45 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.