Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/313398
Type: DISSERTAÇÃO
Degree Level: Mestrado
Title: Tensão devida ao papel de cuidador entre cuidadores de crianças com cancer
Author: Beck, Ana Raquel Medeiros, 1973-
Advisor: Lopes, Maria Helena Baena de Moraes, 1959-
Abstract: Resumo: Este estudo pretendeu identificar e descrever a tensão vivenciada pelo cuidador devido às atividades do cuidar, em uma unidade de internação pediátrica com alojamento conjunto de um Hospital de Câncer Infantil, no município de Campinas, SP. A linha de pesquisa foi "O processo de Cuidar em Enfermagem". Durante dois meses foram entrevistados 50 cuidadores de crianças de 3 a 10 anos. A cada cuidador foi perguntado o quanto a criança dependia dele para executar atividades de vida diária (AVD). Os cuidadores determinaram também o grau de ajuda de outros e a intensidade de prejuízo que as atividades de cuidado provocaram em áreas de sua vida pessoal (sono, humor, lazer, vida sexual etc). Os diagnósticos de 'tensão devida ao papel de cuidador' e 'risco para tensão devida ao papel de cuidador' foram explorados através de formulário com questões abertas e fechadas, baseados em indicadores ou fatores de risco destes diagnósticos. Os diagnósticos de 'tensão devida ao papel de cuidador' foram determinados pela presença de duas ou mais características definidoras e pela análise global das respostas e o 'risco para tensão devida ao papel de cuidador' pela presença de pelo menos um fator de risco. Quarenta e sete cuidadores eram mulheres (mães ou avós) e três, homens (pais). Apresentaram 'tensão devida ao de papel de cuidador' 78% e 100% tiveram 'risco para tensão devida ao papel de cuidador'. As características definidoras mais freqüentes foram 'apreensão quanto ao cuidado do receptor de cuidado quando o cuidador estiver doente ou morrer', 'atividades de cuidado alteradas' e 'preocupação com a rotina de cuidado'. Os fatores de risco mais freqüentes foram: 'gravidade da doença do receptor de cuidados', 'o cuidador é mulher', 'falta de descanso e recreação para cuidador', 'inexperiência quanto ao cuidar', 'problemas psicológicos no receptor de cuidados', 'duração dos cuidados requeridos', 'complexidade/quantidade das tarefas do cuidador', 'curso imprevisto da doença ou instabilidade na saúde do receptor de cuidados'. As crianças eram mais dependentes na AVD 'tomar remédio' e mais independentes na AVD 'mover-se'. As crianças de 3 a 6 anos tinham maior grau de dependência. A ajuda recebida pelo cuidador era parcial antes da internação e, durante a internação, restringia-se às atividades domésticas e ao cuidado com os outros filhos. O trabalho, os estudos, o sono, o lazer, o humor e a vida sexual foram os aspectos da vida do cuidador mais afetados pela atividade de cuidar. Conclui-se que os cuidadores de crianças com câncer têm risco alto para 'tensão devida ao papel de cuidador' e que a atividade de cuidar traz prejuízos à sua vida

Abstract: This study intended to identify and to describe the tension lived by the caregiver due to the activities of taking care, in an unit of pediatric internment, with rooming in, of a Hospital of Infantile Cancer, Campinas, SP, Brazil. The research area was 'The Nursing Care Process'. For two months 50 caregivers of children from 3 to 10 years were interviewed. Each caregiver was asked to estimate how much the child depends on her/him to perform activities of daily life (ADL). The caregivers scored (0-10 scale) the degree in that the caregiver received help of other and the intensity of the damage that taking care provoked in areas of the caregiver's personal life (sleep, humor, leisure, sexual life etc.). The diagnoses of 'caregiver role strain' and 'risk of caregiver role strain' were explored by questions based on indicators or risk factors of these diagnoses (NANDA, 1999-2000). The diagnosis of 'caregiver role strain' was determined by the presence of two or more defining characteristics and for the global analysis of the answers and the 'risk for caregiver role strain', for the presence of at least a risk factor. Forty seven caregivers were women (mothers or grandparents) and three, men (parents). They presented 'caregiver role strain' 78% and 100% had 'risk for caregiver role strain'. The defining characteristics more frequent were: 'apprehension about care receiver's care when caregiver is iII or deceased' and 'altered care giving activities'. The more frequent risk factors were: 'illness severity of the care receiver', 'caregiver is female', 'Iack of respite and recreation for caregiver', 'inexperience with care giving', 'psychological problems in care receiver, 'duration of care giving required', 'complexity/amount of care giving tasks', 'unpredictable illness course or instability in the care receiver's health'. The children were more dependent in ADL 'to take medicine' and more independent in ADL 'to move'. The children from 3 to 6 years had larger dependence degree. The help received by the caregiver it was partial before the internment and, during the internment, it was limited to the domestic activities and under the care of the other children. The job, the studies, the sleep, the leisure, the humor and the sexual life were the aspects of caregiver's life more affected for the care giving activities. In conclusion, caregivers of children with cancer have high risk for 'caregiver role strain'
Subject: Família
Diagnóstico de enfermagem
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2002
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Beck_AnaRaquelMedeiros_M.pdf7.54 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.