Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/313267
Type: TESE
Title: Atividade fisica e aptidão fisica em mulheres na pos-menopausa
Author: Silva, Raimunda Beserra da
Advisor: Costa-Paiva, Lucia
Abstract: Resumo: Introdução: Estudos indicam que baixos níveis de atividade física e aptidão física são fatores que se relacionam com a incidência de doenças. Alterações fisiológicas decorrentes do aumento da idade cronológica e da pós-menopausa contribuem para que ocorra diminuição no nível de atividade física em mulheres. Objetivo: Avaliar a prevalência da atividade física e sua associação com as dimensões funcional, morfológica e fisiológica da aptidão física em mulheres na pós-menopausa. Sujeitos e métodos: Foi realizado estudo de corte transversal com 162 mulheres, entre 40 e 65 anos, em amenorréia há no mínimo 12 meses, acompanhadas no Ambulatório de Menopausa do CAISM/Unicamp. As mulheres responderam oralmente o questionário International Physical Activity Questionnaire para avaliação do nível de atividade física, que avaliou a freqüência e duração das atividades ocorridas durante uma semana normal, de intensidade vigorosa, moderada e caminhada, realizadas no transporte, trabalho, em casa e no lazer, classificando as mulheres em sedentárias, insuficientemente ativas, ativas e muito ativas. Para avaliar a dimensão morfológica foram verificados: índice de massa corporal, circunferência cintura-quadril e porcentagem de gordura corporal. Para avaliar a dimensão funcional utilizou-se a medida do consumo máximo de oxigênio, que foi verificada através do teste de esforço submáximo em bicicleta ergométrica. Para a dimensão fisiológica foram verificadas: dosagem plasmática do colesterol total; lipoproteína de alta densidade; lipoproteína de baixa densidade; triglicérides, glicemia de jejum, pressões arteriais sistólica e diastólica. Na análise estatística foi realizada a descrição das variáveis através das freqüências absoluta e relativa, média e desvio padrão e utilizados testes t de Student, Wilcoxon, qui-quadrado, razão de prevalência ajustada com nível de significância de 5%. O risco cardiovascular foi calculado segundo o escore de Framingham. Resultados: A prevalência da atividade física foi de aproximadamente 83,5%, sendo que 80,9% foram classificadas como ativas e 2,5% como muito ativas, realizando principalmente atividades durante o transporte e em casa. Aproximadamente 90% das mulheres apresentavam baixo risco cardiovascular de Framinghan. Cerca de 80% das mulheres eram pré-obesas ou obesas e apresentavam relação cintura-quadril de risco alto e muito alto para doenças cardiovasculares, porcentagem de gordura acima de 33% e mais de 50% apresentavam consumo de oxigênio baixo. Mais de 75% das mulheres apresentavam níveis de colesterol total e frações e pressão arterial normais. A glicemia de jejum apresentou-se normal em 88% das mulheres. A análise estatística não observou associações significativas entre os níveis de atividade física e os componentes da aptidão física. Conclusões: A prevalência da atividade física em mulheres na pós-menopausa é alta, baseada principalmente em caminhadas durante o transporte e tarefas domésticas. Essas atividades parecem não ser suficientes para promover mudanças na aptidão física dessas mulheres

Abstract: Introduction: Studies show that low levels of physical activity and physical fitness are factors related to the incidence of diseases. Physiological changes resulting from increasing chronological age and the postmenopausal period contribute to the occurrence of a reduction in the level of physical activity in women. Objectives: To evaluate the prevalence of physical activity and its association with the functional, morphological and physiological components of physical fitness in postmenopausal women. Subjects and Methods: A cross-sectional study was carried out in 162 women aged 45-65 years, amenorrheic for at least 12 months, who were receiving care at the menopause clinic of CAISM/UNICAMP. The women verbally answered the International Physical Activity Questionnaire for the evaluation of levels of physical activity. This instrument assesses the frequency and duration of activities performed in transportation, at work, in the home or in leisure-time over the course of a normal week, including vigorous and moderate exercise or walking. Women were classified as sedentary, insufficiently active, active or very active. To evaluate the morphological component, body mass index, waist-to-hip ratio and percentage of body fat were studied. To evaluate the functional component, maximum oxygen consumption was measured by means of a submaximal strength test on an exercise bicycle. To evaluate the physiological component, plasma measurement of total cholesterol, high density lipoprotein, low density lipoprotein, triglycerides and fasting glucose were carried out, and systolic and diastolic blood pressure were measured. For the statistical analysis, variables were described using absolute frequency or relative frequency, means and standard deviation. Student¿s t-test, Wilcoxon and Chi-square tests were used, as well as adjusted prevalence ratios. Significance was set at 5%. Cardiovascular risk was calculated according to Framingham¿s score. Results: Prevalence of physical activity was approximately 83.5%, of which 80.9% were classified as active and 2.5% very active. Principal activities were performed during transportation and in household duties. Approximately 90% of the women presented low cardiovascular risk according to the Framingham criteria. Around 80% of the women were preobese or obese and presented waist-to-hip ratio indicative of high or very high risk for cardiovascular disease, percentage of fat above 33%, and more than 50% of the women presented low oxygen consumption. More than 75% of the women presented normal total and fractional cholesterol levels and blood pressure. Fasting glucose was normal in 88% of women. Statistical analysis showed no significant associations between levels of physical activity and the components of physical fitness. Conclusions: The prevalence of physical activity in postmenopausal women is high, based principally on transportation walking and on household chores. These activities appear insufficient to promote changes in physical fitness in postmenopausal women
Subject: Composição corporal
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2004
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Silva_RaimundaBeserrada_M.pdf227.59 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.