Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/313202
Type: DISSERTAÇÃO
Degree Level: Mestrado
Title: Medida da pressão venosa na perna por metodo não invasivo
Author: Almeida, Fabio Haddad Marcelino de
Advisor: Lobato, Armando de Carvalho
Abstract: Resumo: o método considerado padrão ouro para a medida da pressão venosa dos membros inferiores, é o método invasivo, onde a veia é puncionada no dorso do pé e o estudo das pressões é realizado durante o exercício. A partir de 1980, com a introdução dos exames de duplex scan, da pletismografia e da fotopletismografia, devido à facilidade de reprodução, baixo custo e por não serem invasivos, facilitaram bastante o estudo da função valvular venosa dos membros inferiores, mas, o estudo da pressão venosa ainda é realizado pelo método invasivo, embora, esta não seja uma prática freqüente. o objetivo é descrever um método pletismográfico, não invasivo para a medida da pressão venosa dos membros inferiores, com o paciente em posição ortostática e durante atividade fisica programada. Os valores de pressão obtidos foram comparados com os da pressão calculada considerando-se a distância entre o átrio direito e o ponto médio do manguito do pletismógrafo, colocado na perna.Foram estudados, etrospectivamente, gráficos de indivíduos sem evidência clínica de patologia vascular arterial, venosa ou linfática, entre 20 e 55 anos, sem nenhuma outra morbidade associada (10 M e10 F) - grupo de normais; e de pacientes acompanhados no Ambulatório de Cirurgia Vascular da UNICAMP com queixa de varizes dos membros inferiores acompanhados de edema (n=20) - grupo de varicosos. Estes apresentavam duplex scan com refluxo de veia safena magna; 6 apresentavam refluxo de sistema venoso profundo e da veia safena magna Método pletismográfico - aplicação de um manguito (7 cm de largura) na perna, a média distância entre o joelho e o maléolo com os pacientes em decúbito dorsal, com a perna elevada a 45 graus. Este manguito foi fixado por uma faixa de velcro com 11 cm de largura e foi conectado a um transdutor de pressão e este ao computador que registrava na forma de gráficos as linhas de pressão através de um software denominado AQDADO-4, especialmente desenvolvido para esta função. No manguito foi aplicada uma pressão inicial de 30mmHg para os varicosos e 50mmHg para os normais. Os indivíduos eram mantidos nesta posição até a estabilização da linha de base. Neste momento, o paciente foi colocado em posição ortostática, sem apoiar o pé no chão, permanecendo assim até a estabilização da nova linha de pressão. A partir desse momento os pacientes realizaram a seqüência de exercícios que se iniciava com um movimento de flexão do pé sobre a perna ao qual seguiram-se 10 movimentos de flexão. Após cada etapa de exercícios foi aguardada a estabilização da linha de base. Na seqüência os pacientes executaram um período de 30 segundos de marcha, na saIa de exame, e a seguir, permaneceram parados, de pé, sem apoiar o pé no chão, até a estabilização da linha de pressão. Como última etapa, os pacientes realizaram 10 movimentos de elevação na ponta dos pés e novamente foi aguardada a estabilização da linha de base. Os testes terminavam com os pacientes em decúbito dorsal com a perna elevada a 45 graus, por 2 minutos. Em cada gráfico foram determinados os seguintes parâmetros: a) Pressão máxima obtida em posição ortostática; b) Porcentagem de queda da pressão após cada uma das fases dos exercícios programados; c) Tempos despendidos para recuperação da pressão venosa máxima após cada fase dos exercícios programados. A pressão calculada. foi determinada em função da distância ( em milímetros) entre o segundo espaço intercostal e a região média do manguito do pletismógrafo. Para a transformação em mm de Hg, estes valores foram divididos por 13,54. Os valores (em mmHg) foram denominados Pressão Calculada. Não houve diferença estatisticamente significante entre as pressões venosas máximas obtidas com o pletismógrafo e as pressões calculadas para os dois grupos. O estudo estatístico revelou que houve diferença significante entre os dois grupos para a porcentagem de queda de pressão, em todas as fases de exercícios programados, tendo ficado em média de 39,8% para o grupo de varicosos e 75,3% para os normais. O estudo estatístico revelou diferença significante para os tempos de recuperação das pressões máximas em todas as fases dos exercícios entre os dois grupos, tendo sido muito importante para a diferenciação dos dois grupos. A medida invasiva da pressão continua sendo o padrão ouro para aferição da pressão venosa do membro inferior, mas o método descrito neste trabalho permite de forma rápida, não invasiva e fidedigna medir a pressão venosa dos membros inferiores a baixo custo e nao com fácil reprodutibilidade ambulatorial. Em conclusão, o método foi capaz de medir a pressão venosa na perna de fonna não invasiva e de mostrar uma grande diferença na redução pressões e no tempo de recuperação das pressões nos dois grupos, permitindo diferenciar, com segurança, os varicosos dos nonnais

Abstract: The invasive method is eonsidered the gold standard for measuring lower limb venous pressure. It consists in performing venipuneture of the dorsum of the foot and studying pressure during exereise. Sinee the 1980s, the introduction of easily reprodueible, low-eost and non-invasive exams sueh as duplex scan, plethysmography and photoplethysmography has faeilitated the study of venous valvular funetion of the lower limbs. The invasive method is still used to measure venous pressure, but now it is inereasingly falling into disuse. The aim of this study is to deseribe a non-invasive method eapable of measuring the lower limbs venous pressure with the patient standing and during programmed physieal aetivity. The pressure obtained is eompared to the pressure ealeulated :ttom a distanee between the right atrium and the mean leg euff point. Were included in this study the Group I, consisted of 20 patients (10 male and 10 female) with no elinieal evidenee of arterial, venous or lymphatie vaseular disease and no other assoeiated disorder, aged between 20 and 55 years and 20 follow-up patients in the Outpatient Department ofVascular Surgery at UNlCAMP, who complained of lower limb varieose veins accompanied by edema - the Group TI . All patients had a Duplex scan with reflux in the Long Saphenous Vein and 6 patients presented reflux in the Deep Venous System and Long Saphenous Vein. With the patient supine and leg elevated to 45 degrees, a 7em wide euffwas placed around the leg, at a mean distanee between the knee and the malleolus. The euffwas fastened byan llem wide Velero band and eonneeted to apressure transducer. The transdueer was eonneeted to a computer whieh graphieally reeorded pressure tracings using the AQDADO-4 software, espeeially developed for this funetion. An initial euff pressure was applied: of 30 mmHg in varieose vein patients and 50 mmHg in normal patients until a stable baseline pressure was achieved. The patients were asked to stand without bearing body weight on the foot to be examined and waited until the new pressure tracing was stable. At that moment, the patient's foot was flexed at the leg and again we waited until baseline pressure was stable. Then the patients were asked to perform 10 flexions and waited until baseline pressure was stable. In the next phase, the patients walked in the examining room for 30 seeonds without bearing body weight on the foot to be investigated and onee again waited until the pressure tracing was stable. In the last phase, the patients performed 10 tip-toe movements and again waited until a stable baseline pressure was achieved. The test ended with the patients supine and limb elevated to 45 degrees for 2 minutes.The following values were studied: a) Maximum pressure obtained during upright position. b) Percentage ofpressure drop in each phase ofprogrammed exercise. c) Time spent to recover ITom maximum venous pressure after each phase of programmed exercise. The calculated pressure was defined as the distance between the second intercostal space and the mean cuff area measured in millimeters, divided by 13.54 to convert the value read into mmHg. There was no statistically significant difference between maximum venous pressures read and those calculated for both groups. The statistical study showed a significant difference between both groups regarding the percentage of pressure drop in alI phases of programmed exercise. The mean pressure drop was 39.8% for the varicose vein group and 75.3% for the normal group. The statistical study a1so showed a significant difference between both groups regarding recovery times after maximum pressures in all phases of exercise. This was very important to differentiate one group ttom another. The invasive method continues to be the gold standard for measuring venous pressure of the lower limbs. However, the method described in this study is inexpensive, easily reproducible in an outpatient setting and allows a rapid, non-invasive and reliable measurement of lower limb venous pressure. It aIso permits the study of the efficacy of elastic stockings, since it can be performed over the stockings. In conclusion, the method was able to non-invasively measure leg venous pressure and show a significant difference between both groups regarding pressure drops and recovery times, allowing us to safely differentiate between varicose vein patients and normal patients
Subject: Varizes
Pressão venosa
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2003
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Almeida_FabioHaddadMarcelinode_M.pdf5.2 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.