Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/313073
Type: TESE DIGITAL
Title: Satisfação com a vida, condições e autoavaliação da saúde entre idosos residentes na comunidade
Title Alternative: Life satisfaction, self-evaluation conditions and health among olders adults in the community
Author: Mantovani, Efigênia Passarelli, 1956-
Advisor: Lucca, Sérgio Roberto de, 1957-
Abstract: Resumo: Objetivos: Três estudos independentes envolvendo duas amostras probabilísticas de idosos brasileiros residentes na comunidade (65 anos e mais) investigaram relações entre condições de gênero, idade e renda familiar. Adicionalmente, o Estudo 1 (N=1207) trabalhou os efeitos das doenças crônicas, número de medicamentos, capacidade funcional , satisfação global com a vida e de satisfação referenciada a domínios (memória, capacidade, relações familiares, ambiente, acesso aos serviços de saúde e serviços de transporte); o Estudo 2 (N=1242) investigou os significados de felicidade e velhice saudável e a associação com a satisfação global com a vida e de satisfação referenciada a domínios (memória, capacidade, relações familiares, ambiente, acesso aos serviços de saúde e serviços de transporte), e o Estudo 3 (N=1247) investigou relações entre autoavaliação negativa da saúde, variáveis sociodemográficas e indicadores de saúde (saúde física, acesso e uso de serviços de saúde, fragilidade, independência para o desempenho de atividades instrumentais de vida diária - AIVD e sintomas depressivos). Os estudos foram realizados em Campinas, Região Sudeste, e em Belém, Região Norte. A primeira tinha um Produto Interno Bruto (PIB) per capita de R$ 29.731,00 e a segunda, um PIB per capita de R$ 9.793,00, dados usados como base para afirmar que são cidades cujas populações desfrutam de diferentes condições de desenvolvimento econômico. Método: Em ambas as amostras, houve prévia exclusão dos idosos que pontuaram abaixo da nota de corte ajustada por anos de escolaridade no Mini Exame do Estado Mental. Os participantes foram recrutados em domicílio e submetidos a uma só sessão de coleta de dados num ambiente comunitário. Os instrumentos incluíram questionários; medidas observacionais de marcha e preensão; as versões brasileiras da Geriatric Depression Scale, do Minnesota Leisure Activity Questionnaire e da Interpersonal Support Evaluation List, uma lista com sete atividades instrumentais de vida diária e de questões abertas sobre os significados de velhice saudável e felicidade. Resultados: no Estudo 1, em Campinas, os idosos com menos doenças pontuaram significativamente mais alto do que aqueles com 3 ou mais doenças em todas as escalas de satisfação. Em Belém, ocorreu esse registro com relação à satisfação global e com a memória. Mulheres e homens não diferiram quanto aos escores em satisfação, mas as mulheres tinham mais doenças e consumiam mais medicamentos, e também apresentaram pior desempenho nas medidas de capacidade funcional que os homens. No Estudo 2, entre os significados de velhice saudável, felicidade e satisfação com a vida, ficou evidenciada a preocupação dos idosos na manutenção da vida ativa e independente. As atividades prazerosas foram destacadas como um dos indicadores de satisfação e felicidade. As análises de regressão multivariada do Estudo 3 mostraram que, em ambas as cidades, a autoavaliação negativa de saúde associou-se com baixa escolaridade, três ou mais doenças crônicas e déficit visual. Foram também observadas associações adicionais com fadiga, três ou mais sinais e sintomas e uso de serviços públicos de saúde e depressão. Conclusões: A percepção positiva da própria saúde, o desempenho funcional e a satisfação com a vida mostraram-se como amortecedores dos efeitos dos riscos sobre a funcionalidade, e ficou evidenciada a preocupação dos idosos na manutenção da vida ativa e com autonomia. Independentemente do nível de desenvolvimento social das amostras das duas cidades, as condições socioeconômicas interferem num envelhecimento com qualidade, e parecem ser poderosos fatores de risco e de proteção para a manutenção do bem-estar na velhice

Abstract: Objectives: Three independent studies involving two probability samples of Brazilian elderly community residents (65 and more) investigated relationships between gender conditions, age and family income. In addition, the Study 1 (N=1207) worked the effects of chronic diseases, number of medications, functional capacity, overall life satisfaction and satisfaction referenced domains (memory, capacity, family relations, environment, access to health services and transport services); the Study 2 (N=1242) investigated the meanings of happiness and healthy old age and the association with overall life satisfaction and relative domains satisfaction (memory capacity, family relations, environment, access to health services and transport services), and the Study 3 (N=1247) investigated relationships between negative self-assessment of health, sociodemographic and health indicators (physical health, access and use of health services, fragility, independence for the performance of instrumental activities of daily living and AIVD Depressive symptoms). The studies were comparative, in Campinas, Southeast Region, and in Belém, North Region. The first had a Gross Domestic Product (GDP) per capita of R$ 29.731,00 and the second, a GDP per capita of R$ 9.793,00, data used as a basis for claiming that they are cities whose populations enjoy different conditions of economic development. Method: In both samples there was prior exclusion of the elderly who scored below the cut-off point adjusted for years of schooling in the Mini Mental State Examination. Participants were recruited at home and subjected to a single data collection session in a community setting. The instruments included questionnaires; observational measures of gait and hold; Brazilian versions of the Geriatric Depression Scale, the Minnesota Leisure Activity Questionnaire and the Interpersonal Support Evaluation List, a list with seven instrumental activities of daily living and open questions about the meanings of healthy old age and happiness. Results: In study 1, in Campinas, the healthy older scored significantly higher than those with three or more diseases at all scales of satisfaction. In Belém, there was this record with respect to overall satisfaction and memory. Men and women did not differ in satisfaction scores, but women were more diseases and consumed more drugs, and also had a poorer performance on measures of functional capacity than men. The results of Study 2, between the meanings of healthy old age, happiness, and life satisfaction, the authors emphasize the concern of the elderly in maintaining active and independent life. The pleasurable activities were highlighted as one of satisfaction and happiness indicators. The multivariate regression analysis of Study 3, showed that in both cities, negative self-assessment of health was associated with low education, three or more chronic diseases and visual deficit. Additional associations were also seen with fatigue, three or more signs and symptoms and use of public health services and depression. Conclusions: The positive perception of their health, functional performance and life satisfaction appeared as buffers the effects of risks on the functionality, and the authors emphasize the concern of the elderly in maintaining active life and autonomy. Regardless of social development level of the samples of the two cities, socioeconomic conditions interfere with a quality aging, and appear to be powerful risk and protective factors for the maintenance of well-being in old age
Subject: Idosos
Nível de saúde
Satisfação pessoal
Autoavaliação
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2015
Appears in Collections:FCM - Dissertação e Tese

Files in This Item:
File SizeFormat 
Mantovani_EfigeniaPassarelli_D.pdf4.64 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.