Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/312793
Type: TESE DIGITAL
Degree Level: Doutorado
Title: Estudo farmacológico da atividade neuromuscular do veneno da aranha Acanthoscurria juruenicola em preparações in vitro
Title Alternative: Pharmacological analisys of the neuromuscular activity of Acanthoscurria juruenicola spider venom in vitro preparations
Author: Moraes, Delkia Seabra de, 1978-
Advisor: Simioni, Lea Rodrigues, 1942-
Abstract: Resumo: Neste trabalho, foi examinada a atividade neuromuscular do veneno da aranha acanthoscurria juruenicola (encontrada na região amazônica) em preparações biventer cervicis de pintainho (bc) e nervo frênico-diafragma de camundongo (nfd). Em preparações bc estimuladas indiretamente, o veneno (30 e 100 µg/ml) causou bloqueio neuromuscular tempo e concentração dependentes (73±7% e 89±0,6%, respectivamente). A preparação bc incubada com o veneno (100 µg/ml) reduziu significativamente a contratura após a adição de ach (100 µm; 80±9%) e kcl (40 mm; 49±17%) após 120 min. Em preparações nfd, o veneno também causou bloqueio neuromuscular concentração-tempo-dependente, sendo que a concentração de 30 µg/ml de veneno causou bloqueio máximo de 79±6%, após 120 min, enquanto que na concentração de 100 µg/ml, induziu completo bloqueio aos 13±4 min. A preparação nfd se tornou mais sensível a ação do veneno quando a concentração de cálcio na solução tyrode foi reduzida de 1.8 mm para 0.4 mm. Observou-se bloqueio total das contrações musculares (20±2 min; 3 µg/ml), enquanto com a concentração de 0.3 µg/ml ocorreu facilitação neuromuscular (73±6,5% de aumento até os 120 min). Em preparações curarizadas incubadas em solução de tyrode com cálcio 1.8 mm, o veneno (30 e 100 µg/ml) produziu 88±1% e 88.5±1.5%, respectivamente, de bloqueio neuromuscular. No entanto, usando-se baixo cálcio (0.4 mm), observou-se em preparaçãoes sob estímulo elétrico direto, apenas leve bloqueio (16±5% e 24±6% com 0.3 µg/ml e 3 µg/ml, respectivamente, após 120 min). O veneno (30 µg/ml) causou discreta despolarização da membrana (-74±2 mv para -58±3 mv após 120 min) e reduziu a frequência do potencial de placa terminal em miniatura (pptm; 17±3/min para 7±2/min após 60 min). Ainda na preparação nfd, mantida em solução com baixo cálcio (0.4mm) e exposta ao veneno (0.3 µg/ml), houve aumento significativo do valor do conteúdo quântico [6.7 ± 0.6 (t0) para 12 ± 0.3 (t120)]. Assim como visto nos resultados em que foi observada a facilitação da resposta contrátil; 3 µg de veneno/ml não causou alteração no valor do conteúdo quântico [6 ± 0.1 (t0) para 6.1 ± 2.3 (t120); n = 3; p > 0.05]. O veneno (30 µg/ml) não causou efeito significante na alteração da amplitude do potencial de ação composto (pac) registrado em preparações nervo ciático (nc) de camundongo durante 30 min de incubação [amplitude controle: 15.9 ± 4.8 mv (t0) vs. 15.1 ± 5.6 mv (t30)]; tetrodotoxina (ttx, 1 µm) adicionada após o tempo de exposição da preparação ao veneno, aboliu completamente o pac. A análise histológica das preparações bc e nfd não mostraram alterações significativas. A rianodina e o dantrolene impediram o bloqueio total provocado pelo veneno (3 µg/ml). Observou-se ainda, que as respostas contraturantes provocadas pela cafeína foram atenuadas pela ação do veneno. Juntos os resultados indicam que o veneno de a. Juruenicola pode afetar a transmissão neuromuscular em preparações in vitro

Abstract: In this work, we examined the neuromuscular activity of venom from acanthoscurria juruenicola, a large theraphosid spider found in the brazilian amazon basin, in biventer cervicis of chicken (bc) e mouse phrenic nerve-diaphragm (pnd) preparations. In indirectly-stimulated bc preparations, the venom caused time-dependent neuromuscular blockade, with 30 µg of venom/ml producing a maximum blockade of 73±7 e 89±0.6, respectively. That blockade was not reversible after wash. Incubation with the venom (100 µg/ml) reduce significantly the contracture after addition of ach (100 µm; 80±9%) and kcl (40 mm; 49±17%) after 120 min. In indirectly-stimulated pnd preparations, the venom caused time-dependent neuromuscular blockade, with 30 µg of venom/ml producing a maximum blockade of 79±6% after 120 min, whereas 100 µg/ml produced complete neuromuscular blockade in 13±4 min. The sensitivity of pnd to venom was greater in low ca2+, with complete blockade occurring in 20 ± 2 min at 3 µg/ml, whereas a concentration of 0.3 µg/ml caused only marked facilitation (74±7% increase in twitch height after 120 min). In curarized, directily-stimulated pnd, a venom concentration of 30 and 100 µg/ml produced blockade of 88±1% and 88.5±1.5, after 120 min. Low extracellular ca2+ markedly attenuated the blockade in directly-stimulated pnd (16±5% and 24±6% blockade with 0.3 µg/ml and 3 µg/ml, respectively, after 120 min. A. Juruenicola venom (30 µg/ml) depolarized diaphragm muscle membrane (from -74±2 mv to -58±3 mv after 120 min; n = 4; p < 0.05) and reduced the frequency of miniature end-plate potentials (mepps; from 17±3/min to 7±2/min after 60 min; n = 4; p < 0.05). In pnd preparations maintained in low ca2+ bath solution and exposure to venom (0.3 µg/ml), there was significant increase in quantal content [from 6.7 ± 0.6 (t0) to 12 ± 0.3 (t120); p < 0.05] just like that neuromuscular facilitation seen in twitch-tension protocols; 3 µg of venom/ml did not cause alteration in quantal content [from 6 ± 0.1 (t0) to 6.1 ± 2.3 (t120); n = 3; p > 0.05]. A. Juruenicola venom (30 µg/ml) caused no significant effects on peripheral nerve conductance from evoked cap (compound action potential) during a 30 min incubation [control amplitude: 15.9 ± 4.8 mv (t0) vs. 15.1 ± 5.6 mv (t30)]; tetrodotoxin (ttx, 1 µm) added after venom exposure time, abolished completely the cap. Histological analysis of bc and pnd showed no myonecrosis after incubation with venom. The ryanodine and dantrolene prevented the blockade caused by the venom (3 mg/ml) and the contractures caused by caffeine were attenuated by venom action. Together, the results indicate that the venom of a. Juruenicola may affect the transmission neuromuscular in preparations in vitro
Subject: Junção neuromuscular
Venenos de aranha
Canais de cálcio
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2016
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Moraes_DelkiaSeabrade_D.pdf2.54 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.