Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/312759
Type: TESE
Degree Level: Doutorado
Title: Morbidade materna grave e sexualidade = Severe maternal morbidity and sexual functioning
Title Alternative: Severe maternal morbidity and sexual functioning
Author: Polido, Carla Betina Andreucci, 1969-
Advisor: Cecatti, José Guilherme, 1957-
Abstract: Resumo: Introdução: Morbidade materna grave e near miss materno são indicadores de saúde mais abrangentes, quando comparados à razão de morte materna. Esse conceito recente permite não apenas a identificação do número de mulheres que morrem durante gestação e/ou parto, mas também o estudo da prevalência de condições potencialmente ameaçadoras de vida. No entanto, pouco se conhece sobre as possíveis consequências em longo prazo após esses episódios nos diversos aspectos da vida das sobreviventes. A gestação e o parto podem modificar a resposta sexual feminina, mas poucos estudos avaliaram esse desfecho após eventos de morbidade materna grave. Objetivos: Realizar uma revisão sistemática sobre aspectos de sexualidade, incluindo função sexual, em mulheres que apresentaram qualquer tipo de complicação durante gestação ou parto. Avaliar aspectos da resposta sexual feminina em mulheres com e sem morbidade materna grave. Métodos: Revisão sistemática nas bases de dados PubMed, EMBASE e SciELO, avaliando a associação de morbidade materna geral e grave com alterações da função e/ou resposta sexual feminina. A revisão seguiu o protocolo do método proposto para estudos observacionais (PRISMA). A resposta sexual feminina foi estudada como um dos desfechos da Coorte de Morbidade Materna Grave (COMMAG). O questionário Female Sexual Function Index (FSFI) foi aplicado às mulheres expostas (com antecedente de morbidade grave) e não expostas (com antecedente de gestação sem complicações). Além do FSFI, questões gerais sobre saúde geral e reprodutiva complementaram o estudo. Resultados: Lesões perineais maiores (terceiro e quarto graus) foram avaliadas como desfechos de morbidade geral em 12 estudos, e a morbidade materna grave foi analisada em 2 estudos. A morbidade geral e a grave foram associadas com maior tempo para a retomada da atividade sexual após o parto. A morbidade também se associou a uma maior frequência de dispareunia após o parto. Escores totais do FSFI não foram significativamente diferentes entre grupos de exposição e controle. Pela heterogeneidade entre eles, os estudos individuais permitiram apenas uma síntese qualitativa dos resultados, mas não metanálise. Para avaliação da resposta sexual feminina no COMMAG, foram incluídas 638 mulheres previamente internadas durante gestação ou parto na maternidade do CAISM/UNICAMP. Dessas, 315 tinham antecedente de morbidade materna grave, e 323 eram mulheres sem complicações durante gestação ou parto. Os escores totais médios do FSFI encontrados foram abaixo dos valores de ponto de corte para suspeita de disfunção, sem diferença entre os grupos estudados. Mulheres com antecedente de morbidade materna grave retomaram atividade sexual mais tardiamente após o parto do que as do grupo controle, porém sem diferença entre os grupos a partir do terceiro mês pós-parto. A análise múltipla identificou associação de valores mais baixos de FSFI com baixo de peso materno e ausência de parceria. Conclusões: Alterações da resposta sexual feminina podem ser consequências em longo prazo da ocorrência de episódios de morbidade materna grave. Com o crescimento da população de mulheres que sobrevivem a esses episódios, a abordagem da sexualidade no seguimento dessa população se faz premente

Abstract: Introduction: Severe maternal morbidity and maternal near miss currently are better health indicators than maternal mortality ratio. Together with the identification of women who died during pregnancy and/or childbirth, the new concept allows also to investigate the prevalence of potential life-threatening conditions. However, little is known about possible long-term consequences after those episodes over several aspects of the lives of survivors. It has already been described that uncomplicated pregnancy and childbirth might modify female sexual response. Notwithstanding, only few studies have evaluated aspects of sexuality of women after episodes of severe maternal morbidity. Objectives: To perform a systematic review of aspects of sexuality, including sexual function, in women who had had any kind of complication during pregnancy or childbirth. To evaluate aspects of female sexual response in women with and without severe maternal morbidity. Methods: Investigation included a systematic review through the databases PubMed, EMBASE, and SciELO, assessing general and severe maternal morbidity associated with altered female sexual response. The review followed the protocol method proposed for observational studies (PRISMA). The female sexual response has been studied as one of the outcomes at a retrospective cohort study on maternal severe morbidity (COMMAG). The Female Sexual Function Index questionnaire (FSFI) was applied at exposed women (severe morbidity) and unexposed (pregnancy without complications). Along with FSFI, the survey included also questions on general and reproductive health. Results: Major perineal injuries (3rd and 4th degree) were evaluated as general morbidity outcomes at 12 studies, and severe maternal morbidity was analyzed at 2 studies. Compared to control group, both women exposed to general and severe morbidity delayed resumption of sexual activity after childbirth. The exposed group had also more frequently dyspareunia after childbirth. The mean total FSFI scores were similar at both groups. The heterogeneity of the studies allowed only a qualitative synthesis, and meta-analysis was not feasible. To assess female sexual response at the cohort study, 638 women who delivered at UNICAMP's maternity unit were included. 315 of them were severe maternal morbidity cases, and 323 were women who had had uncomplicated pregnancy or childbirth. The mean total scores of FSFI were similar in both groups, though below cut-off values for suspected dysfunction. Women after severe maternal morbidity resumed sexual activity after birth later, when compared to control group. However, there was no significant difference at three months. Multivariate analysis showed association of lower FSFI scores with maternal low maternal weight and no partner. Conclusions: Altered female sexual response might be a long-term consequence after episodes of severe maternal morbidity. Since there is a growing population of women who survive these episodes, proper evaluation of sexual functioning among those women should be conducted
Subject: Morbidade materna grave
Near miss
Função sexual
Sexualidade
Estudos de coortes
Language: Multilíngua
Editor: [s.n.]
Citation: POLIDO, Carla Betina Andreucci. Morbidade materna grave e sexualidade = Severe maternal morbidity and sexual functioning. 2015. 158 p. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Médicas, Campinas, SP. Disponível em: <http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/312759>. Acesso em: 27 ago. 2018.
Date Issue: 2015
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Polido_CarlaBetinaAndreucci_D.pdf9.36 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.