Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/312755
Type: TESE
Title: Uma análise do parto prematuro terapêutico no contexto da prematuridade no Brasil : An analysis of provider-initiated preterm birth in the context of Brazilian prematurity
Title Alternative: An analysis of provider-initiated preterm birth in the context of Brazilian prematurity
Author: Souza, Renato Teixeira, 1985-
Advisor: Cecatti, José Guilherme, 1957-
Abstract: Resumo: Introdução: Mais de 15 milhões de bebês nascem prematuros anualmente no mundo, sendo a prematuridade a maior causa de óbitos no período neonatal. A prematuridade terapêutica tem papel importante nesse contexto, pois se estima que 20 a 40% dos partos prematuros ocorrem por indicação dos provedores de assistência obstétrica. Dessa forma, a redução dos partos prematuros terapêuticos adquire cada vez mais importância para o controle da taxa de prematuridade e da morbimortalidade neonatais. O conhecimento dos fatores relacionados ao parto prematuro terapêutico é ponto fundamental para atingir essa redução. Objetivos: Avaliar a ocorrência do parto prematuro terapêutico e seus fatores associados na população do Estudo Multicêntrico de Investigação em Prematuridade (EMIP). Métodos: Análise secundária do EMIP, um estudo brasileiro de caso-controle aninhado a um corte transversal multicêntrico. O estudo ocorreu em 20 hospitais de referência em 3 regiões do Brasil de abril de 2011 a julho de 2012 e realizou a vigilância de 33.740 partos nesse período. O principal desfecho a ser avaliado é a ocorrência de parto prematuro terapêutico, definido como o parto que ocorreu antes de 37 semanas e que foi indicado pela equipe de assistência devido uma condição materna ou fetal. O grupo controle foi composto pelas mulheres com parto a termo. Os partos prematuros foram categorizados, conforme recomendações da Organização Mundial da Saúde, em prematuro extremo, muito prematuros e pretermo moderado Uma quarta categoria de idade gestacional, contemplando apenas os prematuros tardios, também foi analisada. Variáveis relacionadas a características sociodemográficas, pôndero-estaturais e de estilo de vida maternos, características da assistência ao pré-natal e ao parto e sobre a presença de morbidade ou complicação durante a gravidez, parto ou puerpério foram avaliadas na análise de risco para parto prematuro terapêutico. Foi realizada uma análise bivariada para estimar o risco de parto prematuro terapêutico para cada e uma análise multivariada com regressão logística não condicional para obter os fatores independentemente associados ao desfecho. Resultados: O parto prematuro terapêutico foi responsável por 35,4% dos partos prematuros na amostra estudada. As síndromes hipertensivas, o descolamento prematuro de placenta e a diabetes foram as condições que mais frequentemente motivaram a resolução prematura da gravidez. A idade materna avançada, a hipertensão crônica, a obesidade e a gravidez múltipla foram as principais condições maternas relacionadas à ocorrência de parto prematuro terapêutico. Houve uma tentativa de tratamento da condição materna que motivou a resolução em mais de 50% dos casos e 74,5% das mulheres com parto entre 28 e 31 semanas receberam corticoterapia. A cesariana foi a via de parto mais frequente. A proporção de mortalidade neonatal, do Apgar do quinto minuto menor que sete e da admissão em unidade intensiva neonatal foi muito maior nos prematuros terapêuticos do que no termo, mesmo considerando os prematuros tardios. Conclusões: Os resultados do estudo corroboram com a crescente importância do parto prematuro terapêutico, devido sua prevalência e impacto nos resultados perinatais. A gravidez múltipla, idade materna avançada, a obesidade e a presença de morbidades pré-gestacionais são os fatores que requerem especial atenção nas estratégias de prevenção da prematuridade terapêutica

Abstract: Background: More than 15 million babies are born prematurely each year worldwide and its the leading cause of deaths in the neonatal period. Provider-initiated preterm birth (piPTB) plays an important role in this context because it is estimated that 20-40% of preterm births occur by indication of obstetric care providers. Thus, the reduction in piPTB rate acquires more importance to decrease the rate of prematurity and neonatal morbidity and mortality. Knowledge of the factors related to piPTB is a key factor to achieve this reduction. Objectives: To evaluate the occurrence of provider-initiated preterm birth and the associated factors in the Multicenter Study on Preterm Birth in Brazil (EMIP) population. Methods: Secondary analysis of EMIP, a Brazilian multicenter cross-sectional study plus a nested case-control. The study took place in 20 referral hospitals in 3 regions of Brazil from April 2011 to March 2012 and conducted surveillance of 33,740 deliveries in this period. The primary outcome to be evaluated is the occurrence of provider-initiated preterm birth, defined as birth that occurred before 37 weeks and was medically indicated due to maternal or foetal condition. The control group was composed of women with term delivery. Preterm birth was categorized into extremely premature, very premature and moderate preterm, according to the World Health Organization. Another category that includes only the late preterm was also evaluated. Maternal, socio-demographic, obstetrical, prenatal care, delivery and postnatal characteristics were assessed as factors associated with piPTB. A bivariate analysis to estimate the risk for piPTB and a multivariate analysis using unconditional logistic regression for the factors independently associated with piPTB was performed. Results: The therapeutic preterm labor accounted for 35.4% of premature births in the sample. Hypertensive disorders, placental abruption and diabetes were the main conditions related to pi-PTB indications. Advanced maternal age, chronic hypertension, obesity and multiple pregnancy were the main maternal conditions related to pi-PTB. There was an attempt to treat maternal condition that led to the resolution in over 50% of cases and 74.5% of women with birth between 28 and 31 weeks received corticosteroid therapy. Cesarean section was the most frequent mode of delivery. The proportion of neonatal mortality, Apgar score<7 at 5 minutes and NICU admission were much higher in provider-initiated preterm newborns than in term newborns, even considering the late preterms. Conclusions: The results of our study corroborate the increasing notability of provider-initiated preterm birth, due to its prevalence and impact on perinatal outcomes. Multiple pregnancies, advanced maternal age, obesity and the presence of pre-gestational morbidities are the main factors that require special attention in prematurity prevention strategies
Subject: Nascimento prematuro
Morbidade materna grave
Mortalidade perinatal
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2015
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Souza_RenatoTeixeira_M.pdf10.39 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.