Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/312753
Type: TESE DIGITAL
Degree Level: Doutorado
Title: Explorando os efeitos da morbidade materna grave e da morte materna sobre a saúde perinatal e infantil = Exploring the effects of severe maternal morbidity and maternal mortality on perinatal and child health
Title Alternative: Exploring the effects of severe maternal morbidity and maternal mortality on perinatal and child health
Author: Zanardi, Dulce Maria Toledo, 1959-
Advisor: Cecatti, José Guilherme, 1957-
Abstract: Resumo: Objetivos: Os objetivos desses estudos foram avaliar a associação entre morbidade maternal grave (MMG) e o estado adverso de saúde em crianças desde o nascimento até os cinco anos de idade, realizando análises adicionais nos bancos de dados de três diferentes grandes estudos já implementados no Brasil. Métodos: O primeiro estudo foi uma vigilância prospective de casos de MMG, usando os critérios da OMS em 27 centros de referência de diferentes regiões do Brasil. Avaliaram-se resultados perinatais adversos em cada grupo de desfecho materno. As diferenças entre os grupos foram avaliadas pelo teste do ?2. Usou-se análise múltipla de regressão para identificar os fatores independentemente associados com os principais resultados perinatais adversos. A RP com seus IC95% ajustados foram estimadas, O segundo foi uma análise de um estudo conduzido na Amazônia e Nordeste do Brasil que entrevistou mulheres que levaram seus filhos com menos de um ano de idade na campanha nacional de vacinação. Informações auto referidas de near miss materno (NMM) foram utilizadas, considerando os critérios de admissão em UTI, eclampsia, transfusão sanguínea e/ou histerectomia e sua associação com algum transtorno nutricional, incluindo déficit no peso-para-idade, altura-para-idade, e obesidade em crianças menores de um ano. A prevalência de NMM foi estimada, assim como os riscos relativos de estados nutricionais adversos nas crianças de acordo com a ocorrência de NMM, usando análise bivariada e múltipla. O terceiro estudo foi uma análise de coorte retrospective com mulheres que tiveram algum evento de MMG. Elas foram comparadas com um grupo controle de mulheres sem MMG. Avaliaram-se comparativamente entre ambos os grupos, utilizando RR e IC95%, as características do nascimento e perinatais, déficits de peso e altura para a idade e suspeita de atraso do neurodesenvolvimento pelo Teste de Denver II. Utilizou-se uma análise de regressão múltipla de Poison em três modelos dirigidos para o déficit de peso para idade, déficit de altura para idade e um Teste de Denver II alterado, estimando suas RR ajustadas e IC95%. Resultados: no primeiro estudo, entre 8271 casos de MMG com resultados perinatais disponíveis, parto premature, morte fetal, baixos escores de Apgar, baixo peso ao nascimento e complicações neonatais foram mais frequentes no grupo de morte materna e de NMM. A hipertensão, hemorragia e infecção como complicações obstétricas também estiveram associadas com os piores resultados perinatais. No segundo estudo, a prevalência de NMM foi de 2.9%, discretamente superior para a Amazonia. Não se encontraram associações significativas entre NMM e qualquer transtorno nutricional nas crianças. No terceiro estudo, entre as mulheres com MMG encontrou-se uma maior frequência de taxas aumentadas de mortes perinatais, escores de Apgar abaixo de 7 os cinco minutos, menor período de amamentação, parto prétermo (49.0 X 11.1%), baixo peso ao nascimento (45.8 X 11.5), déficits de peso para idade [RR 3.11 (1.60-6.04)] e altura para idadeage [RR 1.52 (1.06-2.19)] e Teste de Denver alterado [RR 1.5 (1.02-2.36)] do que no grupo controle. Conclusões: os estudos confirmaram a associação entre morbidade maternal grave e/ou morte maternal e resultados perinantais adversos. A MMG mostrou determinar um impacto negativo sobre aspectos do crescimento e neurodesenvolvimento da saúde perinatal e infantil. Esses achados sugerem que políticas de saúde efetivas dirigidas ao cuidado adequado da gestação possam ter um impacto sobre a redução da morbidade e mortalidade materna, neonatal e infantil

Abstract: Objectives: The objectives of these studies were to evaluate the association between severe maternal morbidity (SMM) and adverse health status in children from childbirth until five years of age, performing additional analysis in databases from three different big studies already implemented in Brazil. Methods: The first study was a prospective surveillance of cases of SMM, using the WHO's criteria in 27 referral centers from different regions of Brazil. Adverse perinatal outcomes were evaluated in each group of maternal outcomes. Differences between groups were evaluated by the ?2 test. Multiple regression analysis was used to identify the factors independently associated with main adverse perinatal outcomes. The PR with their adjusted 95%CI were estimated. The second was an analysis of a study conducted in the Amazon and Northeast of Brazil that interviewed women who brought their children under one year of age to the national vaccine campaign. Self-reported data of maternal near miss (MNM) were used, considering the criteria of ICU admission, eclampsia, blood transfusion and/or hysterectomy, and their association with a nutritional disorder, including deficit in weight-for-age, height-for-age, and obesity in children under one year of age. The prevalence of MNM was estimated. Relative risks of adverse nutritional status in infants according to the occurrence of MNM were estimated using bivariate and multiple analyses. The third study was a retrospective cohort analysis with women who had SMM events. They were compared to a control group of women without SMM. Childbirth and perinatal characteristics, weight and height-for-age deficits and neurodevelopmental impairment suspicion by Denver II Test were comparatively assessed in both groups using RR and 95%CI. A Poison multiple regression analysis was used in three models addressing deficit of weight-for-age, height-for-age and an altered Denver Test, estimating their independent adjusted RR and 95%CI. Results: in the first study, among 8271 cases of severe maternal morbidity with perinatal outcomes available, preterm birth, fetal death, low Apgar scores, low birthweight and neonatal complications and deaths were more frequent in the group of maternal deaths and maternal near miss. Hypertension, hemorrhage and infection as obstetric complications were also associated with worse perinatal outcomes. In the second study, the prevalence of MNM was 2.9%, slightly higher for the Amazon. No significant associations were found between MNM and nutritional disorders in children. In the third study, among women with SMM, increased rates in perinatal deaths, Apgar lower than 7 at five minutes, shorter breastfeeding period, preterm birth (49.0 X 11.1%), low birthweight (45.8 X 11.5), deficits of weight-for-age [RR 3.11 (1.60-6.04)] and height-for-age [RR 1.52 (1.06-2.19)] and altered Denver Test [RR 1.5 (1.02-2.36)] were more frequently found than in the control group. Conclusions: the studies confirmed the association between severe maternal morbidity and/or maternal death and adverse perinatal outcomes. SMM showed to determine a negative impact on growth and neurodevelopment aspects of perinatal and infant health. These findings suggest that effective health policies directed towards appropriate care of pregnancy may have an impact on reduction of maternal, neonatal and infant morbidity and mortality
Subject: Morbidade materna grave
Near miss
Crianças - Cuidado e higiene
Crescimento
Sistema nervoso
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2015
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Zanardi_DulceMariaToledo_D.pdf5.68 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.