Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/312685
Type: TESE DIGITAL
Title: Avaliação de polimorfismos genéticos e das concentrações plasmáticas de metaloproteinase 9 e seu inibidor TIMP-1 na hipertensão resistente = Assessment of matrix metalloproteinase 9 genetic polymorphisms, circulating levels and its inhibitor TIMP-1 in resistant hypertension
Title Alternative: Assessment of matrix metalloproteinase 9 genetic polymorphisms, circulating levels and its inhibitor TIMP-1 in resistant hypertension
Author: Barbaro, Natália Ruggeri, 1988-
Advisor: Moreno Junior, Heitor, 1958-
Abstract: Resumo: A hipertensão arterial resistente (HAR) é definida pela presença de pressão arterial (PA) acima da meta pressórica com o uso de três classes de anti-hipertensivos, ou ainda os pacientes que atingem controle da PA utilizando quatro ou mais fármacos. A morbidade e mortalidade associadas à hipertensão são atribuídas às lesões de órgãos-alvo, sendo que a hipertrofia ventricular esquerda (HVE) e rigidez arterial são fatores de risco independentes para os desfechos cardiovasculares. A participação das metaloproteinases da matriz extracelular (MMPs), dentre elas, a MMP-9, no remodelamento que leva à HVE e à rigidez arterial são bem descritas em modelos animais, porém na hipertensão resistente não há estudos na literatura. Os polimorfismos do gene da MMP-9, -1562C>T (rs3918242) e um segundo, chamado de R279Q (rs17576) estão associados ao aumento nos níveis de MMP-9 e eventos cardiovasculares. Também, foi demonstrada a influência do polimorfismo R279Q sobre a rigidez arterial em indivíduos saudáveis. Por fim, o SNP não sinônimo Q668R (rs17577) foi associado com doença coronariana em pacientes hipertensos tratados com Anlodipino. Até o momento, nenhum polimorfismo no gene da MMP-9 foi avaliado na HAR. Portanto o presente trabalho teve como objetivos: (1) Determinar os níveis circulantes de MMP-9, do inibidor TIMP-1 e da razão MMP-9/TIMP-1 (atividade global da MMP-9) nos grupos de hipertensos resistentes (HAR) (n=124) e não resistentes (HAS) (n=136); (2) Avaliar a associação entre os níveis da MMP-9 e TIMP-1 com o grau de rigidez arterial e HVE nos grupos de hipertensos; (3) Avaliar as frequências dos alelos, genótipos e haplótipos para os polimorfismos da MMP-9 (rs3918242, rs17576 e rs17577) nos HAS e HAR e (4) Avaliar a relação dos polimorfismos com as concentrações de MMP-9 e com HVE e rigidez arterial. Os níveis plasmáticos de MMP-9 e TIMP-1 foram avaliados por ELISA. O grupo de HAR apresentou menor concentração de MMP-9, menor razão MMP-9/TIMP-1 e maiores valores de TIMP-1 comparados aos HAS. Em seguida, avaliamos a associação desses biomarcadores com a rigidez arterial, avaliada através de velocidade de onda de pulso (VOP), e com a HVE, avaliada através do índice de massa do ventrículo esquerdo (IMVE) por ecocardiograma. A MMP-9 e a relação MMP-9/TIMP-1 foram positivamente correlacionadas com o diâmetro diastólico do ventrículo esquerdo (DDVE) no grupo HAR. Já no grupo HAS, as mesmas correlações foram negativas. O TIMP-1 foi negativamente correlacionado com IMVE no grupo HAR e positivamente associado à IMVE no grupo HAS. Não foi encontrada correlação entre IMVE e MMP-9, nem correlações entre VOP com MMP-9 e TIMP-1 em ambos os grupos. Por fim, determinaram-se as frequências genotípicas dos polimorfismos -1562C>T por PCR seguida de eletroforese, e dos polimorfismos R279Q e Q668R, por PCR em tempo real utilizando sondas Taqman. As frequências haplotípicas foram estimadas pelo programa PHASE. Não houve diferenças nas frequências genotípicas, alélicas e haplotípicas entre os grupos. Nós avaliamos ainda a associação dos diferentes genótipos com as concentrações de MMP-9, rigidez arterial e prevalência de HVE, mas nenhuma associação foi encontrada. Nossos resultados sugerem que o equilíbrio entre MMP-9 e TIMP-1 varia de acordo com a gravidade da hipertensão e estão associados com HVE. Além disso, nossos dados demonstraram que os 3 polimorfismos genéticos da MMP-9 não estão associados com o fenótipo de HAR e não afetam os níveis plasmáticos de MMP-9 nos pacientes hipertensos estudados

Abstract: Resistant hypertension (RHTN) is defined as BP that remains above goals despite of the concurrent use of 3 antihypertensive agents of different classes at optimal dose amounts. Also, patients whose BP are controlled but require 4 or more medications are considered resistant. Left ventricular hypertrophy (LVH) and arterial stiffness are important predictors of mortality and morbidity and it is related to major cardiovascular events. Matrix metalloproteinases (MMPs) are a family of zinc dependent enzymes. MMP-9 participates in cardiovascular remodeling that contributes to LVH and arterial stiffness. These relationships are well described in animal models of hypertension, however in RHTN remains unclear. Genetics polymorphisms in MMP-9 gene including -1562C>T (rs3918242) and R279Q (rs17576) were associated with MMP-9 levels and cardiovascular events. The relationship between R279Q and arterial stiffness was also described in healthy volunteers. Finally, non-synonymous SNP Q668R (rs17577) was related to coronary disease in hypertensive patients treated with Amodipine. To date, no MMP-9 polymorphisms were evaluated in RHTN. Therefore, this study aimed: (1) To evaluate the levels of MMP-9, TIMP-1 and MMP-9/TIMP-1 ratio in RHTN subjects (n=124) and non-RHTN (HTN) (n=136) (2) To evaluate the relationship between MMP-9 and TIMP-1 with arterial stiffness and LVH in both groups (3) To evaluate the frequencies of MMP-9 polymorphisms (rs3918242, rs17576 e rs17577) in HTN vs. RHTN (4) To evaluate the relationship of genetic polymorphisms with MMP-9 levels, LVH and arterial stiffness. Plasma levels of MMP-9 and TIMP-1 were measured by ELISA. RHTN subjects presented decreased levels of MMP-9 and MMP-9/TIMP-1 ratio and higher TIMP-1 compared to HTN. We evaluated the association of these biomarkers with arterial stiffness, measured by pulse wave velocity (PWV), and with LVH, defined by left ventricular mass index (LVMI) (by echocardiogram). MMP-9 and MMP-9/TIMP-1 ratio were positively correlated with LV diastolic diameter (LVDD) in RHTN group. On the other hand, these biomarkers were inversely related to LVDD in HTN group. TIMP-1 was negatively related to LVMI in RHTN subjects, while positive association was found in HTN group. No relationship was found between LVMI and MMP-9, neither between PWV and MMP-9 nor TIMP-1 in both groups. We assessed genotypic frequency of -1562C>T using PCR followed by electrophoresis. R279Q and Q668R polymorphisms were determined using Real Time PCR with Taqman probes. Haplotype frequencies were estimated by PHASE software. There were no significant differences in the genotypes, alleles or haplotypes distributions between the RHTN patients and HTN. Moreover, no differences were found in MMP-9 levels, PWV or LVMI according to MMP-9 genotypes. Our data suggest that MMP/TIMP balance varies according to the severity of hypertension and are associated with resistant hypertension and left ventricular hypertrophy. In addition, genetic polymorphisms in MMP-9 are not associated to RHTN phenotype and do not affect MMP-9 levels in the studied hypertensive patients
Subject: Metaloproteinase 9 da matriz
Inibidor tecidual de metaloproteinase-1
Hipertensão
Hipertrofia ventricular esquerda
Rigidez vascular
Language: Multilíngua
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2016
Appears in Collections:FCM - Dissertação e Tese

Files in This Item:
File SizeFormat 
Barbaro_NataliaRuggeri_D.pdf5.18 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.