Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/312603
Type: TESE DIGITAL
Degree Level: Doutorado
Title: Influência da resistência insulínica sobre o desenvolvimento de colecistolitíase em indivíduos submetidos ao bypass gástrico em Y de Roux = Influence of insulin resistance on the development of cholecystolithiasis in individuals who underwent Roux-en-Y gastric bypass
Title Alternative: Influence of insulin resistance on the development of cholecystolithiasis in individuals who underwent Roux-en-Y gastric bypass
Author: Cazzo, Everton, 1979-
Advisor: Chaim, Elinton Adami, 1957-
Abstract: Resumo: A ocorrência de colecistolitíase após o bypass gástrico em Y de Roux foi extensivamente descrita na literatura. Uma vez que este procedimento cirúrgico promove significativa melhora na resistência de insulina, que é um dos fatores envolvidos na fisiopatologia da colecistolitíase, este estudo tem por objetivo determinar a influência da resistência insulínica e de sua evolução pós-cirúrgica no desenvolvimento de cálculos biliares. Foi realizado um estudo prospectivo tipo coorte, que envolveu 108 indivíduos obesos mórbidos sem cálculos biliares que foram submetidos ao bypass gástrico em Y de Roux. Os indivíduos foram acompanhados por 24 meses através de exames clínicos, laboratoriais e ultrassonográficos. A resistência insulínica foi mensurada através do marcador indireto "modelo de avaliação homeostática" (HOMA). Dos indivíduos avaliados, 29 (26,8%) desenvolveram cálculos biliares após a cirurgia. Na análise univariada, a ocorrência de colecistolitíase foi associada com o índice HOMA pré-operatório (p<0,0001), glicemia de jejum pré-operatória (p=0,0019), insulinemia de jejum pré-operatória (p=0,0001) e trigliceridemia pré-operatória (p=0,0001). A análise multivariada revelou que o índice HOMA pré-operatório foi o único fator associado de forma independente com os cálculos biliares (p<0,0001). A incidência de colecistolitíase entre indivíduos com resistência insulínica foi de 46,8%; nos indivíduos sem resistência insulínica, a incidência foi de 7,4% (p <0,0001). A resistência insulínica pré-operatória levou a um risco relativo de 6,02 (Intervalo de confiança de 95%: 2,1 ¿ 17,3; p=0,0009) de colecistolitíase. Uma vez que a colecistolitíase comumente ocorre após o bypass gástrico em Y de Roux, há controvérsias quanto a seu manejo. Alguns autores propõem a realização de colecistectomia sistemática juntamente com o bypass gástrico, enquanto outros sugerem que o risco agregado da abordagem concomitante é significativamente maior. Como a resistência insulínica pré-operatória foi um fator de risco significativo neste estudo, pode ser proposta uma abordagem individualizada para esta população. A realização de mais estudos é necessária para confirmar estes resultados e possibilitar uma análise mais profunda

Abstract: The occurrence of gallstones following Roux-en-Y gastric bypass has been extensively reported. As Roux-en-Y gastric bypass promotes improvement in insulin resistance, which is one of the factors enrolled in the pathophysiology of gallstones, this study aims to determine the influence of insulin resistance and its postoperative course on the development of gallstones. This is a prospective cohort study that enrolled 108 morbidly obese subjects free of gallstones which underwent Roux-en-Y gastric bypass and were followed up for 24 months, through clinical, laboratory, and ultrasound examinations. Insulin resistance was assessed through the surrogate marker homeostasis model assessment (HOMA). Of the individuals evaluated, 29 (26.8%) developed gallstones following Roux-en-Y gastric bypass. In the univariate analysis, postsurgical gallstones were associated with preoperative HOMA (p<0.0001), preoperative fasting glucose (p=0.0019), preoperative fasting insulin (p=0.0001), and preoperative triglycerides (p=0.0001). Multivariate analysis revealed that preoperative HOMA was the only factor independently associated with gallstones (p<0.0001). The incidence of gallstones among individuals with insulin resistance was 46.8%; in the group without insulin resistance, the incidence was 7.4% (p<0.0001). Preoperative IR led to a relative risk of 6.02 (95% Confidence interval: 2.1 ¿ 17.3; p= 0.0009) of gallstones. As gallstones often occur following Roux-en-Y gastric bypass, there is controversy regarding their management. Some authors propose systematic cholecystectomy along with Roux-en-Y gastric bypass, while others suggest that the aggregate risk of the concomitant approach is significantly higher. As insulin resistance was a significant risk factor in this study, an individualized approach for this population may be proposed. Further research is needed to confirm these findings
Subject: Doenças da vesícula biliar
Cálculos biliares
Resistência à insulina
Obesidade
Cirurgia bariátrica
Editor: [s.n.]
Citation: CAZZO, Everton. Influência da resistência insulínica sobre o desenvolvimento de colecistolitíase em indivíduos submetidos ao bypass gástrico em Y de Roux = Influence of insulin resistance on the development of cholecystolithiasis in individuals who underwent Roux-en-Y gastric bypass. 2015. 1 recurso online ( 110 p.). Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Médicas, Campinas, SP. Disponível em: <http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/312603>. Acesso em: 28 ago. 2018.
Date Issue: 2015
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Cazzo_Everton_D.pdf3.65 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.