Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/312572
Type: TESE DIGITAL
Title: Treino de vibração de corpo inteiro na função motora em pacientes acometidos por acidente vascular cerebral = Whole body vibration training in motor function in patients affected with stroke
Title Alternative: Whole body vibration training in motor function in patients affected with stroke
Author: Silva, Adriana Teresa, 1975-
Advisor: Honorato, Donizeti César, 1955-
Abstract: Resumo: O Acidente Vascular Cerebral (AVC) é um problema de saúde pública relevante em virtude de sua alta frequência e de grande impacto na população. Os sobreviventes apresentam sequelas que implicam algum grau de dependência e um elevado custo social. Minimizar as sequelas e aumentar a recuperação funcional tem sido um ponto importante para os profissionais da reabilitação. O objetivo do artigo 1 foi verificar os efeitos do treino de vibração de corpo inteiro nos pacientes acometidos por Acidente Vascular Cerebral. A amostra foi constituída de 27 indivíduos com hemiparesia espástica decorrente de AVC. Os instrumentos utilizados para avaliação foram: testes de caminhada de 6 minutos (TC6M), Teste de subir escada (TSE), Teste de Time Get-Up-and-Go (TGUG). Os testes foram aplicados antes, após e um follow-up após um mês da intervenção. Aplicou-se a terapia vibratória (frequência - 50 Hz e amplitude - 2 mm) por 8 semanas de treino. Nas quatros primeiras semanas foi realizado 4 séries de 60 segundos e nas quatros últimas semanas dobrou o número de séries. Houve diferença estatística para os TC6M, TE e TGUG (p<0,001). A terapia vibratória pode contribuir para melhora da função motora em pacientes acometidos por AVC. Em um segundo estudo (artigo 2), O objetivo foi investigar o efeito do treinamento de vibração de corpo inteiro na impressão plantar e função motora em pacientes acometidos por acidente vascular cerebral. A amostra foi composta por 28 indivíduos com hemiparesia após AVC que foram randomizados em grupo intervenção (n = 18) e grupo controle (n = 10). Os instrumentos utilizados para avaliação foram o Mini Exame do Estado Mental, fotopodoscopia e o teste de caminhada de 6 minutos (TC6). Para o tratamento foi utilizada a terapia da vibração de corpo inteiro, três vezes por semana, durante 8 semanas. O tratamento foi realizado em duas etapas: a primeira etapa 4 semanas - 4 série de 60 segundos de vibração. Na primeira série paciente em uma posição ereta estática, mantendo os pés separados com os joelhos semiflexionados a 30°. Na segunda série, a mesma posição apenas com os joelhos fletidos em 90°. Na terceira série posição ortostática, com o apoio de uma perna no membro afetado com o joelho semi-flexionado a 30°. Na quarta série voltou novamente igual à primeira série. A segunda etapa 4 semanas ¿ dobrou-se o número de série. Os dados foram analisados pelo teste t independente e medidas ANOVA repetidas com dois fatores. Não houve diferença estatística nem intergrupos e nem intragrupo (p = 0,05) na área de impressão plantar no lado afetado e não afetado, só houve diferença estatística intragrupo no TC6 (p = 0,03). Conclui-se que o treinamento de vibração de corpo inteiro não influenciou no aumento da área de impressão plantar e na função motora em pacientes de AVC. No terceiro estudo (artigo 3), O objetivo foi verificar a influência do treinamento vibratório de corpo inteiro no sinal eletromiográfico dos músculos reto femural (RF) e tibial anterior (TA) em pacientes acometido AVC. A amostra constituiu de 43 pacientes hemiparético acometido por AVC, onde foram randomizados em 2 grupos: controle (GC, n=19) e intervenção (GI, n=24). Os instrumentos utilizados para avaliação foram o Miniexame do estado mental e a Escala de Avaliação de Fugl-Meyer e eletromiografia (EMG) de superfície na contração isométrica voluntária (CIV) dos músculos RF e TA bilateralmente e simultameamente. Utilizou-se para o tratamento a terapia de vibração de corpo inteiro, 3 vezes na semana por 8 semanas. Os resultados mostram que RMS da atividade EMG não alterou intragrupo e nem intergrupo. Conclui-se que o treino de vibração de corpo inteiro não influenciou o sinal EMG dos músculos RF e TA em pacientes com AVC

Abstract: Stroke is a relevant public health problem, due to its high frequency and strong impact on the population. The survivors have sequelae involving some degree of dependence and a high social cost, minimize the consequences and enhance functional recovery has been an important point for rehabilitation professionals. The objective of this article 1 was verify the effects of vibration training on lower limb function in patients affected by stroke. The sample comprised of 27 individuals presenting with spastic hemiparesis due to stroke. The instruments used for evaluation were: The six minute walking test (6MWT), the stair climbing test (SCT) and the timed get up and go test (TUG) were applied to evaluate the lower members¿ motor function. The tests were applied before and after the intervention, as well as after a follow-up, which was performed 1 month later. Participants received whole body vibration training at a frequency of 50 Hz and 2 mm amplitude, for 8 weeks. In the first 4 weeks, participants underwent a series of four 60-second, periods last 4 weeks, we doubled the number of series of vibration. Difference was statistically the 6MWT, SCT and TUG (P=0.00). Vibration therapy can contribute to the improvement of the lower limbs¿ motor function in patients affected by stroke. In a second study (Article 2) The objective was to investigate the effect of vibration training in printing plant and motor function in patients affected by stroke. The sample consisted of 28 individuals with hemiparesis after stroke who were randomized into intervention group (n = 18) and control group (n = 10). The instruments used for evaluation were the Mini Mental State Examination, photopodoscopy and the 6-minute walk test (6MWT). For treatment was used the whole body vibration therapy three times a week for 8 weeks. The treatment was performed in two steps: the first step four weeks - 4 series of 60 seconds of vibration. The first patient series in a static standing position, keeping your feet apart with semi-flexed to 30 ° knees. In the second series, the same position only with the knees flexed at 90 °. In third grade standing position, with the support of a leg on the affected limb with semiflexed to 30 ° knee. In fourth grade back again like the first series. The second step four weeks - bent the serial number. Data were analyzed by independent t-test and ANOVA repeated measures with two factors. There was no statistical difference or intergroup and intragroup not (p = 0.05) in the print area to plant in the affected and unaffected side, there was only intra-group statistical difference in 6MWT (p = 0.03). It is concluded that whole body vibration training did not influence the increase in print area plant and motor function in stroke patients. In the third study (Article 3) The objective was to verify the influence of vibration training in electrical activity retofemural muscles (RF) and tibialis anterior (TA) in affected stroke patients. The sample consisted of 43 hemiparetic patients affected by stroke, which were randomized into 2 groups: control (CG, n = 19) and intervention (GI, n = 24). The instruments used for evaluation were the Mini-mental state and the Fugl-Meyer Assessment Scale and electromyography (EMG) surface on voluntary isometric contraction (IVC) of RF and TA muscles bilaterally and simultaneously. We used to treat the whole body vibration therapy, 3 times a week for 8 weeks. The results show that rms EMG activity did not affect intra-group and inter-group or. It concludes that the vibration training did not influence the EMG signal from the RF and TA muscles in stroke patients
Subject: Acidente vascular cerebral
Vibração - Uso terapêutico
Capacidade motora
Language: Multilíngua
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2015
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Silva_AdrianaTeresa_D.pdf11.32 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.