Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/312558
Type: TESE
Degree Level: Doutorado
Title: Qualidade de vida de mulheres com falência ovariana prematura = relevância da função sexual = Quality of life of women with premature ovarian failure : the relevance of sexual function
Title Alternative: Quality of life of women with premature ovarian failure : the relevance of sexual function
Author: Soares, Patricia Magda
Advisor: Pinto, Cristina Laguna Benetti, 1959-
Abstract: Resumo: Introdução: Mulheres com falência ovariana prematura (FOP) apresentam mais disfunção sexual e pior qualidade de vida que mulheres de mesma idade com função gonadal preservada, porém não está completamente esclarecida como que se inter-relacionam sexualidade e qualidade de vida em mulheres com FOP. Objetivo: Avaliar a função sexual e a qualidade de vida de mulheres com FOP. Analisar a interferência da função sexual na qualidade e quantificar a participação de cada domínio da função sexual sobre o índice total da função sexual de mulheres com FOP. Sujeitos e Métodos: Estudo tipo corte transversal com avaliação de 80 mulheres com FOP atendidas no Ambulatório de Ginecologia-Endócrina do Departamento de Tocoginecologia da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp. Foram incluídas mulheres com diagnóstico de FOP usuárias de terapia hormonal estroprogestativa, com pelo menos uma relação sexual heterosexual no último mês. Excluídas mulheres com doenças crônicas e/ou em uso de medicamentos que pudessem interferir na sexualidade ou na qualidade de vida destas mulheres. Cada mulher com FOP foi pareada a uma mulher de mesma idade ± 2 anos com função gonadal preservada, com ciclos menstruais regulares e que não utilizavam métodos contraceptivos hormonais, que compuseram o grupo de controle.Os mesmos critérios de exclusão foram adotados para este grupo. Todas as mulheres responderam dois questionários: Índice de Função Sexual Feminina (IFSF) e WHOQOL-bref, para avaliação dafunção sexual e qualidade de vida. Análise Estatística: Função sexual e qualidade de vida foram comparadas entre os grupos através do teste T Student ou do teste de Mann-Whitney. A relação entre função sexual e a qualidade de vida foi realizada através da Correlação de Spearman. Foi ainda realizada Análise Fatorial Exploratória por componentes para avaliar o peso de cada domínio da função sexual sobre a função sexual das mulheres com FOP. Resultados: As mulheres com FOP, quando comparadas ao grupo de controle, apresentaram piora em vários domínios da qualidade de vida, principalmente nos aspectos físicos (63,4±17,4 e 72,7±15,2, respectivamente, p=0,0004) e psicológicos (63,2±14,6 e 69,3±13,9, respectivamente, p=0,0075), além de pior função sexual em relação aos domínios excitação, lubrificação, orgasmo, satisfação e dor. Orgasmo e satisfação sexual foram aspectos da função sexual com correlação direta com todos os domínios da qualidade de vida de mulheres com FOP. A análise fatorial exploratória por componentes da função sexual mostrou que os domínios excitação e desejo foram os com maior participação na determinação da função sexual, respondendo por 41% do IFSF, enquanto os aspectos lubrificação e dispareunia foram os com menos participação proporcional sobre este índice. Conclusão: Mulheres com FOP têm piora na função sexual. Os aspectos psicológicos mostraram maior participação proporcional sobre a determinação da função sexual. O comprometimento dos diferentes aspectos da função sexual de mulheres jovens com FOP impactou diretamente diferentes domínios da qualidade de vida, com ação especialmente sobre o relacionamento social destas mulheres. Dar oportunidade para mulheres com FOP expressarem suas queixas sexuais de forma profunda, permitindo terapêuticas adequadas, poderá propiciar melhora na função sexual e na sua interação social

Abstract: Introduction: Women with premature ovarian failure (POF) have more sexual dysfunction and worse quality of life than women of the same age with preserved gonadal function, but it is not fully understood how sexuality and quality of life interrelate in women with POF. Objective: To evaluate sexual function and quality of life in women with POF. To analyze the interference of sexual function on quality of life and quantify the contribution of each sexual function domain on the total score in women with POF. Subjects and Methods: Cross-sectional study of 80 women with POF in the outpatient Endocrine Gynecology Clinic, Department of Obstetrics and Gynecology, Faculty of Medical Sciences, UNICAMP. Women diagnosed with FOP using estroprogestative hormone therapy, with at least one heterosexual intercourse in the last month were included. Women with chronic diseases and/or use of drugs that could interfere with sexuality and quality of life were excluded. Each woman with FOP was matched with a woman of the same age ± 2 years with preserved gonadal function, with regular menstrual cycles and who were not using hormonal contraception. These women made up the control group. The same exclusion criteria were used for this group. All women completed two questionnaires: Female Sexual Function Index (IFSF) and WHOQOL-BREF to evaluate sexual function and quality of life. Statistical Analysis: Sexual function and quality of life were compared between groups using the t Student test or the Mann-Whitney test. The correlation between sexual function and quality of life was carried out using Spearman correlation. Exploratory Factor Analysis for components was used to evaluate the role of each domain on the sexual function of women with POF. Results: Women with POF, when compared to the control group, presented worse scores in several domains of quality of life, especially physical aspects (63.4 ± 17.4 and 72.7 ± 15.2, respectively, p = 0.0004) and psychological (63.2 ± 14.6 and 69.3 ± 13.9, respectively, p = 0.0075), and worse sexual function scores for arousal, lubrication, orgasm, satisfaction and pain. Orgasm and sexual satisfaction were aspects of sexual function with direct correlation to all domains of quality of life in women with POF. Exploratory factor analysis of sexual function showed that the arousal and desire domains had the highest participation in the determination of sexual function, accounting for 41% of IFSF, while lubrication and dyspareunia had a smaller participation in the overall índex. Conclusion: Women with POF have worse sexual function. The psychological aspects showed greater proportional share in the determination of sexual function. The impairment of the different sexual function domains in young women with POF directly influenced different domains of quality of life, especially with an impact on the social relationships of these women. Allowing these women to deeply express their sexual complaints, enables the possibility of adequate therapies and may improve the sexual function and social interaction of women with POF
Subject: Insuficiência ovariana primária
Função sexual
Terapia hormonal
Qualidade de vida
Sexualidade
Language: Multilíngua
Editor: [s.n.]
Citation: SOARES, Patricia Magda. Qualidade de vida de mulheres com falência ovariana prematura: relevância da função sexual = Quality of life of women with premature ovarian failure : the relevance of sexual function. 2014. 93 p. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Médicas, Campinas, SP. Disponível em: <http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/312558>. Acesso em: 25 ago. 2018.
Date Issue: 2014
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Soares_PatriciaMagda_D.pdf1.71 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.