Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/312548
Type: TESE DIGITAL
Title: Correlação de depressão, ansiedade e síndrome da bexiga hiperativa em mulheres = estudo transversal e revisão sistemática da literatura = Correlation between depression, anxiety and symptoms of overactive bladder in women: a cross-sectional study and systematic review
Title Alternative: Correlation between depression, anxiety and symptoms of overactive bladder in women : a cross-sectional study and systematic review
Author: Melotti, Iane Glauce Ribeiro, 1965-
Advisor: Riccetto, Cássio Luís Zanettini
Abstract: Resumo: INTRODUÇÃO: A Bexiga Hiperativa (BH) afeta substancialmente a população feminina em todas as idades. Estima-se que quase metade destas mulheres não procura tratamento adequado para este problema. A depressão e a ansiedade são um conjunto de sintomas que pode surgir em variados quadros clínico e ocorrer como resposta às situações estressantes ou às circunstâncias sociais e econômicas adversas e na presença de doenças crônicas, como a BH. Os transtornos depressivos e a ansiedade são uma das principais causas incapacitantes da população mundial. OBJETIVO: O objetivo deste estudo foi de organizar as evidências disponíveis na literatura acerca das correlações entre os sintomas de Bexiga Hiperativa, depressão e ansiedade na forma de uma revisão sistemática e correlacionar os níveis de depressão e ansiedade (mínima, leve, moderada ou grave) em mulheres com diagnóstico de Bexiga Hiperativa por meio de um estudo de transversal. MÉTODO: A coleta de dados da revisão sistemática foi feita de acordo com o PRISMA Statement - (Preferred Reporting Items for Systematic Reviews and Meta-Analyses). A busca pelos artigos foi baseada nos seguintes descritores: "Overactive Bladder AND Depression Anxiety" or "Overactive Bladder AND Depression" or "Overactive Bladder AND Anxiety". As bases de dados utilizadas foram PUBMED, MEDLINE e Scielo. No estudo de corte transversal foram incluídas 274 mulheres com diagnóstico clínico de BH atendidas no ambulatório de Urologia Feminina do HC-UNICAMP e no ambulatório de Ginecologia Geral do CAISM-UNICAMP, no período de março de 2012 a março de 2015, com poder da amostra de 88,9% para depressão e de 86,2% para ansiedade. Foram utilizados três instrumentos de entrevista: International Consultation on Incontinence Questionnaire Overactive Bladder (ICIQ-OAB); e os inventários Beck para avaliar depressão e ansiedade (BDI e BAI). RESULTADOS: Na revisão sistemática, foram selecionados 11 artigos. Destes, 10 foram quantitativos e um qualitativo. Depressão e ansiedade foram correlacionadas com sintomas de Bexiga Hiperativa. No estudo de corte transversal, foi feita uma análise de regressão linear entre os escores de ICIQ-OAB e as variáveis clínicas. Os resultados mostraram que mulheres com níveis mais elevados de BH, tiveram maiores e significativos escores, de depressão e ansiedade (p= 0.0004), idade (p=0.0273), número de filhos (p=0.0043), pressão arterial (p=0.0406), renda pessoal (p=0.0327) e renda familiar (p=0.0025). A média de idade foi de 50 anos. Depressão moderada ou grave esteve presente em 59,8% das mulheres e ansiedade moderada ou grave esteve presente em 62,4% das entrevistadas. Maiores escores do ICIQ-OAB foram associados ao nível grave de depressão quando comparados aos níveis de depressão leve e mínima. Mulheres com maiores escores de noctúria apresentaram grau de depressão grave quando comparados aos níveis de depressão leve (p=0,0046). Maiores escores de incontinência de urgência também foram associados aos níveis graves de depressão quando comparados aos níveis mínimos de depressão (p=0,00261). Maiores escores do ICIQ-OAB foram associados às mulheres com ansiedade grave quando comparados àquelas com ansiedade leve (p=0,0049). Maiores escores de noctúria foram associados às mulheres com ansiedade grave, comparados aos escores de ansiedade mínima (p=0,0118). A incontinência de urgência foi associada às mulheres com ansiedade moderada quando comparadas aos escores de ansiedade mínima (p=0,03). Não houve diferença nas queixas de frequência urinária e urgência entre as mulheres com BH e os diversos graus de depressão e ansiedade. CONCLUSÃO: O estudo de revisão sistemática mostrou uma significativa correlação entre Bexiga Hiperativa, depressão e ansiedade. No estudo de corte transversal conclui-se que o ICIQ-OAB apresenta correlação positiva com a intensidade de depressão e ansiedade em mulheres com Bexiga Hiperativa. Além disso, a incontinência de urgência e noctúria correlacionam-se positivamente com a intensidade de depressão e ansiedade em mulheres com Bexiga Hiperativa. Os presentes estudos mostraram a importância de se abordar de forma integral os sintomas de BH. O tratamento psicológico deve ser considerado como um importante coadjuvante na abordagem das mulheres com sintomas de Bexiga Hiperativa

Abstract: INTRODUCTION: The overactive bladder (OAB) substantially affects the female population at all ages. It is estimated that half of these women don't seek appropriate treatment for this problem. Depression and anxiety are a set of symptoms that can arise in a variety of clinical conditions and occur in response to stressful situations or adverse social and economic circumstances and in the presence of chronic diseases. Depressive and anxiety are major disabling disorders in the world population and the most common psychiatric symptoms. OBJECTIVE: The objectives of this study was to perform a systematic review of the literature focused on the description of symptoms of depression and anxiety in women with OAB by validated instruments and to evaluate the presence and the severity of anxiety and depression in women diagnosed with OAB through a cross-sectional study. METHODS: The systematic review was done through the PRISMA Statement - (Preferred Reporting Items for Systematic Reviews and Meta-Analyses). The search for articles was based on the following descriptors: "Overactive Bladder AND Depression Anxiety" or "Overactive Bladder AND Depression" or "Overactive Bladder AND Anxiety". The database searched included PUBMED, MEDLINE and Scielo. In the cross-sectional study, 274 women with clinical diagnosis of OAB were recruited from Urology and Uroginecology clinics from March 2012 to March 2015, resulting in a sample power of 86.2% for anxiety and 88.9% for depression. All patients responded the International Consultation on Incontinence Questionnaire - Overactive Bladder (ICIQ-OAB), Beck Depression Inventory (BDI) and the Beck Anxiety Inventory (BAI). RESULTS: In the systematic review were selected 11 articles. Of these, 10 were quantitative and just one qualitative study. Depression and anxiety were correlated with symptoms of overactive bladder. In linear regression analysis, women with higher levels of OAB, have higher significant levels of depression and anxiety (p=0.0004), age (p=0.0273), parity (p=0.0043), level of blood pressure (p=0.0406) and less personal income (p=0.0327) and familiar income (p=0.0025). The average age was 50 years. Severe or moderate depression was present in 59, 8% of women. Severe or Moderate anxiety was present in 62,4% of women. Both symptoms of depression and anxiety were correlated to higher scores of ICIQ-OAB. Higher ICIQ-OAB scores were associated with severe level of depression when compared to mild and minimal depression levels (p=0.0031). Women with higher nocturia scores were classified with severe depression when compared to mild depression levels (p=0.0046). Higher urge-incontinence scores were also associated with severe levels of depression compared to the minimum levels (p=0.00261). Higher ICIQ-OAB scores were associated with women with severe anxiety when compared to mild anxiety (p=0.0049). Higher scores of nocturia were associated with women with severe anxiety, compared with minimum anxiety scores (p=0.0118). Urge- incontinence was associated with women with moderate anxiety when compared to minimal anxiety scores (p=0.0300). There was no difference in complaints of urinary frequency and urgency among women with BH and varying degrees of depression and anxiety. CONCLUSIONS: The systematic review showed significant correlations between depression and anxiety and OAB. The cross-sectional study showed a correlation between the intensity of OAB symptoms with depression and anxiety. Both of these studies highlighted the relevance of a holistic approach to OAB. Psychotherapy should be considered an important adjuvant in women with OAB complaints
Subject: Bexiga urinária hiperativa
Depressão
Ansiedade
Incontinência urinária de urgência
Noctúria
Language: Multilíngua
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2016
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Melotti_IaneGlauceRibeiro_D.pdf3.06 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.