Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/312515
Type: TESE
Degree Level: Doutorado
Title: Vivencias de mulheres que sofreram violência sexual e solicitaram interrupção legal de gestação
Title Alternative: Experiences of women who suffered sexual violence and requested legal abortion
Author: Godoy, Carolina Leme Machado de, 1982-
Advisor: Fernandes, Arlete Maria dos Santos, 1959-
Abstract: Resumo: Introdução: a lei brasileira garante interrupção legal de gestação (IL) para os casos de violência sexual (VS) desde 1940. A consequência do aborto na vida emocional das mulheres tem motivado estudos em diferentes países com resultados controversos. Objetivos: conhecer as vivências das mulheres que sofreram VS e solicitaram IL de gestação em serviço de referência em São Paulo, Brasil. Métodos: Estudo exploratório e qualitativo baseado em entrevistas diretas semiestruturadas com amostra proposital, utilizando critério de saturação de informação. As entrevistas foram gravadas, transcritas e inseridas no programa The Ethnograph V6.0, e definidas categorias que serviram para análise temática de conteúdo. Resultados: Dez mulheres que realizaram IL e outras três com solicitações negadas ou que desistiram do procedimento participaram da pesquisa. Todas com idade entre 18 e 38 anos e escolaridade 'maior ou igual' 8 anos, entrevistadas após 1 a 5 anos do procedimento de IL. As mulheres sentiram a VS como vergonhosa, mantiveram segredo e não procuraram atendimento imediato; relatando sentimentos de choque, medo, choro constante e desespero. O diagnóstico da gravidez foi desesperador, provocou angústia e o desejo imediato de interrupção. As mulheres desconheciam o direito à IL e onde deveriam buscar ajuda. Para as que procuraram primeiramente o setor privado de saúde as orientações foram precárias, diferentemente daquelas que procuraram atendimento público. Encontrar o serviço de referência foi motivo de alívio; a espera pela resposta à solicitação da IL foi marcada por ansiedade e medo de recusa. Após o procedimento, as variáveis ter religião católica, visualizar o feto no momento da expulsão e perceber reações negativas por parte de membros da equipe de atendimento foram aspectos apontados como dificultadores do processo de elaboração da experiência da IL. Após a IL foram relatados sentimentos de alívio, vazio e tristeza. Em longo prazo não houve arrependimento; apesar disso, as mulheres precisaram lidar com sentimentos de culpa e dificuldades para retomar suas práticas religiosas. O estudo não alcançou saturação de informação para avaliar vivências após negação da IL, realizou-se, então, estudo de casos. A única mulher entrevistada para a qual a IL foi negada pelo serviço evoluiu com aborto espontâneo e as vivências relatadas foram semelhantes àquelas das que haviam realizado IL. Para as duas mulheres que desistiram da IL e assumiram a gestação, a decisão delas próprias e o apoio familiar consistente mostraram-se relevantes para o bom desenvolvimento do vínculo com o bebê; ambas negaram arrependimento por suas decisões. Conclusão: foi evidente a complexidade das vivências das mulheres que sofreram VS e precisaram recorrer à IL, sendo esta realizada ou não. Além do impacto da agressão sofrida, as mulheres também revelaram o impacto das sanções morais e religiosas. Na realidade brasileira, há necessidade da criação de serviços de apoio que não estejam ligados diretamente aos serviços de referência para IL, a fim de dar suporte às demandas emocionais das mulheres e oferecer possibilidade de reestruturação; além da promoção de reflexões no campo da saúde, dos direitos humanos e da proteção social

Abstract: Introduction: Brazilian law ensures legal abortion (LA) for cases of sexual violence (SV) since 1940. The emotional consequences of abortion for women's life has motivated studies in different countries with controversial results. Objectives: to know the experiences of women who have suffered SV and requested LA in referral service in São Paulo, Brazil. Methods: Exploratory qualitative study based on semi-structured interviews conducted with women selected through purposeful sampling. Interviews were recorded, transcribed and thematic analysis of content was performed with the aid of The Ethnograph V6.0 program, and defined categories that served to thematic content analysis. Results: Ten women who underwent LA and three with requests denied or dropped out of the procedure were interviewed after 1-5 years of IL, all aged between 18-38 years and schooling "higher or equal" 8 years. The women felt the SV as shameful, kept secret and did not seek immediate care; reporting feelings of shock, fear, constant crying and despair. The diagnosis of pregnancy was despairing, caused anguish and immediate abortion desire. The women were unaware of the right to LA and where they should seek for help. For those who first sought the private health sector orientation were poor, unlike those who sought public service. Find the referral service was reliefing; waiting for a response to the LA request was marked by anxiety and fear of refusal. After the procedure, the variables having catholic religion, seeing the fetus during the procedure and negative reactions from members of the care team were pointed as hindering elements of this experience. After the LA feelings of relief, emptiness and sadness were reported. In the long term, there was no regret regarding the decision, however, feelings of guilt and difficulties in resuming their religious practices appeared. The study did not reach saturation information to evaluate to assess the women¿s experiences who did not have the legal abortion, so case studies were done. The only woman interviewed for which the LA was denied by the service, had a spontaneous abortion and reported similar experiences to those who underwent LA. For the two women who dropped out of the LA and carried the pregnancy to term, the decision made by themselves and consistent family support were relevant to promote link with the pregnancy and the baby; both of them reported no regret regarding their decision. Conclusion: it was evident the complexity of the experiences of women who have suffered SV and had to underwent LA. Besides the impact of aggression, women also revealed the impact of moral and religious sanctions. In Brazil, there is need for the creation of support services that are not directly linked to referral services for LA in order to support women¿s emotional demands and offer possibility of restructuring; in addition to promoting reflections in the field of health, human rights and social protection
Subject: Vivências
Mulheres
Violência sexual
Aborto legal
Editor: [s.n.]
Citation: GODOY, Carolina Leme Machado de. Vivencias de mulheres que sofreram violência sexual e solicitaram interrupção legal de gestação. 2015. 143 p. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Médicas, Campinas, SP. Disponível em: <http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/312515>. Acesso em: 26 ago. 2018.
Date Issue: 2015
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Godoy_CarolinaLemeMachadode_D.pdf1.31 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.