Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/312453
Type: TESE
Title: Prevalência de incontinência urinária e sua associação com multimorbidade entre mulheres com 50 anos ou mais = estudo de base populacional = Prevalence of urinary incontinence and its association with multimorbidity in women with 50 years or older : a based-population study
Title Alternative: Prevalence of urinary incontinence and its association with multimorbidity in women with 50 years or older : a based-population study
Author: Reigota, Renata Bednar, 1982-
Advisor: Pedro, Adriana Orcesi, 1966-
Abstract: Resumo: Introdução: Associado às mudanças no perfil etário e epidemiológico do Brasil nos últimos anos, as doenças crônicas têm assumido papel de destaque nas questões relacionadas à saúde pública. Nesse contexto, a Incontinência Urinária (IU) desempenha importante papel, em função de sua elevada prevalência, suas consequências e seu subdiagnóstico. Objetivos: Avaliar a prevalência de IU, seus fatores associados e sua associação com multimorbidade entre mulheres acima de 50 anos de idade no município de Campinas/SP. Métodos: Tratou-se de inquérito populacional incluindo 622 mulheres com idade igual ou superior a 50 anos, realizado entre 10 de maio e 31 de outubro de 2011, na cidade de Campinas, São Paulo, Brasil. As entrevistas foram realizadas por assistentes de pesquisa devidamente treinadas, em 68 setores censitários de Campinas. A variável dependente ¿ IU - foi definida como relato de perda involuntária de urina e foi categorizada em IU de Esforço (IUE), IU de Urgência (IUU) e IU Mista (IUM). As variáveis independentes foram características sociodemográficas, hábitos pessoais, comorbidades, autopercepção de saúde e capacidade funcional. Análise Estatística: A análise estatística foi realizada através do teste Qui-quadrado e da análise de regressão múltipla de Poisson com critério de seleção de variáveis backward. O nível de significância foi estabelecido em 5%. Resultados: A média etária das mulheres estudadas foi de 62 anos. A prevalência de IU entre as mulheres avaliadas foi de 52,3%, sendo mais prevalente a IUM (26,6% das entrevistadas) em comparação à IUE (12,4%) e IUU (13,2%). As variáveis que se associaram a maior prevalência de IU foram IMC ? 25 no momento da entrevista (p<0,001), presença de multimorbidade (p<0,001), uso de medicações sob prescrição médica (p=0,017), uso de anti-hipertensivos (p=0,007), uso de medicações para tratamento cardiorrespiratório (p=0,042), uso de tratamentos alternativos (p=0,031), antecedente pessoal de HAS (p<0,001) e de artrose (p=0,002). A limitação da capacidade funcional e a autopercepção negativa de saúde também foram fatores associados à IU (p<0,001 para ambas as variáveis). A regressão de Poisson mostrou que os fatores relacionados a uma maior prevalência de IU foram hipertensão arterial (RP 1.21; IC 1.01 ¿ 1.47; p=0,004), artrose (RP 1.24; IC 1.03 ¿ 1.50; p=0,022), prática de atividade física igual ou superior a 3 dias/semana (RP 1.21; IC 1.01 ¿ 1.44; p=0,039) e IMC ? 25 no momento da entrevista (RP 1.25; IC 1.04 ¿ 1.49; p=0,018). A autopercepção negativa de saúde (RP 1.23; IC 1.06 ¿ 1.44; p=0,007) e a presença de limitações nas atividades diárias (RP 1.56; IC 1.16 ¿ 2.10; p=0,004) também estiveram associadas a uma maior prevalência de IU. Conclusão: A prevalência de IU entre a população feminina após os 50 anos é alta. A IUM é a mais frequente. Os fatores associados à IU foram sobrepeso/obesidade, presença de hipertensão arterial e artrose, limitações nas atividades cotidianas e autopercepção negativa da saúde. Os resultados deste estudo apontam para a existência de fatores mutáveis que se associam à IU (como, por exemplo, sobrepeso/obesidade) e a consequente necessidade de políticas de saúde que conscientizem a população feminina e os profissionais de saúde sobre esta questão

Abstract: Introduction: Associated with changes in the age and epidemiological profile of Brazil in recent years, chronic diseases have assumed a prominent place in public health. In this context, Urinary Incontinence (UI) plays an important role, due to its high prevalence, its consequences and its underdiagnosis. Objectives: To evaluate the prevalence of IU and associated factors in women 50 years or older, living in Campinas / SP. Methods: This was a population survey including 622 women aged 50 years or older, conducted between May 10th and October 31st 2011, in the city of Campinas, São Paulo, Brazil. The interviews were conducted by research assistants specially trained in 68 census tracts of Campinas. The dependent variable - Urinary Incontinence (UI) - was defined as reported involuntary loss of urine and was categorized as Stress UI (SUI), Urgence UI (UUI) and Mixed UI (MUI). The independent variables were sociodemographic characteristics, personal habits, comorbidity, self-perception of health and functional capacity evaluation. Statistical Analysis: Chi-square test and multiple Poisson regression with backward selection criteria variables were used, the latter having been applied to evaluate the variables that were associated with UI. The level of significance was set at 5%. Results: The mean age of the women studied was 62 years old. The prevalence of UI among women was 52.3%, being MUI (26.6% of respondents) more prevalent when compared to SUI (12.4%) and UUI (13.2%). The variables that were associated with the prevalence of UI were BMI at the moment of interview (p <0.001), multimorbidity (p <0.001), use of prescribed medications (p = 0.017), use of antihypertensives (p = 0.007), use of medications for cardiorespiratory treatment (p = 0.042), use of alternative treatments (p = 0.031), personal history of hypertension (p <0.001) and osteoarthritis (p = 0.002). The presence of limitations in daily activities was also associated with UI (p <0.001), as well as the negative self-perception of health in women with UI (p <0.001). Multiple regression analysis showed that the factors related to a higher prevalence of UI were hypertension (OR 1.21, CI 1:01 to 1:47, p = 0.004), osteoarthritis (OR 1.24, CI 1:03 to 1:50, p = 0.022), frequency of physical activity ? 3 days / week (OR 1.21, CI 1:01 to 1:44, p = 0.039) and BMI ? 25 at the time of interview (OR 1.25, CI 1:04 to 1:49, p = 0.018). Likewise, were associated with a higher prevalence of UI the negative self-perception of health (PR 1:23; CI 1:06 to 1:44, p = 0.007) and the presence of limitations in daily activities (PR 1:56 CI 1:16 to 2:10, p = 0.004). Conclusion: Our findings showed that the prevalence of UI among women is high after 50 years old, with a higher prevalence of MUI. The factors associated with UI were overweight, presence of hypertension and osteoarthritis, limitations in daily activities and negative self-perception of health. Our results point to the existence of mutable factors associated with UI (eg, overweight / obesity) and the consequent need for health policies able to make female population and health professionals aware about this issue. Keywords:urinary incontinence, chronic diseases, multimorbidity, prevalence, women, menopause
Subject: Prevalência
Fatores de risco
Incontinência urinária
Mulheres
Language: Multilíngua
poreng
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2014
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Reigota_RenataBednar_M.pdf2.23 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.