Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/312410
Type: TESE
Title: Parametros pre, intra e pos-operatorios em mulheres submetidas a histerectomia vaginal na ausencia de prolapso uterino
Author: Prota, Francisco Eduardo
Advisor: Jorge, Jesse de Paula Neves, 1938-
Abstract: Resumo: Introdução: A histerectomia por via vaginal se constitui no procedimento de melhor desempenho para retirada do útero, segundo vários fatores avaliados, quando comparada àquela por via abdominal ou mesmo a laparoscópica. Apesar destas vantagens, em nosso meio a maioria dos serviços a praticam em pacientes portadoras de distopias, sendo poucos os que indicam em pacientes sem prolapso uterino. Objetivo: Avaliar os parâmetros pré, intra e pós-operatórios de mulheres submetidas à histerectomia vaginal na ausência de prolapso uterino. Sujeitos e métodos: Foi realizado estudo retrospectivo através da revisão de prontuários de 190 mulheres submetidas à histerectomia vaginal na ausência de prolapso uterino operadas no Hospital e Maternidade Celso Pierro da PUC-Campinas e no Hospital Penido Burnier no período de março de 2000 a setembro de 2005. Foram avaliados parâmetros pré-operatórios como idade, índice de massa corpórea, número de gestações, vias de parto, indicação da cirurgia, volume uterino pela ultrassonografia, antecedentes clínicos e antecedentes de cirurgias pélvicas. Quanto aos procedimentos intra-operatórios foram avaliados o tipo de anestesia, tempo operatório, quantidade de sangramento, técnica empregada na retirada da peça cirúrgica, cirurgias associadas e complicações. Os parâmetros pós-operatórios avaliados foram o tempo de permanência hospitalar, peso do útero e complicações. A análise estatística dos dados foi realizada através de medidas de freqüência, médias e desvio padrão. Para o desenvolvimento destes procedimentos estatísticos foi utilizado o pacote SAS Versão 8.2. Resultados: A média etária de mulheres avaliadas nessa casuística foi de 44,6 anos, com índice IMC médio de 26,4kg/m2; 91% delas com uma ou mais gestações e 72,7% referindo antecedente de pelo menos um parto via abdominal. A indicação cirúrgica mais freqüente foi a miomatose uterina em 45,3% dos casos, seguida por diagnóstico de sangramento uterino anormal em 43,7%. A anestesia mais utilizada foi o bloqueio espinhal e a quantidade do sangramento maior ou igual a 300ml ocorreu em 11,6% dos casos. A duração da cirurgia em 58,9% dos casos não excedeu 75 minutos. Houve distribuição semelhante quanto ao uso ou não de técnicas de redução do volume uterino. As freqüências de complicações intra e pós-operatórias foram baixas 3,6% e 15,8% respectivamente. O tempo de hospitalização foi inferior a 48 horas em 87,4% dos casos sendo o tempo médio de hospitalização de 31,5 horas. Conclusões: A taxa de complicação, o tempo de cirurgia, a quantidade de sangramento e o tempo de internação foram baixos, mostrando que a histerectomia por via vaginal na ausência de prolapso é um procedimento cirúrgico seguro e vantajoso para muitas mulheres

Abstract: Introduction: Vaginal hysterectomy represents the best performance procedure to the removal of the uterus, based on many evaluated factors, when compared to abdominal hysterectomy or even laparoscopic hysterectomy. Despite many well known advantages of vaginal hysterectomy, most surgeons among us only indicate it to women with prolapsed uterus, being very few those who indicate it to women with non prolapsed uterus. Objective: Evaluate pre, intra and post operative parameters from women eligible to vaginal hysterectomy with non prolapsed uterus Patients and Methods: This is retrospective study in which 190 medical records of women who underwent vaginal hysterectomy with non prolapsed uterus at Hospital e Maternidade Celso Pierro da PUC-Campinas and at the Hospital Penido Burnier during the period from march 2000 to september 2005 were reviewed. Women¿s age, body mass index, parity, frequency of vaginal delivery, indication of hysterectomy, uterine volume through ultrasound, clinical history and previous pelvic surgeries were analyzed. In respect to the intra operatory procedures, types of anesthesia, surgical time, blood loss, technique used to remove the uterus, associated surgeries and complications were analyzed. The postoperative parameters analyzed were hospitalization period, histologic analysis of the removed organ, uterus weight and complications. Statistical analysis were done with frequency, means and standard deviation, using SAS version 8.2. Results: The mean age of women evaluated in this study was 44,6 years, with a mean body mass index of 26,4kg/m2; 91% of them with one or more gestation and 72.7% referred at least one cesarean section. The most frequent surgical indication was fibroid uterus 45.3% of the cases, followed by the diagnosis of dysfunctional uterine bleeding in 43.7%. The most frequent anesthesia was spinal and the amount of blood loss equal or greater than 300ml occurred in 11.6% of the cases. Operation time did not exceed 75 minutes in 58.9% of the cases. The distribution of techniques to reduce the uterine volume were similar. The frequency of intra and postoperative complications were low, 3.6% and 15.8%, respectively. The hospitalization time was less than 48 hours in 87.4% of the cases, and the mean hospital stay was 31.5 hours. Conclusions Complication rate, mean operation time, the amount of blood loss and the hospitalization period were low, which show that vaginal hysterectomy in non prolapsed uterus is a safe and advantageous procedure to many women
Subject: Histerectomia vaginal
Hemorragia
Mioma
Complicações pós-operatórias
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2006
Appears in Collections:FCM - Dissertação e Tese

Files in This Item:
File SizeFormat 
Prota_FranciscoEduardo_D.pdf264.83 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.