Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/312174
Type: TESE
Title: Repercussão do acidente vascular cerebral na aprendizagem da criança
Title Alternative: Impairment of learning after stroke in childhood
Author: Rodrigues, Sonia das Dores
Advisor: Ciasca, Sylvia Maria, 1955-
Abstract: Resumo: A doença cerebrovascular (DCV) é considerada rara na infância, com incidência aproximada de 2.3 a 2.5/100.000 crianças/ano. Comparando-se aos estudos realizados na idade adulta, na infância os estudos ainda são raros e, em geral, a idéia passada pela literatura é que essa doença não traz maiores repercussões para o futuro desses indivíduos. Entretanto, pesquisas realizadas a partir da última década, principalmente, vêm demonstrando que o acidente vascular cerebral (AVC) pode comprometer a cognição da criança. Em se tratando de aprendizagem e escolaridade, os estudos são superficiais e, não raro, apenas indicam se há, ou não, defasagem escolar e se houve necessidade de apoio educacional especializado. Diante disso, o presente estudo tem como objetivo investigar a repercussão do AVC na aprendizagem da criança. Foram incluídas no estudo trinta e cinco pacientes que tiveram AVC isquêmico ou hemorrágico, com idade entre sete e quinze anos, acompanhadas pelo Grupo de Pesquisa em Doença Cerebrovascular da Infância e Adolescência do HC/Unicamp (Grupo Experimental - GE). O diagnóstico do AVC foi realizado por meio de exames clínicos, laboratoriais e de neuroimagem. Para a comparação com o GE foram avaliadas vinte e nove crianças sem lesão cerebral (Grupo Controle - GC). Essas crianças do GC estavam matriculadas no ensino fundamental e, de acordo com seus professores, não tinham problemas de aprendizagem. Como instrumentos de avaliação foram utilizados o Método Clínico de Piaget (com oito provas operatórias), o Teste de Desempenho Escolar (Stein, 2003), a Prova de Memória de Curto Prazo (Mello, 2003) e o Questionário de Nível Sócio-Econômico (Periscinoto, 2004). Para seis crianças seriamente comprometidas do ponto de vista intelectual, foi utilizado a Escala de Maturidade Social de Vineland (1947). Os resultados obtidos mostraram que a performance do GE foi significativamente inferior, quando comparado com o GC. As crianças com lesão em áreas corticais tiveram pior desempenho que aquelas que tiveram lesão em área subcortical. Não foi encontrada diferença estatisticamente significativa em nenhum dos testes e provas, quando se comparou o desempenho das crianças em função do tipo de AVC (isquêmico e hemorrágico). Entretanto, constatou-se que as crianças que evoluíram com epilepsia após o insulto vascular tiveram pior desempenho em escrita e aritmética e, além disso, quatro delas tinham deficiência intelectual. Por fim, lesão em fase precoce do desenvolvimento (antes dos cinco anos de idade) foi mais prejudicial às crianças. Conclui-se que o AVC repercutiu negativamente na aprendizagem das crianças analisadas

Abstract: Childhood stroke is defined as cerebrovascular event that occur between 29 days and 18 years of life. Stroke is relatively rare among children, with an incidence between 0.6 - 13 cases / 100.000 children years. Usually, children who have stroke are perceived to have a favorable outcome; however the literature provides significant number of children with residual impairments. The majority of clinical studies focused on motor outcome and there is few date regarding cognitive and educational evolution after childhood stroke. The aim of this study was to evaluate the effect of stroke in childhood on learning and academic skill. Thirty five patients with ischemic or hemorrhage stroke, aged 15 years or younger, who had been treated in the Faculty of Medical Sciences/State University of Campinas (UNICAMP), were included in this study (Experimental Group - EG). The diagnosis of stroke was established on clinical, laboratorial and neuroimaging features (CT, MRI). We select and evaluated twenty-nine children without neurological injury (Control Group -CG) for to compare with the EG. The children of CG were enrolled in public schools and according to their teachers had no learning difficulties. We used the Piaget's clinical method, Academic Skill Test (Stein, 2003), short-term memory (Mello, 2003) and economical and social level (Periscinoto, 2004) to evaluate children of EG and CG. The Vineland Social Maturity Scale (1947) was used to evaluate six children of EG with severe cognitive impairment. The results obtained show that the performance of EG was statistically significant below when compared with CG. We found worse performance in children who had lesions in cortical areas. We did not found significant shift in relation of type of stroke (ischemic or hemorrhagic). Children with epilepsy had more difficulties in writing and arithmetical and four of then were classified as intellectual deficient. There was a significant shift in functioning towards lower levels in children who have brain injury before five years. We conclude that the brain damage affected the learning of children who have stroke
Subject: Cognição
Aprendizagem
Acidentes vasculares cerebrais
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2008
Appears in Collections:FCM - Dissertação e Tese

Files in This Item:
File SizeFormat 
Rodrigues_SoniadasDores_D.pdf7.91 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.