Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/312140
Type: DISSERTAÇÃO
Degree Level: Mestrado
Title: Ultrassonografia e CA-125 como preditores de malignidade em mulheres com tumores anexiais
Title Alternative: Ultrasonography and CA-125 as predictors of malignancy in women with adnexal tumors
Author: Hartman, Caio Augusto, 1977-
Advisor: Derchain, Sophie Françoise Mauricette, 1959-
Abstract: Resumo: Introdução: O câncer de ovário é a mais letal das neoplasias ginecológicas e representa a quinta causa mais comum de morte por câncer em mulheres. A sobrevida é baixa e não ultrapassa 40% após 5 anos e está diretamente relacionada ao estádio da doença ao diagnóstico. Não há até hoje, nenhum método de rastreamento que se mostrou efetivo na redução da mortalidade por esta neoplasia. Entretanto, a ultrassonografia (US) e o CA-125 são muito utilizados na diferenciação das tumorações anexiais. Apesar de todos os estudos realizados com US, não existe um consenso sobre os critérios a serem utilizados na diferenciação pré-operatória destes tumores. Frente ao achado de um tumor anexial, o ginecologista deve avaliar o risco de malignidade do mesmo, para instituir um preparo pré-operatório mais adequado, prever a extensão do procedimento e suas possíveis complicações. Objetivo: avaliar os critérios ultrassonográficos de Timmerman et al. e os valores do CA-125 como indicadores de risco para malignidade em mulheres com tumores anexiais. Sujeitos e métodos: este é um estudo de corte transversal no qual foram incluídas 105 mulheres, com 112 tumores anexais. Estas foram submetidas a coleta de sangue periférico para dosagem de CA-125 e exame de ultrassonografia (US). O exame de US foi realizado utilizando descrição padronizada. Informações sobre mais de 40 variáveis morfológicas e de Doppler foram coletadas. A seguir, os tumores anexiais foram classificados segundo 5 critérios de benignidade: (B1) cisto unilocular, (B2) presença de componentes sólidos menores que 7mm, (B3) presença de sombra acústica, (B4) tumor multilocular com paredes lisas medindo menos que 100mm e (B5) ausência de fluxo ao Doppler (índice de cor 1). Os 5 critérios de malignidade foram: (M1) tumor sólido irregular, (M2) presença de ascite, (M3) presença de pelo menos 4 projeções papilíferas, (M4) tumor multilocular sólido irregular com maior medida ? 100mm e (M5) alto fluxo ao Doppler (índice de cor 4). O padrão-ouro foi considerado o resultado do exame anátomo patológico das peças cirúrgicas. Resultados: dos 112 tumores, 81 (72,3%) eram benignos e 31 (27,7%) malignos. Os critérios ultrassonográficos foram aplicáveis a 91 (81,2%) dos tumores e resultaram em sensibilidade de 90% e especificidade de 87%. Nos tumores não classificáveis segundo os critérios, utilizamos a avaliação subjetiva para classificá-los como benignos ou malignos e obtivemos sensibilidade de 66,7% e especificidade de 75%. O CA-125 apresentou sensibilidade de 69% e especifidade de 87,8%. Nos tumores ultrassograficamente classificados como benignos, tanto a idade como os valores do CA-125 não contribuíram adicionalmente para a detecção dos tumores histologicamente malignos. Já no grupo de tumores ultrassonograficamente classificados como malignos, a idade e os valores de CA-125 contribuíram significativamente para a detecção de tumores histologicamente malignos (p = 0.025). Conclusões: A maioria dos tumores pode ser corretamente classificada segundo os critérios ultrassonográficos, com sensibilidade e especificidade semelhantes a do estudo original de Timmerman. O CA-125 isoladamente apresentou menor desempenho que o US na discrimação de tumores anexiais. Quando associamos o CA-125 à idade e aos critérios ultrassonográficos em um modelo de regressão logística, obtivemos melhora no desempenho na discriminação dos tumores ultrassograficamente malignos

Abstract: Introduction: Ovarian cancer is the deadliest gynecologic neoplasm and it is the fifth leading cause of cancer-related deaths in women. The survival rate is low, not exceeding 40% after 5 years and is directly related to tumor stage at the time of diagnosis. To date there is still no screening method that is effective at reducing mortality from this neoplasm. However, ultrasonography and CA-125 are widely used in the differentiation of adnexal tumors. Despite all studies conducted with US, there is no consensus on the criteria to be used in the preoperative differentiation of these tumors. When an adnexal tumor is found, the gynecologist should assess the risk of tumor malignancy to institute a more appropriate preoperative preparation, predict the extension of the surgical procedure along with its potential complications. Objective: to evaluate ultrasound criteria of Timmerman et al. and CA-125 values as indicators of malignancy risk in women with adnexal tumors. Subjects and methods: a prospective study was conducted, including 105 women with 112 adnexal tumors. These women underwent peripheral blood collection for CA-125 measurement and ultrasound (US). US evaluation was performed by using standardized classification. Information on more than 40 morphologic and Doppler variables was obtained. Adnexal tumors were then classified according to 5 features of benign disorders: (B1) unilocular ovarian cyst, (B2) presence of solid components in which the largest solid component is < 7mm, (B3) presence of acoustic shadows, (B4) multilocular tumor with smooth walls measuring less than 100mm and (B5) no detectable Doppler flow (color score 1). The 5 features of malignancy were: (M1) irregular solid tumor, (M2) presence of ascites, (M3) presence of at least 4 papillary projections, (M4) irregular solid multilocular tumor with largest measurement ? 100mm and (M5) high color content on Doppler exam (color score 4). Histopathological analysis of surgical specimens was considered the gold standard. Results: among the 112 tumors, 81 (72.3%) were benign and 31 (27.7%) were malignant. Ultrasound criteria were applicable to 91 (81.2%) of the tumors and resulted in a sensitivity of 90% and specificity of 87%. In tumors not classifiable according to criteria, we used subjective assessment to classify these tumors as benign or malignant, obtaining a sensitivity of 66.7% and specificity of 75%. CA-125 had a sensitivity of 69% and specificity of 87.8%. In tumors sonographically classified as benign, both age and CA-125 values did not contribute any further to the detection of histologically malignant tumors. In contrast, in the group of tumors classified as malignant on ultrasound, the age and the CA-125 values contributed significantly to the detection of histologically malignant tumors (p = 0.025). Conclusions: The majority of tumors may be correctly classified according to ultrasound criteria, with sensitivity and specificity similar to those of the original study by Timmerman. Measurement of CA-125 levels alone showed a worse performance than US evaluation in discriminating adnexal tumors. CA-125 measurement associated with age and ultrasound criteria in a logistic regression model, resulted in a better performance in discriminating the sonographically malignant tumors
Subject: Câncer
Ovários - Tumores
Ultrassonografia
Language: Português
Editor: [s.n.]
Citation: HARTMAN, Caio Augusto. Ultrassonografia e CA-125 como preditores de malignidade em mulheres com tumores anexiais. 2012. 84 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Médicas, Campinas, SP. Disponível em: <http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/312140>. Acesso em: 19 ago. 2018.
Date Issue: 2012
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Hartman_CaioAugusto_M.pdf1.61 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.