Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/312029
Type: TESE
Title: O Governo da conduta : o poder médico e a liberdade dos indivíduos na sociedade contemporânea
Title Alternative: The Government's conduct : medical power and freedom of individuals in contemporary society
Author: Martins, Anderson Luiz Barbosa, 1971-
Advisor: Carvalho, Sérgio Resende, 1958-
Abstract: Resumo: A arte de governar a própria existência e a dos outros tornou-se uma questão imprescindível para a constituição dos modos de subjetivação na modernidade. Michel Foucault desenvolveu uma perspectiva analítica rica e complexa desse tema a partir dos estudos sobre a governamentalidade liberal. Na atualidade, uma série de transformações no território do governo imprimiu uma nova configuração a essa questão. Na nova arte liberal de governar que se constituiu no segundo pós-guerra, vê-se fortalecer progressivamente a ideia de que o indivíduo deve ser o autor ativo de suas escolhas de vida e também o único responsável pelos riscos e perigos que essas escolhas implicam. Compondo uma abordagem metodológica com base nos trabalhos genealógicos de Michel Foucault e nos estudos de Gilles Deleuze, esta pesquisa tem como objetivo delinear uma cartografia das relações de forças que fazem da gestão dos riscos na busca da saúde perfeita uma tecnologia biomédica de governo da subjetividade. Inicialmente, no cenário econômico e político caracterizado pelo liberalismo clássico, os elementos dessa arte de governo são apresentados através da análise da tecnologia de segurança, tendo em seu centro a medicalização da vida e a normalização da sociedade disciplinar, da constituição e afirmação do individualismo burguês e da consolidação do Estado-nação. Em seguida, na passagem da sociedade disciplinar para a de controle, procuramos apontar para a afinidade existente entre a racionalidade política de um liberalismo avançado e sua ética da autonomia, com o discurso do risco à saúde na atualidade. No interior desse novo cenário, examinamos os novos procedimentos e técnicas de biomedicalização e seus efeitos sobre a produção de subjetividade. As análises sobre o governo da subjetividade possibilitam a construção de um pensamento crítico sobre nossa relação com as práticas históricas e seus efeitos. Pois arguir a história é desnaturalizar seus eventos, fazendo aparecer o jogo de forças que dá corpo à realidade

Abstract: The art of governing our own existence and of others has become an indispensable question for the constitution of the ways of subjectivity at the modernity. Michel Foucault has developed a rich and complex analytical perspective of this theme starting from the studies about the liberal governmentality. At the present time, a series of transformations on the government territory has given a new configuration to this question. In the new art of governing that was constituted in the second post-war, we see the progressive strengthening of the idea that the individual should be the active author of his life choices and also the only responsible for the risks and dangers that these choices implicate. The objective of this research is to delineate the map of the relations of forces that make the management of the risks in the search of the perfect health a technology of government of the subjectivity. Initially, in the economical and political scenery characterized by the classical liberalism, the elements of that art of government are presented through the analysis of the technology of safety, having in its center the medicalization of life and normalization of the disciplinary society, of the constitution and statement of the bourgeois individualism and of the consolidation of the nation-State. Next, in the passing from the disciplinary society to the control society, we attempt to point at the existent affinity between the political rationality of an advanced liberalism and its autonomy ethics, with the speech of the risk to health at the present time. Inside this new scenery, we examine the new procedures and techniques of the health medicalization and their effects on the subjectivity production. The analyses on the government of conduct make possible the construction of a critical thought about our relationship with the historical practices and their effects. Because to interrogate the history is to denaturalize its events, making the game of forces that gives body to reality appear
Subject: Política de saúde
Medicina social
Cuidados médicos
Risco
Depressão
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2012
Appears in Collections:FCM - Dissertação e Tese

Files in This Item:
File SizeFormat 
Martins_AndersonLuizBarbosa_D.pdf1.97 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.