Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/311927
Type: TESE
Title: Citomegalovirus em transplantados hepaticos : diagnostico e monitorização por meio do estudo comparativo entre antigenemia e "Nested-PCR"
Author: Fioravanti, Jose Benedito
Advisor: Costa, Sandra Cecília Botelho, 1951-
Abstract: Resumo: o Citomegalovirus Humano (HCMV) é um dos mais importantes patógenos que acometem pacientes submetidos a transplante hepático, estando associado à alta morbidade e mortalidade. Atualmente faz-se necessário o emprego de técnicas laboratoriais que sejam rápidas, sensíveis e específicas,no diagnóstico do HCMV, a fim de ser instituído um tratamento antiviral o mais precoce possível. Neste estudo, foram feitas comparações entre duas técnicas laboratoriais distintas: a "Nested-PCR" e a antigenemia, avaliando a eficácia das mesmas na monitorização de infecção ativa e doença por HCMV, neste grupo de pacientes. Dessa maneira, foram pesquisados pacientes submetidos a transplante hepático no Hospital de Clínicas da FCM/UNICAMP, desde antes do transplante até seis meses após o ato cirúrgico, tanto em ambiente hospitalar, quanto ambulatorial. Posteriormente, foi feita uma análise das duas metodologias diagnósticas utilizadas, comparando-as quanto à sua eficácia. Foram avaliados 27 pacientes, de setembro de 1998 a janeiro de 2.001, acompanhando o doador no pré-transplante, e o receptor até, no mínimo, 180 dias após a cirurgia. Realizaram-se 12 coletas de sangue de cada paciente receptor, sendo essas coletas: semanais durante o primeiro mês; quinzenais, nos segundo e terceiro mês, e mensais posteriores até o sexto mês. Conforme dados anteriores na literatura confirmados por este trabalho, a cirrose hepática provocada pelo vírus C foi o principal fator etiológico (55,55%) do transplante hepático, sendo que a cirrose alcoólica aparece como segundo maior (29,63%). Foi observado no pré transplante que, dos 27 pacientes, 92% dos transplantados já haviam tido contato anterior com o HCMV (Sorologia IgG positiva), 15% dos receptores apresentaram "Nested-PCR" positiva e 5% Antigenemia positiva. Segundo os critérios de infecção ativa, 25/27 (92%) dos pacientes apresentaram infecção ativa, sendo que em 12/27 (44%) destes, foram acompanhadas manifestações clínicas compatíveis com HCMV doença, sendo a febre (72%), e a mialgia (43%) as mais comuns, tendo também alterações das enzimas hepáticas (57%) e leucopenia (11%). o trabalho demonstra que a "Nested-PCR" se positiva, em média, com 47 dias pós-transplante, precedendo em 20 dias as manifestações clínicas, enquanto que a Antigenemia, se positiva, em média, após 85 dias do transplante. Dos pacientes estudados, cinco evoluiu a óbito, e destes, três com manifestações clínicas de doença pelo HCMV. Em conformidade com estudos anteriores, a doença pelo HCMV, nos pacientes transplantados hepáticos estudados ocorreu nos três primeiros meses pós-transplante. Deste modo, releva-se a importância clínica da detecção precoce do HCMV em pacientes transplantados hepáticos, e que as técnicas da "Nested-PCR" e da Antigenemia, empregadas neste trabalho, se mostraram adequadas para a monitorização destes pacientes em relação à infecção pelo HCMV

Abstract: The human cytomegalovirus (HCMV) is one of the most important pathogens that undertakes hepatic transplantation patients, with a high mortality and morbidity, being its early diagnosis by means laboratorial tests such as PCR and Antigenemia, a primary issue. In our study we assisted 27 patients ftom September 1988 to January 2001, performing serological techniques (ELISA), PCR and Antigenemia in the pretransplantation patients and two Iast tests in the follow up at least, 150 days in the post-transplantation. It was observed that among the 27 patients, 92% had a already had a previous contact with HCMV (IgG positive in the pre-transplantation). Also 15% presented a positive PCR, and only 5% presented a positive Antigenemia before transplantation. According to previous data, and confirmed by this research, the hepatic cirroshis caused by the virus C was the main cause (59%) for hepatic transplantation, from which 40% appears as an isotaded form, including that the alcoholic cirrhosis appearing as the second highest incidence (33%), 14% as an isolated form. Our research shows that PCR test becomes positive it takes around 47 days after transplant, as the Antigenemiatest takes nearly 85 days. In accordance with active infection standards, 92% (25/27) of the patients presented an active infection course, by of which 44% (12/27) were followed by clinical manifestations consistent with the HCMV disease. The most common clinical symptoms were fever (72%) and myalgia (43%), followed by hepatic enzymes alterations (57%) and leukopenia (11%). Among the analysed patients, 05 decreased and wich, 03 of them (60%) had clinical manifestation of the HCMV disease. In conformity with previous data, the HCMV disease in hepatic transplantation patients occurred in the first 3 months after transplantation. Thus we have demonstrated the clinical importance of the early detection of HCMV in hepatic transplantation patients and that HCMV infection is a frequent problem in hepatic transplant patients in Brazil, with significant clinical complications
Subject: Transplante de orgãos, tecidos, etc
Fígado - Cirurgia
Reação em cadeia da polimerase
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2001
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Fioravanti_JoseBenedito_M.pdf22.65 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.