Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/311873
Type: TESE
Degree Level: Doutorado
Title: A gestão autônoma da medicação numa experiência com usuários militantes da saúde mental
Title Alternative: The autonomous management of medication in an experiment with users of mental health services which are militants in this field
Author: Gonçalves, Laura Lamas Martins, 1977-
Advisor: Campos, Rosana Onocko, 1962-
Campos, Rosana Teresa Onocko
Abstract: Resumo: Esta pesquisa insere-se no contexto de uma pesquisa multicêntrica realizada em Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) de três cidades brasileiras, nos anos de 2009 e 2010, com o objetivo de traduzir, adaptar e testar um instrumento produzido no Canadá, o Guia pessoal da gestão autônoma da medicação (Guia GAM). Tal instrumento foi criado a partir do reconhecimento de uma utilização pouco crítica dos medicamentos nos tratamentos em saúde mental e também do reconhecimento do valor simbólico da medicação na vida dos usuários. O Guia parte do reconhecimento do direito ao consentimento livre e esclarecido para a utilização da medicação e da necessidade de compartilhar as decisões entre profissionais e usuários e tem como um de seus objetivos tornarem disponíveis informações sobre as medicações (efeitos colaterais, doses terapêuticas, etc.). Propusemos o uso do Guia através de um Grupo de Intervenção com sete usuários de serviços de saúde mental do município de Campinas, com transtorno mental grave e com história de participação política no campo da saúde com o objetivo de avaliar os efeitos da experimentação do Guia na relação desses usuários com seus tratamentos e nas suas ações de militância. Nossa pesquisa incluiu a realização de encontros quinzenais, grupos focais e entrevistas em profundidade. Transformamos as transcrições em narrativas por extração de seus núcleos argumentais e identificamos uma mudança no julgamento crítico dos usuários, sobretudo, acerca do uso da medicação, dos seus direitos. Os usuários demonstraram maior conhecimento sobre o que tomam e para quê e passaram a reconhecer uma autoridade em si própria, e não apenas nos médicos, embora mantivessem a percepção de que os profissionais seriam superiores e possuiriam o poder de decisão sobre o tratamento. Problematizaram mais o modo como são atendidos e houve usuários que, mobilizados pelas discussões nos grupos, buscaram conversar com seus médicos, visando ajustes no uso de algum medicamento. Também fortaleceram suas participações enquanto militantes da saúde mental, ampliando espaços de atuação e/ou ampliando as próprias ações enquanto usuários sujeito- político de direito, que debate o tratamento e a instituição de que participa

Abstract: This research falls within the context of a multicenter study conducted in Centers for Psychosocial Care (CAPS) in three Brazilian cities, in the years 2009 and 2010, aiming to translate and adapt to the Brazilian culture the personal Guide for the Autonomous Medication Management (GAM), beyond testing this instrument developed in Canada. This instrument was drawn on the recognition of an uncritical use of medicines in mental health treatments, as well as the acceptance of the symbolic value of such medicines in the lives of the users of mental health services. The Guide recognizes the right to informed consent prior to the use of the medication and asserts the need of shared decisions between professionals and service users; therefore one of its goals is to provide information about medications (side effects, therapeutic doses, etc.). To evaluate its effects over the service users in relation with their treatment and their militant actions, the research proposed the utilization of this Guide through an Intervention Group composed of seven users of mental health services in Campinas, all of them with diagnostic of severe mental disorder and a personal history of political participation in the field of health. Our research included conducting fortnightly meetings, focus groups and in-depth interviews, whose transcripts were transformed in narratives by extracting their argumentation nuclei. As a result, a change was identified in the critical judgment of these users, especially regarding the use of medication and the recognition of their rights as such. These users demonstrated improved knowledge about the medicines they take and why they do so, assimilating an authority in themselves, not just in their doctors, although keeping their perception that professionals would have superiority and the power to make decisions about treatment. The users questioned over how they are treated at the health services and some of them, driven by the group discussions, sought to talk to their doctors aiming adjustments in the use of particular medications. They also strengthened their holdings while militants in the mental health field, increasing the scope of intervention and / or expanding their own actions as 'users - political subjects' which discuss the treatment and the institution in which they participate
Subject: Saúde mental
Participação cidadã
Autonomia pessoal
Language: Português
Editor: [s.n.]
Citation: GONÇALVES, Laura Lamas Martins. A gestão autônoma da medicação numa experiência com usuários militantes da saúde mental. 2013. 256 p. Tese (Doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Médicas, Campinas, SP. Disponível em: <http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/311873>. Acesso em: 22 ago. 2018.
Date Issue: 2013
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Goncalves_LauraLamasMartins_D.pdf2.32 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.