Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/311491
Type: TESE
Degree Level: Doutorado
Title: Visão subnormal em escolas publicas : conhecimentos, opinião e conduta de professores e diretores do ensino fundamental
Author: Gasparetto, Maria Elisabete Rodrigues Freire, 1949-
Advisor: Kara-José, Newton, 1938-
Abstract: Resumo: Realizou-se estudo descritivo e analítico, tipo transversal com o objetivo de identificar os conhecimentos,opinião e conduta de professores e de diretores do ensino fundamental de escolas públicas do município de Campinas, frente à inclusão educacional do aluno portador de visão subnormal. Foram incluídas neste estudo 12 escolas municipais e 11 estaduais que, no ano de 1999, atuavam com alunos portadores de visão subnormal. Os instrumentosde coleta de dados continham questões estruturadas, desenvolvidas em estudo exploratório e teste prévio, aplicados em escolas de municípios vizinhos. Foi utilizado questionário auto - aplicável junto a 68 professores e, com 23 diretores foi utilizado questionário aplicado por entrevista. Em relação à auto-avaliação do conhecimento pedagógico dos professores para atuar junto ao aluno portador de visão subnormal, os resultados mostraram que 82,3% pouco ou nada conheciam. A maioria dos professores, 92,6%, não tinha formação específica na área da deficiência visual e somente 44,1% declaram ter recebido informações para atuar junto a estes alunos, embora todos tivessem manifestado o desejo de recebê-Ias, destacando-se aí o tema da ampliação dos materiais escolares. Quanto à conduta pedagógica do professor sobre a adaptação de materiais e alterações ambientais em sala de aula, observou-se significância com as variáveis: série escolar lecionada, obtenção de informações para atuar junto ao aluno, existência de recurso humano especializado na unidade e apoio da direção da escola. Verificou-se que 95,6% dos professores manifestaram que a ajuda do professor especializado é muito importante, mas, somente 55,9% dispõem deste profissional na sua unidade de ensino. A maioria revelou haver dificuldades para a inclusão educacional, apontando entre elas o próprio despreparo (92,7%) e as salas numerosas (83,6%). Os resultados mais significativos declarados pelos diretores revelaram que: segundo 78,3% havia nas escolas materiais didáticos específicos para atuar junto aos alunos portadores de visão subnormal e 74,0% receberam informações para a escola atuar junto a estes alunos. Em relação à ajuda do professor especializado, 95,7% dos diretores manifestaram ser muito importante, mas, somente 65,2% contavam com este profissional na sua unidade. Todos os diretores mencionaram o recebimento de literatura especializada como uma das necessidades para o professor atuar junto ao aluno portador de visão subnormal, tendo sido também apontados o programa de orientação continuada, cursos de curta duração e informações iniciais sobre este aluno. Verificou-se que 91,3% manifestaram-se favoráveis à liberação do professor no horário de trabalho para realizar estas atividades. Os diretores reconheceram haver dificuldades no processo inclusivo (82,6%), apontando como causas principais o despreparo do professor, a ausência de recursos humanos especializados e de materiais específicos. Concluiu-se que para garantir a efetiva inclusão educacional serão necessárias medidas como o estabelecimento de programas de capacitação do professor do sistema regular de ensino, o provimento de recursos materiais específicos e tecnológicos às escolas e aos alunos e o encaminhamento de relatórios oftalmológicos aos professores sobre os alunos portadores de visão subnormal. Recomenda-se como sugestão, o desenvolvimento de uma ampla ação conjunta entre os profissionais da área da saúde e da educação, dos órgãos governamentais competentes, bem como, dos portadores de visão subnormal com seus familiares

Abstract: A descriptive and analytical work, cross type, was conducted aiming to uncover the knowledge, concept and behavior of teachers and directors of the fundamental at public schools in the country of Campinas/SP/Brazil, regarding educational inclusion of the low vision student. The schools abridged were 12 under country and 11 state administration having low vision included students. Data coIlection instruments were made of structured questions developed from an exploratory study and previous test applied questionnaire was used with 68 teachers and, with 23 directors, an interview questionnaire. Regarding teacher' s self evaluation of pedagogical knowledge to work with the low vision student, results showed that 83,3% ofthem knew little or even nothing. Most ofthem, 92,6% had no specific information on visual deficiency and only 44,1% declared having information about how to work with that kind of students but all demonstrated the need of such information's, mainly about amplified material. About pedagogical aptitude on adaptation of materials and environrnent in the classroom it was observed significance with the variables: leveI teached, availabilityof information to work with the student, special teacher at the school and administration support. It was verified that 95,6% ofthe teachers declared as very important the contribution ofthe specialized teacher but only 55,9% had this person at their schools. Most of them declared that inclusion is difficult and main causes are, for 92,7% of them, they own lack of adequate training and too large class for 83,6%. Most significant results, as declared by 78,3% of directors, are that schools have adequate teaching materials and 74,0% of them have received information's to help the work with the low vision student. Regarding the work of specializedteachers, 95,7% of directors said it is important but 65,2% had that professional at their schools alI directors declared that the main support for the regular class teacher is the availability of specialized literature, program of continuous orientation, short courses and information about the low vision students in the c1ass.Also, 91,3% of the directors agreed to allow some free time for their professors for training. Directors (82,6%) recognized that inclusion is a difficult process and indicated the shortage of specialized human resources and specific materials. As a conclusion, in order to guarantee effective educational inclusion it wiIl be necessary to establish training programs about low vision students for teachers of the regular class, to provide the necessary support teaching materials and to address the ophthalmological reports of the students to the school. As suggestions it is recommended to develop an ample action involving professional of health and educational areas, proper public organisms as well as low vision subjects and their families
Subject: Deficientes visuais
Integração escolar
Oftalmologia - Pesquisa
Educação
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2001
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Gasparetto_MariaElisabeteRodriguesFreire_D.pdf29.63 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.