Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/311165
Type: TESE
Title: Mortalidade evitavel do adulto : desigualdades socio-espaciais no municipio de São Paulo
Author: Drumond Junior, Marcos
Advisor: Barros, Marilisa Berti de Azevedo, 1948-
Abstract: Resumo: A mortalidade evitável do adulto tem sido muito estudada nos países centrais. Na Europa, estudos tem mostrado o aumento das desigualdades sociais desta mortalidade segundo classes sociais. Nos países periféricos, apesar do crescimento da proporção de mortes de adultos, são observadas lacunas importantes no seu estudo. No Município de São Paulo esta mortalidade apresenta altos níveis e tendência crescente. Este trabalho tem como objetivo o estudo da distribuição e determinantes desta mortalidade enfatizando sua evitabilidade e as desigualdades sociais na sua geração e manutenção. Os determinantes da mortalidade e sua relação com a industrialização e a urbanização são discutidos. São analisados estes processos no Município de São Paulo enfatizando a organização do seu espaço urbano e as consequências nas condições de vida, adoecimento e morte da população em conjuntura recente, em especial na década de 80, que se caracteriza pelo aumento da concentração de renda e das desigualdades sociais. Utiliza-se a faixa etária potencialmente ativa entre 15 e 64 anos, discutindo sua relação com a reprodução social. São discutidos os conceitos de desigualdades e iniquidades sociais e sua relação com a ética pública. O espaço urbano é utilizado como categoria analítica operacionalizada através da variável contextual área sócio-ambiental homogênea discutindo seus limites e potencialidades. Opta-se pelo uso de indicadores que estimem os diferenciais em relação a outros locais e numa comparação das desigualdades sócioespaciais intra-municipais. Busca-se relacionar as causas de morte estudadas com blocos de determinação relativos à qualidade da assistência à saúde, aos estilos de vida e comportamento, aos aspectos ambientais urbanos e às condições econômicas e sociais de vida da população. Nos resultados empíricos observa-se que as tendências de aumento dos coeficientes no sexo masculino e queda discreta no feminino são diferentes do comportamento da mortalidade nas outras faixas etárias e mostram que o aumento dos riscos ocorre principalmente pela aids e homicídios e que apenas as doenças cereqrovasculares e as doenças da circulação pulmonar e outras formas de doenças do coração apresentam queda consistente em ambos os sexos. Comparações com outros países ressaltam os altos níveis da mortalidade do adulto no município em todos os grupos de causas de morte. Na comparação com a cidade de Nova Iorque sobressaem os altos índices em São Paulo decorrentes de causas de mortes relacionadas a aspectos ambientais urbanos e à qualidade da assistência à saúde. Nas comparações intra-municipais encontra-se que, para a maioria das causas de morte analisadas, os diferenciais ocorrem em prejuízo das populações vivendo em áreas de piores condições sócio-ambientais e que os diferenciais foram mais pronunciados no sexo feminino. Nas causas em que os riscos foram maiores em áreas de melhores condições sócio-ambientais, observa-se uma coerência com a comparação com a cidade de Nova Iorque. O padrão da mortalidade do adulto no Município de São Paulo mostra características de superposição e polarização epidemiológica com forte componente de doenças crônicas não transmissíveis e as decorrentes de violências. São discutidos alguns blocos de determinantes em nível coletivo, ressaltando aspectos das condições de vida e desigualdades sociais nos padrões de consumo e comportamento, nos riscos do ambiente urbano, na miséria e na exclusão social. Por fim discute-se a necessidade de transformação dos modelos de desenvolvimento e gestão do país e da cidade com o deslocamento da ênfase para as questões sociais excluídas na nova ordem mundial

Abstract: Preventable adult mortality has been intensely studied in developed countries. In Europe, studies have shown an increase in social inequalities of this mortality according to social class. Despite the increase in adult mortality rates, in peripheral countries, these studies disregard important aspects. In São Paulo City, this mortality rate reaches high levels and is on the increase. The aim of this study is to analyze the distribution and the determining causes of adult mortality, emphasizing the preventability of causes of death and socialspatial inequalities that contribute to its maintenance. Determining features of this mortality are discussed, as well as their relation to industrialization and urbanization. The analysis looks at how these processes are at work in São Paulo City; it focuses on the organization of the urban space and the consequences to conditions of life, illness and death of the population, especially in the 80's, that was characterized by an increase in income concentration and social inequalities. The potential active age range between 15 and 64 years is used and its relation to social reproduction is discussed. The concepts of social inequality and iniquities are discussed, as well as the relation of the latter to public ethics. Urban space is used as an analytical category and homogenous social-environmental areas are used as contextual variables. Their limits and potentials are also discussed. lndicators that estimate the differentials in relation to other areas and make comparisons between urban areas inside the city are employed. Death causes are studied in determination groups relative to health care quality, life and behavior styles, urban environmental aspects and life and social-economic conditions of the population. The empirical results show that the tendencies in the increase in male rates and the discrete decrease in female rates are in contradiction to the overall tendency shown by the mortality of other ages. Results show increased rates, especially due to AIDS and homicides, and a consistent tendency of decrease only due to cerebrovascular and pulmonary circulatory and other heart diseases in both sexes. Comparisons with other countries stress the high leveI of adult mortality in the city in ali groups ofdeath causes. When compared to New York City, São Paulo City projects high levels by causes of death relative to urban environmental and health care quality. The intra-urban comparisons reveal that, in the majority of cases of death causes, the differentials shown are always against the population living in the worst social-environmental are as and these differentials are marked for females. Causes of death in which the rates was greater in the better social-environrnental areas show a compatibility with data from New York City. Adult mortality patterns in São Paulo City show characteristics of simultaneus high incidence of several types of diseaes and epidemiological polarization in social groups with a strong component of chronic non-transmissible diseases and those caused by urban violence. Some determinant groups are discussed at social group level, focusing on aspects of life conditions and social inequalities in patterns of consumption and behavior, in urban environmental risks, in poverty and social exclusion. Finally, the need for a change in the models of development and management of the country and of the city itself is discussed, especially since there has been a shift in the emphasis towards social issues that have been excluded by the present world order
Subject: Epidemiologia
Espaços públicos
Saúde pública
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 1996
Appears in Collections:FCM - Dissertação e Tese

Files in This Item:
File SizeFormat 
DrumondJunior_Marcos_M.pdf4.8 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.