Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/310702
Type: DISSERTAÇÃO
Degree Level: Mestrado
Title: Efeitos da rosiglitazona sobre marcadores de risco cardiovascular e função da celula beta em diabeticos tipo 2 virgens de tratamento
Title Alternative: Rosiglitazone effects on cardiovascular risk markers and beta cell function in drug naive type 2 diabetic patients
Author: Murro, Ada Leticia Barbosa
Advisor: Tambascia, Marcos Antonio, 1948-
Abstract: Resumo: A principal causa de mortalidade entre os portadores de Diabetes tipo 2 é a doença cardiovascular. Estudos têm cada vez mais procurado alterações inerentes ao diabetes tipo 2 que justifiquem a maior incidência de doença cardiovascular nesse grupo. A presença de resistência à insulina, redução de adiponectina, aumento de PCR, disfunção endotelial e aumento de PAI-1 são candidatos possivelmente relacionados a esse aumento. A redução da resistência à insulina com uso de tiazolidinedionas, entre elas a rosiglitazona, tem potencial de reduzir o risco cardiovascular em diabéticos tipo 2, uma vez que altera citocinas relacionadas a risco cardiovascular de forma positiva. O objetivo desse estudo é avaliar o efeito clínico e laboratorial (sensibilidade à insulina, função de célula ß, lípides, PCR, adiponectina, resistina e PAI-1) e o efeito sobre a espessura da íntima-média carotídea da administração, por 12 semanas, de 8mg de rosiglitazona ao dia, em pacientes diabéticos tipo 2 virgens de tratamento anti-diabético, atendidos no Ambulatório de Diabetes Mellitus tipo 2, do Hospital das Clínicas da Faculdade de Ciências Médicas da UNICAMP. Os pacientes foram submetidos a uma avaliação inicial com dosagem de glicemia, hemoglobina glicada, insulinemia, colesterol total, HDL, LDL, triglicérides, ácidos graxos livres, AST, ALT, adiponectina, resistina, PAI-1, PCR, ácido úrico e fibrinogênio, após jejum de 12 horas. A sensibilidade à insulina e a função de célula ß foram avaliadas pela fórmula matemática do HOMA e a espessura da íntima média carotídea foi avaliada pelo ultrassom doppler. Os pacientes iniciavam o uso de Rosiglitazona na dose de 8 mg/dia dividida em duas tomadas diárias. Após 12 semanas de tratamento todas as avaliações foram novamente realizadas. Para a análise estatística foi realizado o teste de Wilcoxon para estudar as variações pré e pós Rosiglitazona e o coeficiente de correlação de Spearman. O nível de significância adotado foi de 5 % (p<0,05). Dos 15 pacientes inicialmente incluídos, 13 completaram o tratamento. Houve redução estatisticamente significante dos níveis de PCR, ácido úrico e aumento de adiponectina. Houve redução de HOMA IR e resistina, não estatisticamente significante e aumento do HOMA ß A análise das correlações possíveis mostrou relação inversa entre HOMA ß e ácidos graxos livres. Não houve alteração significante da espessura da íntima-média carotídea. O tratamento do Diabetes Mellitus com rosiglitazona tem potencial de reduzir o risco cardiovascular à medida que reduz marcadores de risco, como a PCR, e aumenta a adiponectina. Apesar de não ter sido estatisticamente significante, possivelmente devido ao tamanho da amostra, houve redução de 25% do valor médio da resistina, sugerindo uma relação entre resistina e resistência à insulina, controversa na literatura. Além da melhora da sensibilidade à insulina houve notável aumento do HOMA ß mostrando melhora da função da célula ß. Esse dado sugere que o tratamento com rosiglitazona desacelera a progressão da doença. A relação entre o aumento do HOMA ß e a redução dos ácidos graxos livres fala a favor da melhora da lipotoxicidade como um dos fatores de melhora da função da célula ß. Mais estudos populacionais de longa duração são necessários para comprovar o efeito da rosiglitazona sobre eventos cardiovasculares

Abstract: Cardiovascular disease is the major mortality cause among diabetic patients. Most studies are trying to find disturbances typical of diabetes that could explain the grater incidence of cardiovascular disease in this group. Insulin resistance, adiponectin reduction, CRP elevation, endothelial dysfunction and PAI-1 elevation are candidates possibly related to this prevalence. Reducing insulin resistance with thiazolidinediones, including rosiglitazone, probably reduces cardiovascular risk among type 2 diabetic patients once it alters cytokines related to cardiovascular risk in a positive manner. The aim of this study is to evaluate clinical and laboratorial effects (insulin sensitivity, lipids profile, ß-cell function, CRP, adiponectin, resistin and PAI-1) and the effects on carotid intima media thickness of 12 weeks use of rosiglitazone 4 mg BID for type 2 diabetic drug naïve patients currently assisted at Hospital das Clínicas da Faculdade de Ciências Médicas da UNICAMP Type 2 diabetes out-clinics. At the first visit we evaluated glycemia, glicated hemoglobin, insulin, total cholesterol, LDL, HDL, triglycerides, AST, ALT, free fatty acids, uric acid, PAI-1, fibrinogen, CRP, adiponectin and resistin after a twelve hours fasting. Insulin sensitivity and ß cell function were estimated using the HOMA model and intima media thickness was evaluated by a Doppler ultrasound. Patients started using Rosiglitazone 4 mg BID and after 12 weeks the same parameters were evaluated again. The statistical analyses used Wilcoxon test to study variations before and after rosiglitazone treatment and Spearman correlation coefficient. We considered p<0,05 as statistical significant. From the 15 patients included, 13 completed treatment. We observed a statistically significant reduction on CRP and acid uric levels and an adiponectin levels elevation. Non statistical significant HOMA IR and resistin reductions and HOMA ß improvement occurred. Correlations analyses showed negative correlation between HOMA ß and free fatty acids. It was observed no change in intima media thickness. Treating type 2 diabetes mellitus with rosiglitazone has a potencial to reduce cardiovascular risk once it reduces cardiovascular risk markers as CRP and increases adiponectin. Although is was no statistically significant, possibly due to sample size, there was a 25% reduction in medium resistin levels, suggesting relation between resistin and insulin resistance, still unproved in the literature. Besides the improvement in insulin sensitivity there was a notable increase in HOMA ß showing improvement in ßcell function. This data suggests that rosiglitazone treatment slows disease progression. Correlation between HOMA ß improvement and free fatty acid agrees with improvement in lipotoxicity as one factor that leeds to improvement in ß cell function. We need more long term epidemiological studies to attest rosiglitazone effect in cardiovascular events
Subject: Resistência à insulina
Tiazolidinedionas
Diabetes mellitus tipo 2
Síndrome X metabólica
Language: Português
Editor: [s.n.]
Citation: MURRO, Ada Leticia Barbosa. Efeitos da rosiglitazona sobre marcadores de risco cardiovascular e função da celula beta em diabeticos tipo 2 virgens de tratamento. 2007. 137 p. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciencias Medicas, Campinas, SP. Disponível em: <http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/310702>. Acesso em: 10 ago. 2018.
Date Issue: 2007
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Murro_AdaLeticiaBarbosa_M.pdf2.03 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.