Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/310582
Type: DISSERTAÇÃO
Degree Level: Mestrado
Title: Prevalencia da infecção tuberculosa em profissionais do Hospital de Clinicas da Universidade Estadual de Campinas
Author: Resende, Mariângela Ribeiro, 1966-
Advisor: Silva, Luiz Jacintho da, 1949-2013
Abstract: Resumo: O maior risco de infecção tuberculosa, no profissional da área de saúde tem sido evidenciado desde o início do século, mas a adoção de programas de avaliação e seguimento não tem se efetivado no Brasil. A avaliação da dimensão da infecção tuberculosa nestes profissionais é fundamental para a instituição de programas de seguimento. Os objetivos deste estudo foram: determinar a prevalência da infecção pelo Mycobacterium tubercuJosis num grupo de profissionais do Hospital de Clínicas da Universidade Estadual de Campinas; estimar o risco de infecção segundo o local de trabalho, tipo de ocupação e tempo de trabalho na área de saúde. Foram avaliados 202 indivíduos de três áreas, profissionais de unidades com alta taxa de internação de pacientes com tuberculose (72), funcionários da manutenção (42) e alunos no início do curso de auxiliar de enfermagem (88). Os indivíduos responderam a um questionário e foi aplicado o teste tuberculínico. A prevalência geral de infecção tuberculosa foi de 57,9%. No grupo das enfermarias, que tem elevada exposição à tuberculose, a taxa de tuberculose-infecção foi de 76,4% e, entre os funcionários da manutenção, de 61,9%, ambas superiores à da população geral na América Latina e Brasil. Entre os alunos do curso de auxiliar, a prevalência foi de 40,9%, justificada pela menor exposição ocupacional prévia. Os profissionais das enfermarias apresentaram risco estimado de infecção tuberculosa de 4,76 vezes, em relação aos alunos do curso de auxiliar (IC 95% 2,22<OR<9,92), e os funcionários da manutenção, de 2,35 vezes (IC 95% 1,04<OR<5,36). Não houve diferença entre grupos ocupacionais de uma mesma área de trabalho. O tempo total de trabalho relacionou-se à maior prevalência de infecção tuberculosa em funcionários com este tempo superior a 35 meses (p=0,022). Os resultados obtidos justificam um programa de seguimento dos profissionais da área de saúde, pois a prevalência de infecção tuberculosa foi superior à da população geral e relacionou-se à área atual e ao tempo de trabalho na área de saúde. Estudos prospectivos nacionais são necessários para a validação dos resultados apresentados e definição do risco anual de infecção

Abstract: The increased risk of tuberculosis infection among health care workers has been observed since early this century. However, of adequate control programs have not followed suit. The measurement of the extent of the problem andl of the risk is the first step for the widespread acceptance of such programs. The objectives were assess the prevalence of tuberculosis infection in health care workers of the Hospital das Clínicas da Unicamp (University Hospital of the State University oi Campinas). Quantify the association between tubefculosis infection and p1ace of work, occupational group and duration of activity in difIerent areas. A population of 202 individuais were studied in 3 difIerent areas: wards with high number of tuberculosis patients (72), maintenance workers (42) and students at the beginning of the practical nurse course (88). A questionnaire and a tuberculin, test was applied to all. The overall prevalence of tuberculosis infection was 57.9%. In wards with a high exposure to tuberculosis, the prevalence of tuberculosis-infection was 76.4%. In maintenance workers it was 61.9% In both groups it was higher than the general brazilian and 1atin americano Among the students of the practical nurse course, the prevalence was 40.9%, possibly due to a lower previous occupational exposure. The ward group showem a risk of tuberculosis infection 4.7 times higher that the students (OR=4.67; 2.22<OR<9.92), and maintenance workers had an estimated risk of 2.3 (OR=2.35; 1.04<OR<5.36). There was no difference between professional group working in the saple area. The time working in health-care was significantly associated to a positive tuberculin test when longer than 12 months (p=0.006). The total time of work has associated to higher prevalence oftuberculosis infection when longer than 35 months (p=0.022). The results justify a follow-up program' for health-care workers, because of a higher than expected prevalence of tuberculosis infection, associated with p1ace and duration of work. Further nation-wide prospective studies to validate the present results and to quantify the annual risk of infection are necessary
Subject: Trabalhadores
Hospitais universitários
Tuberculose
Teste tuberculinico
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 1996
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Resende_MariangelaRibeiro_M.pdf2.69 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.