Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/310464
Type: TESE
Degree Level: Mestrado
Title: Relação entre disfagia orofaríngea e aspectos clínicos em sujeitos pós acidente vascular cerebral avaliados ambulatorialmente
Title Alternative: Relationship between oral pharyngeal dysphagia and clinical aspects in after stroke outpatients evaluation
Author: Bray, Heloisa Toller, 1979-
Advisor: Mourão, Lucia Figueiredo, 1971-
Abstract: Resumo: A alteração na deglutição, em indivíduos após acidente vascular cerebral (AVC) é uma das sequelas mais encontradas e pode acarretar comprometimentos respiratórios, nutricionais, além de interferir negativamente no prazer em se alimentar, e na socialização. O presente estudo objetivou relacionar a disfagia orofaríngea e os aspectos clínicos, em sujeitos pós AVC, avaliados ambulatorialmente.Trata-se de um estudo transversal quantitativo com 38 sujeitos. Foram analisados os aspectos clínicos: comorbidades, número de AVC, queixas relacionadas às fases da deglutição, grau de severidade da disfagia (SD), funcionalidade da deglutição por meio da Functional Oral IntakeScale (FOIS) e, aspectos da avaliação videoendoscópica da deglutição (presença de estases, penetrações e aspirações laríngeas). Os sujeitos foram atendidos no ambulatório de Otorrinolaringologia /Disfagia do Hospital das Clínicas da Universidade Estadual de Campinas. Dentre os 38 sujeitos, 24, eram do gênero masculino, com mediana de idade de 63 anos e 14 do gênero feminino, com mediana de idade de 63 anos. Destes, 31 eram hipertensos e 14 diabéticos. O número de pacientes com AVC, se único ou múltiplo, foi respectivamente 26 e 12. O tempo de avaliação pós AVC foi de 1 a 12 meses. No estudo foi observado maior número de queixas de fase oral (FO) do que de fase faríngea (FF) (p=0,015). Na avaliação da deglutição, os sujeitos apresentaram FOIS nos níveis 1 (7,89%), 5 (84,21%) e 7 (7,89%). O grau da disfagia foi ausente em 15,78%, leve em 39,47%, moderado em 31,57% e grave em 13,15%. Foram observadas penetrações laríngeas de alimento em 34,21% e aspirações laríngeas em 7,89% por meio das videoendoscopias da deglutição (VEDs) realizadas. Houve correlação estatística positiva entre presença de estase e presença de clareamento, em todas as consistências analisadas. Também foi observada correlação positiva entre SD e penetração (p=<0,0001). Conclui-se que, 84% dos sujeitos após AVC, apresentaram algum grau de disfagia, no presente estudo. Não foram observadas correlações entre os parâmetros da deglutição estudados com os aspectos clínicos, porém evidenciou-se tendência dos sujeitos com maior tempo de AVC apresentarem maior severidade da disfagia (p=0,0501). Há a necessidade de avaliações da deglutição, a longo prazo, de todos os sujeitos pós-AVC, em virtude da manutenção da disfagia e do comprometimento na funcionalidade da ingestão oral. Também, concluí-se que a metodologia de avaliação da deglutição nos pacientes após AVC deve incluir necessariamente o teste de todas as consistências alimentares, por meio de exame objetivo, principalmente das consistências sólidas, pastosas e líquidas

Abstract: The swallowing alteration in patients after stroke (AVC) is one of the most frequent sequels found and can cause respiratory diseases, nutritional injury, beyond negatively interfere in the pleasure of eating and in the socialization.The present study aimed to relationship oral pharyngeal dysphagia and clinical aspects in after stroke outpatients evaluation. Was made transversal study with 38 patients. Was analysed the clinical aspects: comorbidities, number of strokes, the phases of swallowing complaints, degree of severity of dysphagia (SD), functionality of swallowing by Functional Oral Intake Scale (FOIS) and aspects of endoscopic evaluation of swallowing (presence of stasis, penetration laryngeal and aspiration). These patients were treated at the Otolaryngology-dysphagia clinic of the University Hopital-Unicamp. Among of 38 patients, 24 were male gender, with median age of 63 years and 14 female gender with a median age of 63 years. From these 31 were hypertension and 14 mellitus diabetes. The number of strokes if single or multiple were respectively: 26 and 12. The evaluation time post stroke was 1 to 12 months. In the study was observed largest number of oral phase complaints (FO) than in relation to the pharyngeal phase (PF) with (p = 0.0150). In the swallowing evaluation the patients presented FOIS in the level 1 (7.89%), 5 (84.21%) and 7 (7.89%). The degree of dysphagia was: absent in 15.78%, mild in 39.47%, moderate in 31.57% and severe in the 13.15%. Were observed penetrations in 34.21% and aspirations in the 7.89% in VED were made. There was statistical correlation between stasis and clearing and clearing in all analyzed consistencies. It was also observed positive correlation between SD and penetration (p=<0.0001). It was concluded that 84% of the subjects after stroke, some degree of dysphagia exhibited, in this study.There were no correlations between the parameters of swallowing studied with clinical evaluation but showed a tendency of subjects with a longer stroke have a higher severity of dysphagia (p = 0.0501). There was the need for evaluation of swallowing the long-term, all subjects after stroke, in view of maintenance of dysphagia and compromise the functionality of the oral intake. Also, it was concluded that the methodology of evaluation of swallowing in patients after stroke should necessarily include testing of all food consistencies, through objective examination of consistencies mostly solid, pasty and liquid
Subject: Transtornos de deglutição
Acidente vascular cerebral
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2012
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Bray_HeloisaToller_M.pdf2.04 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.