Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/310148
Type: TESE
Title: Determinação da frequencia alelica de tres polimorfismos da região promotora do gene da proteina C
Author: Mendes, Christiane Patricia de Oliveira
Advisor: Annichino-Bizzacchi, Joyce Maria, 1957-
Abstract: Resumo: A cascata da coagulação sanguínea humana, em condições normais, é regulada por vários mecanismos naturais de anticoagulação. Entre esses mecanismos está a chamada Via da Proteína c (PC) Anticoagulante. A PC é uma proteína hepática dependente da vitamina K, que, quando ativada, exerce uma potente atividade anticoagulante e pró-fibrinolítica. Os pacientes com deficiência de PC apresentam quadro clínico caracterizado por fenômenos tromboembólicos Apenas 2-5% dos pacientes com trombose venosa apresentam deficiência de Pc. Contudo, devido à importância desse anticoagulante natural, a diminuição de sua concentração, mesmo que ainda dentro dos limites da normalidade, talvez possa ser um fator de risco a mais, que contribua para a trombose nesses pacientes. Recentemente foram descritos três polimorfismos na região promotora do gene da PC; um polimorfismo C/T, na posição -1654 e um polimorfismo A/G, : um polimorfismo na posição 1641 A/T, na posição -1476 (REITSMA, 1993). A análise desses três polimorfismos, em 24 famílias normais da Holanda, demonstrou que os três haplótipos mais freqüentes eram CAA, CGT e T AA, e representavam 88% dos casos. Segundo os autores os polimorfismos CGT e T AA tinham relação com a concentração da atividade plasmática de PC, na qual o genótipo CGT está associado a um risco elevado de trombose venosa, uma vez que foi mais freqüente nos indivíduos com trombose (risco relativo associado a doença de 1.9 ou OR de 1.9) frente ao genótipo T AA (OR de 1.6). Neste trabalho determinamos a freqüência destes 3 polimorfismos em três grupos étnicos da população brasileira (caucasóide, negróide e indígena), e em pacientes com trombose venosa mas sem deficiência congênita de Pc. Analisamos se em nossa população havia uma correlação entre o genótipo e a concentração da atividade de PC, ou se algum dos genótipos estava associado ao risco de trombose. A população indígena foi constituída por 87 indivíduos. Observou-se uma maior freqüência de homozigotos nos três genótipos estudados (CC - 52,9%; GG - 54% e AA 70,1 %), que também se manteve na análise considerando os três genótipos, simultaneamente (CC/GG/ AA -21,8%). Tal resultado leva-nos crer que os índios brasileiros estudados no presente trabalho ainda não sofreram folie influência da miscigenação, bastante comum em nosso país. Esse grupo indígena tem sua tribo em localização razoavelmente isolada do convívio do homem civilizado, o que resulta na pouca variação genômica (baixo fluxo gênico). A população de doadores caucasóide e negróide foi constituída por 216 homens e 50 mulheres. A população caucasóide foi constituída por 188 indivíduos (147 homens e 41 mulheres) e a negróide por 78 indivíduos (69 homens e 9 mulheres). Quando esses grupos foram analisados em conjunto, observou-se uma maior freqüência de heterozigotos nos 3 polimorfismos (CT 59,4% e AG - 59,4%; AT-70,7%). A análise conjunta dos 3 polimorfismos revelou uma predominância do genótipo heterozigoto (CT/AG/AT - 27,4%). Isto sugere um elevado fluxo gênico, o que é esperado, visto a alta taxa de miscigenação em nossa população. A freqüência dos polimorfismos na raça caucasóide foi CT-57%, AG-59%; e AT-64%; e na raça negróide CT -65%, AG-60% e A T -77%. A conjugação dos 3 polimorfismos mostrou que na raça caucasóide houve predominância do genótipo CT/AG/AT (28,3%) assim como na raça negróide (30,1 %). Sendo que as populações caucasóide e negróide não apresentaram diferença significativa. A dosagem da atividade de PC na população de doadores variou de 70 a 150%, com uma média de 102%. Contudo, não se evidenciou nenhuma relação entre os níveis de PC e os genótipos, exceto para o polimorfismo A/T, conforme descrito na população holandesa. Também, o genótipo CC/GG/TT, associado a níveis diminuídos de PC naquela população foi praticamente nulo (menor que 1%) em nossa população de brasileira, não permitindo qualquer análise. A média da atividade de PC dos 2 genótipos mais freqüentes (CT/AG/AT e CC/AG/AT) na população de doadores caucasóide e holandesa foi semelhante (p=0,039). Verificou-se nos doadores uma diferença significativa nos níveis de PC no polimorfismo 3, entre AA e A T com uma concentração da atividade de 108% e 99% (p=O, 015), respectivamente, associada a homozigose CC, que também mostrou uma diferença significativa entre CC/ AA e CC/AT com uma concentração da atividade de 112.76% e 99.96% (p=0,004), respectivamente). Isto poderia sugerir que o polimorfismo AT em homozigose para o C influencia na diferença dos níveis de PC, em relação ao polimorfismo 3. Como os resultados na população holandesa são opostos aos nossos, pois aqueles indivíduos com o genótipo CC/ A T exibem níveis de PC mais elevados, não permitem que se faça qualquer afirmativa com segurança. Na população com trombose, houve predominância do sexo feminino, sendo 35 homens e 88 mulheres. Quanto à raça, também houve uma predominância de indivíduos caucasóides (n=108) sobre os negróides (n=15). Verificou-se uma maior freqüência de heterozigosidade dos 3 Polimorfismos (CT-65,5%; AG-54% e AT-55,5%), assim como do genótipo heterozigoto (CT/AG/AT-21,1%). Mesmo quando os pacientes foram separados por raça, também verificou-se um maior índice de heterozigozidade, sendo CT -64%;e AG-52,3% e A T -54% no caucasóides e, CT -75%; AG-66,7% e A T - 77,7% nos negróides. Sendo que as populações caucasóide e negróide não apresentaram diferença significativa. o polimorfismo 2 em homozigose para o A foi significativamente mais freqüente na população com trombose (46%), quando comparada à população de doadores (24.4%) (p=0.005). Tais dados sugerem que o genótipo AA é um fator de risco para trombose (aR 1.93, 95% CI, 1.11 a 3.24). Contudo, em nossa população esse genótipo não está associado a níveis Por outro lado, o haplótipo CGT, considerado um fator de risco para trombose nos pacientes holandeses, foi encontrado em apenas 1 % dos nossos pacientes. Apesar de serem 2 populações diferentes, caso esse genótipo fosse um fator de risco, esperaríamos uma maior freqüência em nossos pacientes, assim como verificamos um aumento da prevalência de outras alterações genéticas associadas à trombose, como o fator V de Leiden, a mutação da protrombina e a mutação no gene da metilenotetrahidrofolatoredutase. A freqüência dos genótipos com maior e menor concentração da atividade de PC não é diferente entre doadores e pacientes com trombose, sugerindo que esses polimorfismos parecem não estar diretamente ligados ao risco de trombose. Portanto, nossos resultados demostraram que em nossa população, tanto de doadores como de pacientes com trombose, esses 3 polimorfismos praticamente não estão associados com os níveis de atividade plasmática de PC. Esses resultados mais uma vez ilustram a grande diversidade genética, nas populações humanas, mesmo entre grupos étnicos semelhantes, apontando para a importância de se analisar individualmente cada população, para que as conclusões possam ser bem fundamentadas

Abstract: Protein C (PC) is one of the major inhibitors of blood coagulation. After activation by thrombin-thrombomodulin complex in the endothelium, PC inhibites activated factors V and VIII. It also exerts a profibrinolytic activity, trough neutralization of plasminogen activator inhibitor-l (PAI-I). PC deficiency is associated with clinical thromboembolic disease. The incidence of PC deficiency in patients with thrombosis is 2-5%. However, since the physiological significance of the PC anticoagulant activity, a decreased plasmatic concentration, even in the normal range, could be a factor contributing for thrombosis in patients without a congenital PC deficiency. Recently, Spek et aI (1993) described 3 polymorphisms in the promoter region of PC gene: AlT in the position 1476; C/T in the position 1654 and AlG in the position 1641. The genotypic variation of these polymorphisms were associated with plasma PC levels and thrombotic risk (Spek et aI 1995). We determined the frequency of these polymorphisms in 3 ethinic groups of the Brazilian population (caucasian, black and indian) and in patients with thrombosis disease, without PC deficieI1cy. We also verified ifthere is an association between genotype and PC concentration, and with thrombotic risk. The indian group comprised 87 individuais. Homozigosity was prevalent in all polymorphisms (CC-52.9%, GG-54% and AA-70.1%) and in the genotype (CC/GG/AA-21.8%). These results suggest that this group was not miscegeneous, a finding very common in Brazilian population, probably because the tribe of these indians is isolated from the civilization. Caucasian and black population comprised 216 men and 50 women; there was 188 Caucasians (147 men and 41 women) and 78 Blacks (69 men and 9 women). Heterozigous polymorphism was more frequent in caucasian and black, as well as complete heterozygote CT/AG/AT (26.1% and 30.1%, respectively). Although before blood collection the individuaIs were selected only if untill the third ancestry were from the same origin, our results favour a high genetic flow. Mean PC activity levels in caucasian and blacks was 102%. However there was no correlation between the genotypic variation and PC concentration. IndividuaIs with the 2 more frequent genotype (CT/AG/AT and CC/AG/AT) had mean PC levels similar to that described in the Dutch study. There was a difference in mean PC levels in A/T polymorphism, between AA and A T (p=0.015), that also was significative between CC/AA and CC/AT (p=0.004). This could suggest that the first polymorphism homozigous for C influence the difference in PC concentration related to A/T polymorphism. However, in the Dutch population the results are in opposite, since the individuaIs with CC/ A T genotype showed increased PC levels. Thrombotic population comprised 35 men and 88 women, 108 caucasian and 15 black. The complete heterozigous CT/AG/AT was the more frequent genotype (21-1%), and not differ from the black and caucasian population. Even when they were separated according to the race, there was no difference between the frequency in the groups. When the polymorphisms were analysed individually, the second polymorphism homozigous for A was significantly more frequent in caucasian patients with thrombosis related to the caucasian normal population (p=0.005). To ascertain whether this polymorphism genotype was associated with a higher risk for thrombosis, we compare the number of patients and control caucasian subjects with the AA and ATor TT genotypes. The results indicated that having the AA genotype yields an OR of 1.93 (95% CI, 1.11 to 3.24) compared to the other genotypes. However, AA genotype is not associated with decrease in PC levels. Indeed, this finding was not verified in Dutch population. On the other hand, in Dutch study a clear correlation between PC promoter genotype and PC plasma levels was found; individuaIs with CGT haplotype exibited a PC activity 22% lower than individuaIs with T AA haplotype. They also considered CGT haplotype a risk factor for thrombosis. Although Brazilian and Dutch populations, we should expected that CGT genotype being a risk factor for thrombosis was more prevalent in our population, like factor V Leiden, variant prothrombin gene and methylene tetrahydrofolate reductase mutation, wich were increased in our and in Europe thrombotic patients, In conclusion, our results demonstrated that in our population these polymorphisms were not related to PC concentration. It is also important to point out the great genetic variety in human populations, even in the same ethynic groups, rising the 'importance to analyse individually each population
Subject: Proteínas
Polimorfismo (Genética)
Trombose
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 1997
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Mendes_ChristianePatriciadeOliveira_M.pdf3.66 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.