Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/310086
Type: DISSERTAÇÃO
Degree Level: Universidade Estadual de Campi
Title: Implicações da abordagem fisioterapeutica do tratamento da osteoartrite de joelho sobre a resposta subaguda da pressão arterial
Title Alternative: Implications of physiotherapy approach for the treatment of knee osteoarthritis on subacute response of blood pressure
Author: Gonçalves, Kamila Shelry de Freitas, 1982-
Advisor: Lamas, Jose Luiz Tatagiba, 1959-
Abstract: Resumo: A osteoartrite é uma das principais causas de incapacidade e dores crônicas graves afetando, principalmente, indivíduos de meia-idade e idosos. O joelho é acometido em 10% dos casos. O sexo feminino e índice de massa corpórea (IMC) contribuem para a presença da osteoartrite. A incapacidade ocasionada por ela leva ao sedentarismo, que é um fator de risco para doenças cardiovasculares, tal como a hipertensão arterial. Esta afeta 30% da população mundial adulta e de 15 a 20% da população brasileira. Diante disso, muitos dos pacientes que são encaminhados ao tratamento fisioterapêutico da osteoartrite de joelhos também são hipertensos. Existem trabalhos que mostram a importância dos exercícios aeróbicos e/ou resistidos no controle ou como adjuvante ao tratamento farmacológico da hipertensão. Entretanto, apesar destes mesmos exercícios serem aplicados no tratamento fisioterapêutico da osteoartrite, não se conhece a influência dos exercícios resistidos terapêuticos aplicados no tratamento da osteoartrite de joelhos sobre a pressão arterial (PA) de hipertensos, o que justifica a realização deste estudo. Assim, questionam-se quais os efeitos que a fisioterapia aplicada no tratamento da osteoartrite de joelhos pode causar na PA de indivíduos hipertensos e normotensos, durante e após a sessão de fisioterapia. O objetivo deste estudo, inserido na linha de pesquisa Processo de Cuidar em Saúde e Enfermagem, foi comparar os valores de PA obtidos durante e após uma sessão de fisioterapia. Os sujeitos foram divididos em dois grupos pareados pela idade: grupo controle, composto por indivíduos normotensos sem osteoartrite de joelhos, e experimental, composto por hipertensos com osteoartrite de joelhos atendidos em um hospital universitário do interior de São Paulo. Estes foram selecionados com base no Índice algofuncional de Lequesne e avaliados por meio de instrumento de caracterização sociodemográfica e clínica e por uma avaliação fisioterapêutica. A PA foi aferida antes, durante e após a fisioterapia, totalizando duas horas. O intervalo entre medidas foi de cinco minutos antes da sessão e 20 minutos após o início da mesma. O tratamento estatístico dos dados foi realizado por meio do teste Qui-quadrado e exato de Fischer, teste de Mann-Whitney, teste de Kruskal-Wallis e ANOVA para medidas repetidas, seguida do teste de comparação múltipla de Tukey, para comparar os grupos em cada momento e o teste de perfil por contraste para analisar a evolução entre as medidas em cada grupo (p < 0,05). Observou-se que o sexo feminino correspondeu a mais de 90% dos sujeitos de ambos os grupos. A média das idades foi de 57,22 anos no grupo controle e 60,58 no grupo experimental. No grupo controle, 52,17% dos sujeitos tiveram IMC abaixo de 25, parâmetro que se mostrou dentro das faixas de obesidade em 69,23% dos sujeitos do grupo experimental. A PA, tanto sistólica quanto diastólica, manteve-se em tendência de elevação durante todo o período de coleta nos dois grupos. Conclui-se que os exercícios terapêuticos devem ser aplicados com cautela, pois apesar deles não serem contra-indicados para normotensos ou hipertensos, podem causar elevação nos níveis da PA, principalmente quando o exercício isométrico faz parte do tratamento fisioterapêutico.

Abstract: Osteoarthritis (OA) causes substantial pain and disability, especially among middle aged and elderly. The prevalence of knee OA is 10%. Risk factors of OA include female gender and elevated body mass index (BMI). OA is frequently associated with reports of physical disability. It reduces physical activity and increases the risk of cardiovascular diseases, like arterial hypertension (AH). AH affects 30% of world population and 15 to 20% of Brazilian population. Thus, many patients who are referred to physical therapy for OA of the knee are also hypertensive. There are studies that show the importance of aerobic and or strengthening exercises in control or as adjuvant to pharmacological treatment of AH. They can reduce blood pressure (BP). However, despite these exercises are applied in physical therapy for OA, their effects on AH are unknown. Therefore, we ask what are the effects of physical therapy on BP of hypertensive and normotensive subjects, during and after physical therapy sessions. The aim of this study, included in the research line Nursing and Health Caring Process, was to compare the BP values obtained, during and after a session of physical therapy. The subjects were divided into two paired by age groups: control group, composed of normotensive subjects without osteoarthritis of the knee, and experimental, composed of hypertensives with osteoarthritis of the knee treated at a universitary hospital of São Paulo state. They were selected using the Lequesne's algofunctional questionnaire and evaluated by a sociodemographic and clinical instrument and by physical therapy evaluation. BP was measured before, during and after physical therapy. The interval between consecutive measurements, was five minutes before the session and 20 minutes after the beginning of the session. Data were analyzed using the Chi-square and the Fischer exact test, Mann-Whitney test, Kruskal-Wallis and ANOVA for repeated measures followed by Tukey multiple comparison test, to compare the groups into each time and the contrast profile test to examine the evolution of the measures in each group (p< 0,05). More than 90% of subjects in both groups were female. Age (mean) was 57.22 years in control group and 60.58 in experimental group. In control group, 52.17% of the subjects were not obese (BMI < 25). In the experimental group, BMI was shown to be in the range of obesity in 69.23% of the subjects. BP, both systolic and diastolic, increased throughout the period of collection in both groups. In disagreement with previous studies about effects of physical therapy on blood pressure, our results showed that therapeutic exercises should be applied with caution, because although they are not contra-indicated for normotensive or hypertensive, may cause elevation in BP levels, especially when the isometric exercise is part of the protocol of physical therapy.
Subject: Fisioterapia (Especialidade)
Terapia por exercício
Osteoartrite
Joelho
Pressão arterial
Hipertensão
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2009
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Goncalves_KamilaShelrydeFreitas.pdf1.47 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.