Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/309915
Type: TESE
Degree Level: Doutorado
Title: Efeitos da ingestão oral de glicose sobre a excreção urinaria de eletrolitos e acidos em pacientes com hipertensão arterial essencial
Author: Berardi, Elza Olga Ana Muscelli, 1954-
Advisor: Gontijo, Jose Antonio Rocha, 1956-
Abstract: Resumo: Indivíduos normotensos (n = 18) e pacientes portadores de hipertensão arterial essencial (n = 1 7), sem doenças intercorrentes ou complicações crônicas da hipertensão arterial, tolerantes à sobrecarga oral de glicose pelos critérios da NDDG, com peso corporal Igual a ± 20% do Ideal, foram submetidos à ingestão de glicose elou água (20 ml/kg). O ensaio controle (hídrico) realizado após 12 h de jejum correspondeu à ingestão hídrica com reposição via oral horária de um volume de água, semelhante ao fluxo miccional durante o mesmo período. O estudo se estendeu por 6 h, nas quais foram medidas a pressão arterial e coletados sangue e urina para avaliar alguns parâmetros funcionais do nefro. Utilizando-se de protocolo experimental similar, foi realizado o ensaio glicose, com Ingestão oral de glicose (100g em solução a 22%). após período controle de 2 h. Durante os experimentos hídricos, em normotensos (NT) e em hipertensos (HT). permaneceram estáveis as concentrações de sódio, creatinina, glicose e Insulina plasmáticas, assim como a filtração glomerular (clearance de creatinina endógena). as cargas filtradas de sódio e potássio e a PAM. Foi promovida uma diurese aquosa com volumes similares nos dois grupos. Nos HT observou-se uma maior excreção de sódio no período controle (natriurese exacerbada), que diminuiu progressivamente nos períodos subseqüentes. A excreção urinária de ácidos (monofosfato ácido e amônia) aumentou discreta e continuamente. até o final do experimento. Após a Ingestão oral de glicose. o decréscimo da PAM foi significativamente maior nos HT, sem, entretanto, apresentar modificações significativas da filtração glomerular nos dois grupos estudados. As concentrações plasmáticas de creatinina, sódio, potássio. e as cargas filtradas de sódio e potássio não se modificaram no decorrer deste ensaio. Em 5 dos HT verificou-se a presença de elevados níveis insulinêmicos (HHI) durante todo o experimento, acompanhados por um aumento da glicemia aos 60 min após IOG. sugerindo resistência à Insulina neste subgrupo. Após IOG. ocorreu um a acentuada antinatriurese, com variações percentuais da FENa ao redor de -30% nos NT e HT, mantida durante todo o experimento neste último grupo. Concomitantemente observou-se uma maior excreção de acidez titulável e ácidos urinários não voláteis, mantida apenas por 120 minutos. A potassemia não apresentou qualquer modificação nos normotensos-hidricos, decrescendo nos hipertensos-hidricos e em NT e HT após glicose. A FEK diminuiu nos grupos que ingeriram glicose, sugerindo que a insulina e/ou glicose têm efeitos diretos ou indiretos sobre a secreção tubular distal de potássio. Os pacientes hiperinsulinêmicos apresentaram uma diminuição do CCr aos 60 min após 10G. sugerindo uma modificação hemodinâmica intra renal. A menor excreção urinária de potássio observada nestes pacientes pode ser indicativa de uma sensibilidade normal à ação Insulínica no manuseio renal do potássio. Os resultados deste trabalho apresentam um efeito da 10G sobre a reabsorção tubular de sódio. similar em NT e HT. embora neste último grupo tenha sido documentada hiperinsulinemia. Estes sugerem uma resistência tissular renal à ação antinatriurética da Insulina nos pacientes estudados. o que poderia contribuir para o desenvolvimento ou manutenção de elevados níveis pressóricos, através da retenção crônica de sódio. Os possíveis mecanismos envolvidos na antinatriurese, na anticarfurese e os sítios tubulares de ação da insulina, após glicose, são discutidos, assim como os mecanismos da natriurese exacerbada nos hipertensos após ingestão de água

Abstract: This study was conducted on 18 normotesive healthy subjetcs (NT) and on 17 essentlally hypertenslve (HT) patlents wlth dlastolic blood pressure above 95 mmHg, aged between twenty and forty five years old. Additional criteria for Inclusion In the study were 90 to 110% o, Ideal body welght according to the Metropolltan Llfe Insurance Tables, and a normal gfucose tolerance test. No patient or control was recelving any medicatlon. The studies wer.e performed in the morning, starting at 7:00 AM, after a overnlght fast, until 1 :00 PM. Imedlately after to empty his bladder, each subject ingested 20 ml of tap water/kg body weight and hourly volume similar to the diuresis. After a 2 h control period, an oral glucose tolerance test wlth a 100g glucose load was performed (GTT) on 15 normotensive (NG)- and on 15 hypertensive (HG). The control groups, 15 normotensive (NH) and 12 hypertensive (HH), received only tap water. Blood pressure was measured at 30 min Intervals. Urine aliquots were pooled at 1 hour Intervals and bfood samples were collected at 8:00, 9:30; 10:00; 10:30; 11 :00; 12:00 AM and 1 :00 PM. After oral gfucose ingestion (IOG), Insulin levels were signiflcantly higher In five of the 15 patients (hyperlnsullnemic hypertensive HHI) than in normotensive and in normoinsulinemic hypertensive (HNI). The maximum plasma glucose. at 60 min after IOG were slgnlflcantly hlgher In the HNI subgroup. There is no significant dirrerence between groups or significant changes in plasma levels of Na+. K+ and creatinine; In creatinine clearances and glomerular fIItratlon rate of Na + and K+. except In HHI. In this subgroup. a translent but significant decrease In creatlnlne clearance occurred at 60 min after 10G. followed by a significant fali of the glomerular filtration rate of K+ and Na+. After water load. it was observed a significant hlgher urinary sodium excretion (UNaV) In both hypertenslve groups. HH and HG, than in normotensives. On the other hand, a glucose ingestion induced a significant fall In UNaV and In fractlonal sodium excretion. similar in NG and HG. and In HHI and HNI. Also, a similar decrease In plasma K+ levels, and a similar antlkalluresis were observed in NG and HG groups, but a higher antlkalluresls was obtained In HHI subgroups. No significant differences were found between groups, neither between control and experimental periods for NH4 + urinaryexcretion. The urinary aeidity tritrable exeretion decreased slow and eon tinously in the control groups (NH and HH) and increased more in NG 1han In HG groups a1 60 min after glucose loading Ingestion. No significant correlations were found between plasma Insulin or glucose and frational sodium or potassium excretion. Since the oral glucose load has no effect on glomerular filtration rate, except in HHI. the antinatriuresis seem to be due an increase in tubular lon reabsorptlon. The tubular sltes involved In thls insulln actlons m ay be the proxlmal nephron segments and the tlck ascend Ing 11mb of Henle. The results of thls protocol may suggest a resistance in renal tissues to insulin actlon on natriuresis, but not to the effects on kalluresis
Subject: Hipertensão
Clínica médica
Language: Português
Editor: [s.n.]
Citation: BERARDI, Elza Olga Ana Muscelli. Efeitos da ingestão oral de glicose sobre a excreção urinaria de eletrolitos e acidos em pacientes com hipertensão arterial essencial. 1992. [161] f. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciencias Medicas, Campinas, SP. Disponível em: <http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/309915>. Acesso em: 13 jul. 2018.
Date Issue: 1992
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Berardi_ElzaOlgaAnaMuscelli_D.pdf3.16 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.