Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/309913
Type: TESE
Title: Estudo das complicações no tratamento das fraturas transtrocanterianas do fêmur utilizando pino deslizante extramedular com técnica minimamente invasiva, Sistema Minus
Title Alternative: Treatment of transtrochanteric fractures of the femur complications associated with the use of extramedullar slidind pin and minimally invasive Minus System techique
Author: Sawaia, Rogerio Naim, 1970-
Advisor: Belangero, William Dias, 1952-
Abstract: Resumo: INTRODUÇÃO: O tratamento cirúrgico das fraturas intertrocanterianas do fêmur ainda é motivo de estudo e controvérsias. As vantagens da utilização de técnicas minimamente invasivas para essas fraturas já despontam na literatura. O objetivo deste estudo foi avaliar as complicações da técnica minimamente invasiva que utiliza um implante e um instrumental desenvolvidos especificamente (Sistema Minus) para o tratamento dessas fraturas. CASUÍSTICA E MÉTODO: Foram estudados 172 pacientes com fratura intertrocanteriana do fêmur, tratados com o Sistema Minus, dos quais 52 pacientes foram excluídos do estudo por não terem preenchido os critérios de inclusão. No protocolo inicial foram registrados o gênero, a idade, detalhes operatórios como tempo cirúrgico, tempo de uso da fluoroscopia, qualidade da redução e da fixação da fratura. Como parâmetros clínicos foram incluídos a capacidade de marcha, dor, classificação da fratura segundo os critérios de Tronzo e o risco anestésico segundo a classificação de ASA. Dividimos as complicações em dois grupos. As complicações gerais, subdivididas em infecção e mortalidade e as complicações específicas, subdivididas em migração do implante, a perda da redução e a falta de união. Embora a migração do pino deslizante não seja considerada na literatura como uma complicação do DHS (Hrubna e Skotak, 2010)1, no presente estudo ela foi incluída. Cabendo salientar que foi considerada como migração, a impacção lateral da fratura sem a ocorrência de perda de redução. RESULTADOS: O gênero feminino ocorreu em 93 casos e obteve percentual de 77,5%, foi prevalente em relação ao masculino com 27 casos e 22,5%. A idade variou de 52 a 95 anos, com a média de 80,06 anos e desvio padrão de 7,87 anos. A média de idade do gênero masculino foi de 76,19 anos e desvio padrão de 8,321. O gênero feminino obteve a média de 81,18 anos com desvio padrão de 7,407. O tempo cirúrgico médio foi de 39,35 minutos, variando de 25 a 65 minutos. O tempo médio de radioscopia foi 1min7s, variando de 0,6 a 2 minutos e 3s. A redução foi considerada adequada em 92 casos (76,6%), quando obteve-se o alinhamento do eixo de carga, como valgo em 20 casos (16,6%) e como varo em oito casos (6,6%). O somatório médio do TAD (Tip Apex Distance) na incidência Ântero-posterior (AP) foi de 1,19cm, variando de 0,2 a 2,8cm; e no Perfil (P), de 1,14cm, variando de 0,3 a 2,52cm. Dos pacientes, 112 (93,3%) voltaram a andar e a dor pós-operatória em uma escala de 0 a 10, teve a média de 4,44. Dos 120 pacientes, 11 foram classificados como Tronzo I (9,1%), 24 como Tronzo II (20%), 58 como Tronzo III (48,3%), sete Tronzo III variante (5,8%) e 20 Tronzo IV (16,7%). As fraturas instáveis ocorreram em 85 (70,8%) pacientes, os quais 74 (61,6%) tinham idade superior a 75 anos. Já as fraturas estáveis em 35 (29,1%) pacientes, os quais 17 (14,1%) possuíam idade superior a 75 anos. Em relação ao risco anestésico, oito (6,6%) foram classificados como ASA I, 33 (27,5%) ASA II, 74 (61,6%) ASA III e cinco ASA IV (4,16%). Houve um caso de infecção (0,83%). Ocorreram 13 óbitos (10,8%) dentro do primeiro ano de pós-operatório. Desses, um (0,83%) foi classificado como Asa II, cinco (4,16%) como Asa III e sete (5,83%) Asa IV. Dos 85 pacientes com fraturas instáveis, 36 (30%) apresentaram complicações, como perda de redução em 7(5,88%) e migração do pino deslizante em 29 (24,1%). No grupo das 35 fraturas estáveis, as complicações ocorreram em 4 casos (3,33 %), sendo que a perda de redução ocorreu em um caso (0,83%) e a migração em 3 casos (2,5%). No total, a migração ocorreu em 33 casos (27,6%), sendo que desses, todos evoluíram para consolidação. A perda de redução ocorreu em oito (6,7%) e a falta de união, em um caso (0,83%). CONCLUSÃO: Concluímos que a técnica minimamente invasiva, Sistema Minus, é uma técnica segura, que permite a realização da cirurgia com baixa incidência de complicações, quando comparada aos demais métodos existentes

Abstract: INTRODUCTION: The surgical treatment of intertrochanteric fractures is still controversial, resulting in further studies. Many papers have appeared in reference to the advantages of minimal invasive procedures for these fractures. The aim of this study was to evaluate the complications of a minimal invasive procedure using a specific implant and instruments developed for the treatment of intertrochanteric fractures (Minus System). MATERIAL AND METHOD: One hundred and seventy two patients with intertrochanteric fractures of the femur were studied, and submitted to treatment with the Minus System. Fifty two patients were excluded from the study as they did not fulfil all criteria for inclusion. The initial protocol registered gender, age, operative details such as length of operation, length of fluoroscopy use, quality of reduction and fixation of the fracture. The clinical parameters considered included deambulatory ability, pain, Tronzo fracture classification and anesthesia risk according to ASA classification. Complications were divided into two groups: general complications (infection and mortality rate) and specific complications (implant migration, loss of reduction and non-union). Although the migration of a sliding nail has not been considered in the literature as a DHS complication (Hrubna e Skotak, 2010)1 RESULTS: There were 93 feminine cases (77.5%) prevailing on 27 masculine cases (22.5%). Age span was 52 to 95 years, with an average of 80.06 years (standard deviation of 7.87 years). The average age for men was 76.19 years with a standard deviation of 8.321. The average age for women was 81.18 years with a standard deviation of 7.407. The average operative length of time was 39.35 minutes (25 to 65 minutes). The average time of fluoroscopy was 1min 7sec (0.6 to 2min 3sec). Fracture reduction was considered adequate in 92 cases (76.6%), , in the present study it was taken into account. It is important to mention that migration here is the lateral impaction of the fracture without loss of reduction. when alignment with weight-bearing axis was obtained, valgus in 20 cases (16.6%) and varus in eight cases (6.6%). The average Tip Apex Distance (TAD) on an anteroposterior view was 1.19cm (variation of 0.2 to 2.52 cm) and lateral view was 1.14cm (variaton of 0.3 to 2.52cm). One hundred and twelve patients (93,3%) were able to walk with postoperative pain (average of 4.4 on a pain scale of 0 to 10). The classification of the 120 patients is as follows: 11 patients with Tronzo I (9,1%), 24 cases of Tronzo II (20%), 58 Tronzo III (48.3%), seven Tronzo III variant (5.8%) and 20 Tronzo IV (16.7%). Unstable fractures occured in 85 (70.8%) patients, and 74 (61.6%) were over 75 years of age. There were 35 stable fractures (29.1%), with 17 patients (14.1%) over 75 years of age. As to the anesthesia risk eight (6.6%) were classified as ASA I, 33 (27.5%) ASA II, 74 (61.6%) ASA III and five patients as ASA IV (4.16%). There was one case of infection (0.83%). During the first postoperative year there were 13 deaths (10.8%). Of these, one patient (0.83%) had been classified as ASA II, five (4.16%) as ASA III and seven (5.83%) as ASA IV. There were 36 patients (30%) with complications out of 85 patients with unstable fractures, with loss of reduction in seven (5.88%) and migration of the sliding nail in 29 (24.1%). In the group of 35 stable fractures there were complications in four cases (3.3 %), with loss of reduction in one case (0.83%) and migration in three (2.5%). The total number of migrations was 33 (27.5%), but resulted in union in all patients. The loss in reduction occurred in eight patients (6.7%) and non-union in one case (0.83%). CONCLUSION: The minimal invasive procedure, the Minus System, is a safe procedure, that provides adequate surgery with a low incidence of complications, when compared to other existing techniques
Subject: Fêmur - Fratura
Ortopedia
Cirurgia ortopédica
Dispositivos de fixação ortopédica
Procedimento cirurgico minimamente invasivo
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2011
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Sawaia_RogerioNaim_D.pdf9.58 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.