Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/309860
Type: TESE
Title: Compreensão ritmica dos membros : uma nova tecnica para o tratamento das ulceras isquemicas
Author: Parente, Jose Ben-Hur Ferraz
Advisor: Potério Filho, João, 1937-
Filho, João Poterio
Abstract: Resumo: Os vários tipos de tratamento de úlceras isquêmicas propostos anteriormente, cirúrgicos ou não, baseiam-se na necessidade de estabelecer-se maior pressão de perfusão e oferta adequada de oxigênio nos locais das lesões. A técnica ora proposta (CRM) utiliza a compressão externa, seqüencial, e rítmica do membro afetado gerando uma onda de pressão que caminha no sentido crânio-caudal, visando obter melhor perfusão na região distal do membro. Neste estudo objetivou-se avaliar se a pressão gerada pela CRM transmite-se para a rede arterial e a sua eficácia como método auxiliar na cicatrização de úlceras isquêmicas em indivíduos acometidos de esclerose sistêmica (ES) e de aterosclerose. A CRM foi aplicada no membro superior de 5 pacientes sem doença vascular (artéria radial) e na perna de 5 pacientes acometidos de aterosclerose (artéria poplítea) para efetuar-se a conferência invasiva intra-arterial, encontrando-se transmissão de 97,7% em média do valor da pressão aplicada externamente para a artéria radial e de 86,72% em média para a artéria poplítea. Uma série de 20 sessões de CRM foi aplicada em 15 pacientes acometidos de ES (24 úlceras) e em 15 pacientes com aterosclerose (15 úlceras ). As sessões duravam uma hora e foram efetuadas em caráter ambulatorial, três vezes por semana. A cicatrização das lesões ocorreu em 62,50% dos pacientes com ES e em 73,33% dos pacientes com aterosclerose. A dor no local das úlceras desapareceu entre a 5° e a 15° sessão e nos dois grupos estudados houve correlação com a evolução para a cicatrização. O seguimento desses pacientes foi efetuado aos 30, 60 e 90 dias após o término da CRM constatando-se 2 úlceras recidivadas em dois pacientes do subgrupo de ES aos 30 dias. Um paciente com úlcera não cicatrizada do subgrupo com aterosclerose evoluiu para amputação antes dos 30 dias e outro com úlcera cicatrizada faleceu de infarto do miocárdio entre 60 e 90 dias. Tanto as úlceras que estavam cicatrizadas como aquelas que estavam delimitadas na avaliação aos 30 dias permaneceram desta forma aos 60 e 90 dias. O tratamento com a CRM promoveu aceleração da cicatrização das úlceras e o desaparecimento da dor

Abstract: In this study our objective was to evaluate the efficacy of rhythmic limb compression (RLC ) as an auxiliary measure to aid in the healing of ischemic limb ulcers. Initially, the applicability of the method was tested by examining the efficiency of trans-vessel pressure transmission using the radial artery of five patients with normal vascular arteries and the popliteal artery of five individuals with atherosc1erosis. On average, 97,7 % and 86,7 % of the pressure applied to the radial and popliteal arteries, respectively, was transmitted to the interior of the vessels. Subsequent1y, the method was applied to 30 patients with u1cers in their limb extremities. Of these, 15 suffered from systemic sc1erosis (Ssc) with a total of 24 ulcers and 15 had atherosc1erosis with a total of 15 ulcers. Following 20 one-hour sessions, healing was observed in .62,5 % of the Ssc patients and in 73,3 % of those with atherosc1erosis. All sessions were carried out on an ambulatorial basis, three times a week. The pain associated with the ulcers disappeared between the fifth and fifteenth sessions in those patients who showed healing. All of the patients were followed up for 30, 60 and 90 days after terminating RLC treatment. In only two cases, both involving Ssc patients, was there a recurrence of the ulcers after 30 days. One patient in the atherosc1erosis group whose u1cers did not heal underwent an amputation within 30 days after ending RLC therapy while another with a healed ulcer died following a heart attack 60 to 90 days after terminating treatment. In general, those ulcers which had healed by 30 days post-treatment remained so for the remainder of the follow-up period while those which had not healed by 30 days post-treatment also did not heal by the end of the follow-up. It is concluded that the treatment applied accelerated the healing of ischemic ulcers. No complication associated with the use of this approach was observed.
Subject: Arterosclerose
Escleroderma sistêmico
Ulceras
Qualidade de vida
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 1996
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Parente_JoseBen-HurFerraz_D.pdf3.78 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.