Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/309680
Type: TESE
Title: A saúde mental na atenção básica sob a perspectiva de trabalhadores e usuários dos serviços = um estudo hermenêutico-narrativo sobre os processos de acolhimento, vínculo e responsabilização
Title Alternative: Mental health in primary care under the perspective of workers and users of the services : a hermeneutic-narrative study of the processes of welcoming, liaison and accountability
Author: Ferrer, Ana Luiza, 1979-
Advisor: Campos, Rosana Onocko, 1962-
Campos, Rosana Teresa Onocko
Abstract: Resumo: Esta pesquisa investiga ações de saúde mental na Atenção primária à saúde em relação aos processos de acolhimento, vínculo e responsabilização dos casos, do ponto de vista dos trabalhadores e dos usuários dos serviços de saúde. Trata-se de um estudo qualitativo com objetivo de pesquisar como as equipes da atenção primária definem os critérios para priorizar as demandas em saúde mental; investigar qual o entendimento das equipes em relação ao conceito de acolhimento e como se organizam para realizá-lo em relação à saúde mental; identificar quais critérios as equipes utilizam para encaminhar os casos da saúde mental para outros equipamentos da rede; e descrever como os usuários da saúde mental vinculam-se aos recursos das unidades básicas e do território. O Instrumento utilizado para coleta de dados foi a técnica de grupos focais. Realizamos nove grupos no total: três com trabalhadores de diversas categorias profissionais, três com Agentes Comunitários de Saúde e três com usuários, ambos das Unidades Básicas de Saúde envolvidas neste estudo. Os grupos foram gravados em áudio e transcritos. Para interpretar o material produzido utilizamos a construção de narrativas, conforme referencial teórico de Ricoeur (1990, 1994). Os resultados apontam para uma dificuldade das equipes da atenção primária em identificar e definir demandas em saúde mental, principalmente demandas inespecíficas relacionadas à vulnerabilidade social. O acolhimento é entendido e operado como um procedimento, distanciando-se de sua proposta inicial, que tem o objetivo de reformular as práticas de trabalho, sendo entendido pelos usuários como mais um obstáculo para se conseguir uma consulta médica. Não existem critérios para encaminhamentos dos casos de saúde mental e observa-se uma tendência ao isolamento das equipes de saúde mental que trabalham nas Unidades Básicas de saúde. O Apoio Matricial acontece de maneira distorcida em grande parte dos serviços pesquisados. Para os usuários, os encaminhamentos acontecem devido à falta de profissionais na rede básica de saúde ou pela complexidade da situação. O vínculo entre serviço de saúde e comunidade fica sob a responsabilidade dos Agentes Comunitários de Saúde, que habitam no território e, portanto, conhecem melhor sua dinâmica e necessidades. Os usuários queixam-se da alta rotatividade de profissionais e dão muito valor ao relacionamento estabelecido com eles, principalmente com os médicos. Percebe-se que há um investimento na criação de políticas públicas que possam melhorar a qualidade da assistência em saúde mental na atenção primária. Mas, para que haja consolidação destas diretrizes é necessário repensar o modelo de atenção vigente, investir em mudanças na formação de novos profissionais, assim como garantir capacitações para trabalhadores já inseridos na prática que proporcionem entendimento mais ampliado do processo saúde-doença e promovam ações menos fragmentadas e mais dialogadas com a rede de serviços

Abstract: This research investigates mental health actions in primary health care in relation to the processes of welcoming, liaison and the act of making responsible for the cases, from the workers' point of view and the users of health care services. It is a qualitative study aiming to investigate how the primary care teams define the criteria to prioritize the health mental demands; to investigate the understanding of the teams in relation to the concept of welcoming and how they organize themselves to accomplish it in relation to mental health; identify which criteria the teams use to refer mental health cases to other services in the network, and describe how the users of mental health services are linked to the basic units and territory resources. The instrument used to collect data was the focus groups technique. Nine groups were conducted: three with employees of different professions, three with Health Community Agents and three with the users of the Basic Health Units involved in this study. The groups were audio recorded and transcriptions were made. The construction of narratives, as per the theoretical framework of Ricoeur (1990, 1994), was used to interpret the material produced. Results point to a difficulty of the primary care teams to identify and define demands on mental health, mainly unspecific demands related to social vulnerability. The process of welcoming is understood and operated as a procedure - which shows a distance from its initial proposal, which aims to reform work practices - and is understood by the users as another obstacle to get a medical appointment. There are no criteria to referrals of the mental health cases and a tendency to isolation of mental health teams working in the Basic Health Units was observed. The Matrix Support takes place in a distorted manner in most of the services surveyed. For the users, referrals happen due to lack of professionals in the basic health net or due to the complexity of the situation. The link between health service and community ends up being under the responsibility of the Health Community Agents, who inhabit the territory, and therefore understand their dynamics and needs better. Users complain about the high turnover of professionals and value a lot the relationship established with them, especially with the physicians. It is noticeable that there is an investment in creating public policies that can improve the quality in the assistance of mental health in primary care. However, for the consolidation of these guidelines it is necessary to rethink the model of care currently in place, invest in changes in the training of new professionals, as well as ensure training for workers that are already in the practice in order to provide better and expanded understanding over the health-disease process and promote actions that are less fragmented and more dialogued over with the service network
Subject: Atenção primária à saúde
Saúde pública
Estratégia Saúde da Família
Políticas públicas
Transtornos mentais
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2012
Appears in Collections:FCM - Dissertação e Tese

Files in This Item:
File SizeFormat 
Ferrer_AnaLuiza_D.pdf2.11 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.