Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/309596
Type: TESE
Title: Avaliação dos marcadores da resposta inflamatoria aguda em cães
Title Alternative: Evaluation of acute inflammatory response markers in dogs
Author: Vecina, Juliana Falcato, 1981-
Advisor: Grotto, Helena Zerlotti Wolf, 1955-
Abstract: Resumo: Introdução: A leucocitose e a presença de hipertermia são os indicadores primários de inflamação/infecção sistêmica na maioria das espécies animais. Em cães as alterações leucocitárias podem ser evidenciadas em 72 horas, enquanto a elevação sérica das proteínas de fase aguda e a velocidade de hemossedimentação ocorrem mais precocemente sendo úteis na monitorização do processo inflamatório/infeccioso. A interleucina-6 é o principal regulador da resposta inflamatória, ocasionando o aumento da síntese hepática das proteínas de fase aguda, como a proteína C reativa e o fibrinogênio. A elevação da velocidade de hemossedimentação, por sua vez, é conseqüente ao aumento das proteínas de fase aguda. O diagnóstico da inflamação/infecção em cães é realizado por meio de técnicas manuais, carentes de precisão e padronização na maioria dos laboratórios veterinários. O objetivo desse estudo foi a investigação de parâmetros e métodos laboratoriais, que possam auxiliar no diagnóstico e monitoramento do processo inflamatório/infeccioso em cães. A avaliação e padronização de tais parâmetros poderão contribuir para o esclarecimento diagnóstico com maior precisão e em um menor intervalo de tempo e poderão ser incluídos na rotina laboratorial veterinária. Materiais e métodos: Foram estudados 117 cães adultos de diferentes raças divididos inicialmente em dois grupos: controle (n=31) e inflamatório/infeccioso (n=86). Posteriormente, os animais doentes foram subdivididos em: inflamatório (n=29) e infeccioso (n=57). O leucograma foi obtido em contador automatizado e a contagem diferencial de leucócitos realizada em esfregaços de sangue corados com May-Grünwald- Giemsa. Os valores de fibrinogênio e velocidade de hemossedimentação foram determinados por métodos automatizados, a proteína C reativa e a interleucina-6 usando kit de ELISA comercial espécie-específicos. Resultados: A velocidade de hemossedimentação automatizada foi o melhor marcador do processo inflamatório/infeccioso, seguida da proteína C reativa. Apresentaram positividade em 82,56% e 65,12% dos casos, respectivamente. Os demais marcadores foram positivos em menos de 50% dos animais. Quando os animais doentes foram subdivididos, o grupo com inflamação apresentou maior freqüência de positividade do que o grupo infeccioso. A concentração de hemoglobina e o número de plaquetas foram superiores no grupo controle, enquanto a contagem total de leucócitos, número de basófilos e presença de desvio à esquerda apresentaram valores elevados no grupo de animais doentes. Níveis superiores de velocidade de hemossedimentação, proteína C reativa e interleucina-6 foram observados no grupo com inflamação/infecção quando comparados aos controles. Quando subdivididos, no grupo de animais com processo inflamatório os níveis de fibrinogênio e proteína C reativa foram superiores aos do grupo infeccioso, enquanto os valores de velocidade de hemossedimentação e interleucina-6 foram semelhantes. Conclusões: A determinação da velocidade de hemossedimentação apresentou a melhor acurácia na detecção do processo inflamatório/infeccioso. Na análise global os níveis de interleucina-6, proteína C reativa e fibrinogênio foram superiores no grupo inflamatório/infeccioso, mas mostraram eficácia limitada na detecção individual de cães doentes. Cães com processo inflamatório mostraram uma resposta mais exacerbada tanto nas determinações sorológicas/plasmáticas como nos parâmetros hematológicos do que os cães com processo predominantemente infeccioso

Abstract: Introduction: Leukocytosis and hyperthermia are the primary indicators of inflammation infection in most animal species. White blood cell count changes are evident after 72 hours in dogs, while the increase of serum acute phase proteins levels and erythrocyte sedimentation rate occur earlier. Thus they are considered as useful and precocious markers in identifying and monitoring inflammatory/infection process. Interleukin-6 is the major inflammatory response regulator and increases hepatic synthesis of acute phase proteins such as C-reactive protein and fibrinogen. Erythrocyte sedimentation rate rises as a consequence of acute phase protein stimulus. The investigation of the presence of inflammation/infection process in dogs is performed in most veterinary laboratories by manuals technics, which show poor precision and fail in standardization of procedures. The aim of this study was to evaluate new parameters and laboratory methods, which may help in the identification of the inflammatory/infection process in dogs. The evaluation and standardization of these parameters may contribute to the diagnosis with greater precision and in a shorter period of time and may be included in the routine veterinary laboratories. Materials and methods: We studied 117 adult dogs of different breeds. They were divided into two groups: normal controls (n = 31) and suspicious of inflammatory / infectious diseases (n = 86). Subsequently, animals were subdivided into animals with inflammatory (n = 29) or infection conditions (n = 57). Hematological parameters were obtained using an automated counter and differential count was performed by microscopic observation in blood smears stained with Giemsa-May-Grünwald. Fibrinogen concentration and erythrocyte sedimentation rate were determined by automated methods and plasma Creactive protein and interleukin-6 were measured by commercial ELISA kits. Results: Erythrocyte sedimentation rate was the most sensitive marker of the inflammatory/infection process, showing significant increase in 82,56% of the cases, followed by C-reactive protein measurement (65,12%). The other markers were positive in less than 50% of the animals. When the animals were subdivided according to inflammatory or infection condition the group with inflammation showed higher frequency of positivity than the infectious group. The concentration of hemoglobin and the number of platelet were higher in the control group, while white blood count, number of basophils and presence of left shift showed high values in the group of sick animals. Erythrocyte sedimentation rate, C-reactive protein and interleukin-6 levels were higher in the group with inflammation/infection when compared to controls. Animals with inflammatory process showed fibrinogen and C-reactive protein levels higher than those with infection, while erythrocyte sedimentation rate and interleukin-6 levels were similar. Conclusions: Results of this study indicate that erythrocyte sedimentation rate showed the best accuracy in identifying inflammatory/infectious process. Interleukin-6, C-reactive protein and fibrinogen levels were higher in inflammatory/infectious group, but showed limited efficacy in detection of individual sick animals. Dogs with inflammatory process demonstrate a more remarkable response in both serum/plasma determinations and hematological parameters when compared with dogs presenting predominantly infectious process
Subject: Inflamação
Reação de fase aguda
Cão como animal de laboratório
Interleucina-6
Proteina C-reativa
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2009
Appears in Collections:FCM - Dissertação e Tese

Files in This Item:
File SizeFormat 
Vecina_JulianaFalcato_M.pdf2.41 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.