Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/309440
Type: TESE
Degree Level: Doutorado
Title: Massa óssea, composição corporal e aptidão física em adolescentes
Title Alternative: Bone mass, body composition and physical fitness in adolescents
Author: Moraes, Anderson Marques de, 1970-
Advisor: Guerra Júnior, Gil, 1960-
Abstract: Resumo: Estrutura da tese: No presente estudo optou-se pelo "Modelo Escandinavo", o qual é chamado de "Modelo Alternativo" no Programa de Pós-Graduação em Saúde da Criança e do Adolescente da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas (FCM - UNICAMP). Sendo assim, a tese foi composta por introdução geral, objetivos, capítulos (1 e 2) e conclusão geral. A introdução geral abordou aspectos sobre massa óssea, composição corporal e aptidão física, assim como os respectivos e principais estudos na área. Nos capítulos 1 e 2 encontram-se os artigos. Na conclusão geral foram apresentadas as principais conclusões dos dois artigos. As referências bibliográficas foram apresentadas no final de cada capítulo e da tese. A seguir, foram apresentadas as principais informações que se referem à estruturação dos dois capítulos da tese. Objetivo: Os objetivos do presente estudo foram: (1) analisar a associação da massa óssea com a composição corporal e a aptidão física em adolescentes e (2) verificar o comportamento da massa óssea com a evolução do crescimento, da composição corporal e da aptidão física em adolescentes. Casuística e Métodos: Foram realizados dois estudos, um transversal com 300 estudantes saudáveis de ambos os sexos (148 meninos e 152 meninas) entre 11 e 16 anos e um longitudinal com quinze meses de intervalo com 170 adolescentes entre 10 e 18 anos. Peso, estatura, dobras cutâneas (tríceps - DcTR, subescapular - DcSE e perna medial - DcPM), massa gorda, massa magra, percentual de gordura corporal (% GC), índice de massa corpórea foram avaliados. A aptidão física foi avaliada pelos testes de abdominal, flexibilidade, salto horizontal e consumo máximo de oxigênio. A massa óssea foi avaliada por ultrassonografia quantitativa das falanges da mão (DBM Sonic BP - IGEA, Carpi, Italy) com a medida dos parâmetros QUS de Amplitude Dependent Speed Sound (AD-SoS) e Ultrasound Bone Profile Index (UBPI). Foi realizada a análise descritiva dos dados, e aplicaram-se os testes t, coeficiente de correlação linear de Pearson e análise de regressão linear múltipla stepwise com significância de 5%. Resultados: No estudo transversal, as meninas apresentaram maiores AD-SoS e UBPI em relação aos meninos com o avanço da idade e puberdade. As meninas tiveram melhor desempenho no teste de flexibilidade. No modelo de regressão masculino, % GC e estatura foram identificados como variáveis independentes significativas para AD-SOS e UBPI, salto horizontal apenas para AD-SoS e maturação sexual para UBPI. Para as meninas, a idade e o % GC foram identificados como variáveis independentes significativas para AD-SOS e UBPI e estatura apenas para ADSOS. No estudo longitudinal, meninos e meninas apresentaram ganho significativo nas as variáveis de composição corporal. As variáveis de aptidão física mostraram aumento da força abdominal para os meninos. A AD-SoS aumentou significativamente no sexo feminino no grupo de 11 a 13 anos. Para os meninos, a variabilidade da AD-SoS pode ser explicada 25,1% pelo salto horizontal e estatura e 29,3% pela estatura e DcPM, e para as meninas 20,9% pela idade, DcSE e massa magra e 20% pela estatura, % GC e idade. Já a variabilidade da UBPI para os meninos pode ser explicada 14,7% pela massa magra e flexibilidade e 25,5% pelo estádio puberal e força abdominal, e para as meninas 29,5% pela idade e IMC e 20,4% pela idade, estatura e salto horizontal. Conclusão: No estudo transversal (capítulo 1), os resultados demonstraram que os parâmetros ósseos são correlacionados com as variáveis de crescimento, tais como idade, estatura, e estádio puberal. No entanto, quanto à aptidão física, apenas as variáveis relacionadas à força muscular, especialmente em meninos, mostraram associação com os parâmetros ósseos. Além disso, a massa gorda demonstrou uma associação negativa com AD-SoS e UBPI. No estudo longitudinal (capítulo 2), conclui-se que, apesar do aumento do peso, da estatura e do avanço do estadiamento puberal após 15 meses de acompanhamento, não ocorreu um ganho significativo de massa óssea neste grupo de adolescentes, porém os resultados dos parâmetros ósseos estão dentro da normalidade para a idade e o sexo, e a aptidão física e a composição corporal influenciaram na aquisição da massa óssea nessa população. A melhora da aptidão física, principalmente relacionada ao sistema neuromuscular, através de exercícios físicos executados em moderadas e altas intensidades, deve ser um objetivo importante para o aumento da massa óssea na infância e adolescência

Abstract: Thesis structure: In this study we choose the "Scandinavian Model", which is called "Alternative Model" in the Post-Graduate Program of Child and Adolescent Health of the Faculty of Medical Sciences, at State University of Campinas (FCM - UNICAMP).Thus, the thesis consisted of general introduction, objectives, chapters (1 and 2) and general conclusion. A general introduction addressed the aspects of bone mass, body composition and physical fitness, as well as their major and studies in the field. In chapters 1 and 2 are the articles. In general, conclusion presented the main conclusions of the two papers. References were presented at the end of each chapter and the thesis. Next, we present the main information that refers to the structure of the two chapters of the thesis. Objective: The purposes of this study were: (1) to analyze the association between bone mass to body composition and physical fitness in adolescents and (2) to verify the behavior of bone mass with the evolution of growth, body composition and physical fitness in adolescents. Methods: Two studies were conducted: one cross-sectional with 300 healthy students of both sexes (148 boys and 152 girls) aged from 11 to 16 years, and another longitudinal fifteen months apart with 170 adolescents between 10 and 18 years. Weight, height, skinfolds (triceps - SFTR, subscapular - SFSS and medial calf - SFMC), fat mass, fat-free mass, body fat percentage (%BF), body mass index were evaluated. Physical fitness was assessed for abdominal, flexibility, horizontal jump, and maximal oxygen consumption. Bone mass was assessed by quantitative ultrasound of hand phalanges (DBM Sonic BP - IGEA, Carpi, Italy) with the measurement of QUS parameters Amplitude Dependent Speed of Sound (AD-SoS) and Ultrasound Bone Profile Index (UBPI). We performed a descriptive analysis of the data, and applied the t test, coefficient of linear correlation and multiple linear regression analysis with stepwise 5% significance. Results: In crosssectional study, girls had higher AD-SoS and UBPI compared to boys with the advance of age and puberty. The girls had better performance on the test flexibility. In the male regression model, % BF and height were identified as significant independent variables for AD-SOS and UBPI, horizontal jump just for AD-SoS and sexual maturation for UBPI. For girls, age and %BF were identified as significant independent variables for AD-SOS and UBPI, and height only for AD-SOS. In the longitudinal study, boys and girls showed significant gain in body composition variables. The physical fitness variables showed increased abdominal strength for boys. The AD-SoS increased significantly in females in the group 11-13 years. For boys, the variability of AD-SoS can be explained by horizontal jump 25,1% and 29,3% for height and stature and SFMC, and 20,9% for girls by age, SFSS and fat-free mass and 20% by height, % BF and age. Already variability UBPI for boys 14,7% can be explained by fat-free mass and flexibility, and 25,5% for pubertal stage and abdominal strength, and 29,5% for girls by age and BMI and 20,4% by age, height and horizontal jump. Conclusion: In the cross-sectional study (Chapter 1), the results showed that bone parameters are correlated with the growth variables, such as age, height, and pubertal stage. However, as to the fitness, only variables related to muscle strength, especially in boys, were associated with bone parameters. Furthermore, the fat mass showed a negative correlation with AD-SoS and UBPI. In the longitudinal study (Chapter 2), we concluded that, despite the increase in weight, height and pubertal advance, after 15 months follow-up, there was not a significant bone mass gain in this group of adolescents, but the results of bone parameters are within normal range for age and sex, and physical fitness and body composition influenced the acquisition of bone mass in this population. The fitness improvement, primarily related to the neuromuscular system, through physical exercise performed at moderate and high intensities, should be an important goal for increasing bone mass in childhood and adolescence
Subject: Densidade óssea
Composição corporal
Adolescentes
Aptidão física
Language: Português
Editor: [s.n.]
Citation: MORAES, Anderson Marques de. Massa óssea, composição corporal e aptidão física em adolescentes. 2013. 133 p. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciências Médicas, Campinas, SP. Disponível em: <http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/309440>. Acesso em: 22 ago. 2018.
Date Issue: 2013
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Moraes_AndersonMarquesde_D.pdf2.23 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.