Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/309395
Type: TESE
Degree Level: Doutorado
Title: Pesquisa da frequencia do citomegalovirus na colestase neonatal intra-hepatica, por meio dos seguintes metodos : sorologia, reação em cadeia de polimerase, imunohistoquimica e histologia
Author: Brandão, Maria Angela Bellomo, 1967-
Advisor: Hessel, Gabriel, 1960-
Abstract: Resumo: A colestase neonatal pode ser a manifestação inicial de um grupo muito heterogêneo de doenças. O citomegalovírus (CMV) está entre as possíveis etiologias e os critérios para o diagnóstico não estão ainda definidos. A freqüência do CMV como causa de colestase intra-hepática (CIH) varia em função do método utilizado para o diagnóstico. O objetivo do presente estudo foi estabelecer a freqüência do CMV na colestase neonatal intra-hepática por meio dos seguintes métodos: sorologia para CMV (IgM-ELISA), N-PCR e imunohistoquímica no fragmento da biópsia hepática parafinada, e indicadores de histologia (célula de inclusão citomegálica e microabscesso) e verificar a concordância entre os métodos diagnósticos citados. Participaram do estudo 101 pacientes com o diagnóstico de CIH e que realizaram biópsia hepática . A idade dos pacientes na 1ª consulta variou de 13 dias a 7 meses, com mediana de 1 mês e 21 dias. Para determinar a freqüência da infecção por citomegalovírus foram calculados os valores de sensibilidade, especificidade, valor preditivo positivo, valor preditivo negativo e acurácia, considerando o método de N-PCR como referência. Para verificar a concordância entre os métodos, foi calculado o coeficiente kappa. A freqüência de positividade para o CMV por meio da sorologia foi de 8% (5/62), por PCR foi também de 8% (6/77), por imunohistoquímica foi de 2% (1/44). Pela avaliação histológica, nenhum em 84 pacientes apresentava células de inclusão citomegálica e 17/84 (20%) apresentavam microabscesso. A sensibilidade da sorologia em relação à N-PCR foi nula, a especificidade de 88,89%, o valor preditivo positivo nulo, o valor preditivo negativo de 90,91% e a acurácia foi de 81,63. Na pesquisa de microabscessos a sensibilidade foi de 50% em relação à N-PCR, a especificidade de 77,05%, o valor preditivo positivo de 17,65%, o valor preditivo negativo de 94% e a acurácia de 74,63%. Não houve concordância para a pesquisa de CMV entre os métodos de sorologia (ELISA-IgM) e N-PCR e fraca concordância entre os demais métodos isolados ou agrupados. Conclusões: 1. A freqüência de positividade para o citomegalovírus variou de 2% a 20% dependendo do método diagnóstico empregado, 2. Não houve concordância entre os métodos, 3. Não foram encontradas células de inclusão citomegálica e a imunohistoquímica foi positiva em apenas 1/44 casos, 4. A sorologia (ELISA-IgM) e a presença de microabscessos não foram sensíveis em relação à N-PCR para a determinação do diagnóstico de CMV na CIH, mas foram úteis, quando negativos, para predizer resultado negativo da N-PCR. Palavras chaves: lactente, hepatite

Abstract: A heterogeneous group of diseases may present initially as neonatal cholestasis, a syndrome made up of jaundice, coluria and fecal hypo or acolia. Cytomegalovirus (CMV) is one of the most common causes of neonatal intrahepatic cholestasis (IHC), but the CMV best diagnostic criteria is not yet established since the positivity of different diagnostic tests varies considerably. The aim of this study was to determine the CMV frequency in neonatal intrahepatic cholestasis and to compare results of different diagnostic tests: IgM by ELISA test, IHQ and PCR in paraffin-embedded hepatic biopsy sample and a review of liver histological features (liver microabscess and cytomegalic inclusion cells). The study has included 101 patients neonatal IHC patients who had been submitted to a liver biopsy during investigation. Median age at the first medical visit was 1 month and 21 days (13 days to 7 months). Sensibility, specificity, negative predictive value, positive predictive value and accuracy were calculated of each test in relation to N-PCR. To analyze concordance among laboratorial methods Kappa (?) coefficient was calculated. Frequency of CMV positive tests: CMV ELISA - IgM was positive in 5/62 (8%), N-PCR in 6/77 (8%), and IHQ in 1/44 (2%). Liver histological features showed 0/84 cytomegalic inclusion cells and 17/84 (20%) liver microabscess. Sensibility of serology was null, specificity was 88,98%, negative predictive value was 90,91%, positive predictive value was null, and accuracy was 81,63%. Sensibility of searching for microabscess was 50%, specificity was 77,05%, negative predictive value was 17,65%, positive predictive value was null94%, and accuracy was 74,63%.There was no concordance between ELISA-IgM and N-PCR (Value of ? =-0, 1) and weak concordance between other methods when considered as a group or individually. Conclusions: 1. Frequency of CMV varied of 2% to 20%, according the diagnostic test. 2. There was no concordance among tests. 3. Searching for inclusion cells was null and IHQ was 2%( 1/44). 4. ELISA-IgM and microabscess sensitivity were poor in relation to N-PCR, but if these methods are negative, probably N-PCR will be negative too. Key words: hepatitis, infant
Subject: Neonatologia
Hepatite por virus
Citomegalovírus
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2006
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Brandao_MariaAngelaBellomo_D.pdf1.52 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.