Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/309352
Type: TESE
Title: Infecção oculta pelo virus da hepatite B em pacientes hemodialisados e em pacientes infectados pelo virus da imunodeficiencia humana
Title Alternative: Occult hepatitis B infection in dialysis patients and in HIV infected patients
Author: Jardim, Ruth Nogueira Cordeiro de Moraes
Advisor: Gonçales Junior, Fernando Lopes, 1951-
Abstract: Resumo: A infecção oculta pelo VHB é caracterizada pela presença do DNA-VHB em indivíduos com o antígeno de superfície (HBsAg) indetectável. A prevalência e significado clínico desta infecção ainda não são totalmente conhecidos. Este trabalho teve por objetivo determinar a prevalência de infecção oculta pelo VHB em dois grupos de pacientes imunossuprimidos (pacientes em tratamento por hemodiálise e pacientes HIV positivos) com anti-HBc positivo co-infectados ou não pelo vírus da hepatite C (VHC). Foi investigada uma possível correlação entre prevalência do DNA-VHB e carga viral, níveis de CD4, fatores de risco e administração de lamivudina no grupo de HIV positivos. O primeiro grupo (G1) foi formado por 34 pacientes hemodialisados que eram HBsAg negativo/anti-HIV negativo. O segundo grupo (G2) formado por 159 pacientes infectados pelo vírus da imunodeficiência humana (anti-HIV positivo) e HBsAg negativo. Foi utilizado como grupo controle (G3), 150 doadores de sangue com marcadores sorológicos negativos para o HBsAg e para o HIV, mas reagentes para o anti-HBc. A pesquisa do DNA do VHB foi realizada pela PCR ?in house? , segundo a técnica de Kaneko et al. (1989), utilizando-se ?primers? específicos da região do core do VHB (limite de detecção 100 cópias/ml). Entre os pacientes hemodialisados, a infecção oculta não esteve presente, talvez devido ao controle da infecção pelo VHB nestes centros, pela adoção das medidas de precauções universais e imunização específica por vacinação contra o VHB que possivelmente, foram eficazes para evitar a presença de infecção oculta pelo VHB. A prevalência de positividade do VHB-DNA entre os pacientes HIV positivos foi de 5,03% (8/159). Este dado mostrou que não houve diferença significativa entre o grupo HIV positivo e o grupo controle (5,03% x 4%). De acordo com estes resultados, provavelmente, a imunossupressão nestes pacientes HIV positivos não foi fator determinante na prevalência de infecção oculta. O DNA-VHB foi observado independente da presença do anti-HBs nos pacientes HIV positivos coinfectados ou não pelo VHC. Esta observação sugere que o anti-HBs não foi capaz de proteger, na totalidade, os pacientes. A prevalência de infecção oculta pelo vírus da hepatite B não foi diferente entre os grupos estudados, HIV positivos e doadores de sangue. Não foi observada associação entre contagem de CD4, carga viral, fator de risco e nem à utilização da lamivudina como parte do tratamento anti-retroviral e ocorrência de hepatite B oculta

Abstract: Occult hepatitis B virus infection is characterized by presence of HBV-DNA in individuals with undetectable hepatitis B surface antigen (HBsAg). The prevalence and clinical significance of this infection remain incompletely defined. The aim of this study was to determinate the prevalence of occult HBV infection between two immunosuppressed populations (maintenance haemodialysis patients and HIV positive patients) with anti-HBc positive, co-infected or not with hepatitis C virus (HCV). Possible correlations were investigated between prevalence of HBV-DNA, viral load, CD4 levels, risk factors and lamivudina administration in the HIV group. The first group (G1) was formed by 34 hemodialysed patients that were HBsAg negative/anti-HIV negative. The second group (G2) formed by 159 human immunodeficiency virus infected patients (anti- HIV positive) and HBsAg negative. Used as a control group (G3), 150 blood donors with serologic markers negative to HBsAg and HIV, but positive for anti-HBc. HBV-DNA testing was performed using ?in house? nested PCR as described by Kaneko et al. and was detected using specific primers derivated from core regions of HBV genome (detection limit 100 copies / ml). Occult hepatitis B virus infection was absent in hemodialysis patients may be due the control of HBV infection in these centers, by adoption universal precautions measures and specific immunization by hepatitis B vaccination perhaps were effective to avoid occult HBV infection. The prevalence of HBV-DNA in HIV positive patients was 5,03% (8/159). This data showed that there was not significant difference between group HIV positive and control (5,03% x 4%). According these results probably the Immunosuppression in this HIV positive patients were not a determinant factor in prevalence of occult infection. The HBV-DNA was observed independent the presence of anti-HBs in HIV positive patients co-infected or not by HCV. This observation suggest that anti-HBs was not able to protect in the totality this patents. The prevalence of occult hepatitis B virus infection was not different among the group studied HIV positive patients and blood donors. It was not observed association between CD4 cell count, viral load, risk factor or treatment antiretroviral with lamivudine and occurrence of occult hepatitis B
Subject: Virus da hepatite B
HIV (Vírus)
Reação em cadeia da polimerase
Hemodiálise
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2006
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Jardim_RuthNogueiraCordeirodeMoraes_M.pdf4.17 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.