Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/309248
Type: DISSERTAÇÃO
Degree Level: Mestrado
Title: Disponibilidade de antídotos para o tratamento de pacientes intoxicados nas unidades de emergência do município de Campinas-SP
Title Alternative: Availability of antidotes for treatment of poisoned patients in emergency departments in the municipality of Campinas-SP
Author: Fernandes, Luciane Cristina Rodrigues, 1980-
Advisor: Bucaretchi, Fabio, 1956-
Abstract: Resumo: Introdução: A carência de adequada e pronta disponibilidade de antídotos é um problema mundial, com consequências potencialmente desastrosas. Objetivo: Avaliar a disponibilidade de antídotos empregados no tratamento das intoxicações nos serviços de emergência públicos e privados da cidade de Campinas. Métodos: Um questionário estruturado foi encaminhado aos responsáveis por farmácias de serviços de emergência de Campinas-SP, públicos e privados, que compuseram a amostra. A disponibilidade, quantidade estocada, local de estoque, e tempo de acesso na sala de emergência (imediata ou dentro de uma hora) a 31 antídotos em 33 apresentações farmacêuticas foi pesquisada, considerando o estoque de pelo menos um tratamento completo por antídoto por serviço, para um adulto com peso estimado de 70 kg. A seleção dos antídotos se baseou em recomendações de estoque contidas em diretrizes internacionais publicadas até o final de 2009. Não foram incluídos na análise soros antiveneno de animais peçonhentos. Resultados: Os questionários foram completados por 14 de 17 serviços de emergência operantes à época, sendo 7 públicos e 7 privados. Nenhuma unidade de emergência dispunha de todos os 31 antídotos selecionados, e nenhuma dispunha de anticorpos antidigoxina, de fisostigmina, de fomepizole, de hidroxicobalamina ou de pralidoxima. Oito serviços contavam com estoque adequado de N-acetilcisteína, porém em apresentações pouco apropriadas para uso como antídotos (ex: solução injetável 3 mg/mL para uso IV; envelopes de 100 mg, 200 mg ou 600 mg para uso VO ou por tubagem nasogástrica). Apenas sete apresentações estavam estocadas em todas as unidades avaliadas (atropina, bicarbonato de sódio a 8,4%, diazepam, fitomenadiona, flumazenil, glicose a 50% e gluconato de cálcio a 10%), seguidas de 13/14 unidades onde também havia estoque de carvão ativado e naloxona. Apenas uma unidade de emergência, pública e de referência regional no tratamento de intoxicações, contava com um estoque próximo ao delineado, com 25 antídotos e 27 apresentações farmacêuticas, porém sem estoque de anticorpos antidigoxina, fisostigmina, fomepizole, hidroxicobalamina, glucagon e pralidoxima. Conclusões: O estoque de antídotos nos serviços de emergência na cidade de Campinas é insuficiente e mal dimensionado, colocando em risco o tratamento de pacientes intoxicados

Abstract: Introduction: The lack of adequate and prompt availability of antidotes is a worldwide problem, with potentially disastrous consequences. Objective: To evaluate the availability of antidotes used in the treatment of poisonings in public and private emergency departments in the municipality of Campinas. Methods: A structured questionnaire was sent to the pharmacy directors of the public and private emergency departments from the Campinas municipality. The availability, amount in stock, stocking place, and access time in the emergency room (immediately or in first hour) to 31 antidotes in 33 pharmaceutical preparations was investigated, considering the stock of at least one full antidote treatment per service per an adult with an estimated weight of 70 kg. . The selection of antidotes was based on stock recommendations contained in international guidelines published by the end of 2009. Antivenoms were not included in the analysis. Results: Questionnaires were completed by 14 of 17 emergency departments operating at the time, 7 public and 7 private. No emergency department had all the 31 selected antidotes, and none of them had antidigoxin antibodies, physostigmine, fomepizole, hydroxocobalamin, or pralidoxime. Eight units had adequate stock of N-acetylcysteine, but in inappropriate presentations for use as antidotes (injectable solution 3 mg / mL for IV use; 100 mg, 200 mg or 600 mg envelopes for use by oral or nasogastric tube). Only seven presentations were stocked in all evaluated units (atropine, sodium bicarbonate 8.4%, diazepam, phytonadione, flumazenil, glucose 50% and calcium gluconate 10%), followed by 13/14 units where there was stock of activated charcoal and naloxone. Only one referral public department emergency in the treatment of poisonings had stocks close to the one outlined with 25 antidotes and 27 pharmaceutical forms, but without antidigoxin antibodies, physostigmine, fomepizole, hydroxocobalamin, glucagon and pralidoxime in stock. Conclusions: The stock of antidotes in emergency departments in the municipality of Campinas is inadequate and poorly scaled, jeopardizing the treatment of poisoned patients
Subject: Antidotos
Estoque estratégico
Intoxicação
Uso racional de medicamentos
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2014
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Fernandes_LucianeCristinaRodrigues_M.pdf3.27 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.