Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/309060
Type: TESE
Title: Significação e enfrentamento de adolescentes portadores de epilepsia
Title Alternative: Coping of disease in teenagers with epilepsy
Author: Cancian, Fabiana, 1974-
Advisor: Souza, Elisabete Abib Pedroso de, 1948-
Abstract: Resumo: A epilepsia, como qualquer outra doença crônica impõe modificações na vida do adolescente e sua família, exigindo estratégias para o enfrentamento e consequentemente readaptações frente à nova situação. Esse processo depende não só da complexidade e da gravidade da doença, mas também das crenças, estratégias de enfrentamento e sentimentos do paciente, seus pais ou cuidadores em relação aos seus problemas. Para o adolescente, ser um portador de epilepsia tem um significado formado a partir de vivências individuais e do convívio com a doença. O espaço que a doença ocupa no estilo de vida do paciente depende desse significado, que é único. Tem influências internas baseadas no histórico individual e na fase de transição deste período do desenvolvimento em que se encontra, e externas, baseadas na representação social da epilepsia tanto no grupo familiar quanto em outros grupos que o adolescente está inserido. O objetivo do presente trabalho é avaliar a percepção e os modos de enfrentamento da doença do adolescente portador de epilepsia com a percepção da doença para seus pais. Participaram da pesquisa trinta adolescentes com idade entre 11 a 19 anos, diagnosticados com epilepsia, pelo ambulatório de Neurologia, que foram encaminhados para o ambulatório de Psicologia aplicada à Neurologia. Cada paciente respondeu a Escala Modos de Enfrentamento de Problemas (EMEP) e seus pais ou cuidadores, separadamente, passaram por uma entrevista estruturada. Nesta amostra de adolescentes com epilepsia, onde é esperado que o maior estressor seja a doença, os resultados mostram uma maior utilização de estratégias focalizadas no problema seguida de práticas religiosas e busca de suporte social comparado com a menos utilizada, estratégias focalizadas na emoção. Este fato parece refletir uma atitude em busca de cuidado com a saúde (focalização no estressor), já que foram constatadas no próprio serviço de atendimento e apoio. Quando os pais recebem orientação sobre a doença, medicação, aspectos comportamentais e sociais, quando podem expressar sentimentos e falar de suas atitudes, e consequentemente ter uma percepção positiva em relação à doença, há uma melhor adaptação e ajustamento dos filhos

Abstract: Epilepsy, as any other chronic disease, implicates changes in patient's life, demanding strategies for coping it and consequently readaptation face to the new situations. This process not only depends on the complexity and severity of the disease, but also the beliefs and feelings those patients, their parents or caregivers face in relation to their problems. For adolescents, the fact of being a carrier of epilepsy has a meaning formed from their individual experiences and living with the disease. The space occupies the disease in the patient's lifestyle depends on that meaning, which is unique because it has internal influences based on individual history and the transition phase in which it is, and external, based on social representation that has both epilepsy in the family group and other groups that the teen is inserted. The aim of this study is to assess the perception and ways of coping with the disease of adolescents with epilepsy and relate them to the perception of the disease to their parents. Thirty subjects participated in this study adolescents aged 11 to 19 years, diagnosed with epilepsy, the clinic of Neurology, who were referred to the outpatient clinic of applied psychology to neurology. In each patient was measured against the Ways of Coping (EMEP) and their parents or caregivers, separately, underwent a structured interview. In this sample of adolescents with epilepsy, where it is expected that the greatest stressor is the disease, the results show an increased use of strategies focused on the problem of religious practices and then seeking social support compared with the least used strategies focused on emotion. This fact seems to reflect an attitude in search of health care (focusing on the stressor), which were found in their own customer service and support. When parents receive guidance on the disease, medication, behavioral and social aspects, where they can express feelings and talk about their attitudes, and therefore have a positive perception of the disease, there is a better adaptation and adjustment of children
Subject: Epilepsia
Adolescentes
Percepção
Doença crônica
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2011
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Cancian_Fabiana_M.pdf618.84 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.