Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/308812
Type: DISSERTAÇÃO
Degree Level: Mestrado
Title: Estudo comparativo de dois metodos de ventilação mecanica : hipercapnia permissiva em volume controlado e hipercapnia permissiva em pressão controlada, em pacientes com a sindrome da angustia respiratoria aguda
Author: Sperling, Milena Pelosi Rizk
Advisor: Dragosavac, Desanka, 1951-
Abstract: Resumo: O objetivo principal desse estudo foi comparar dois métodos de ventilação mecânica associados à hipercapnia permissiva, aplicados em pacientes com SARA, visto que não há consenso precedente acerca da melhor modalidade ventilatória associada à adoção de pequenos volumes correntes, quanto ao mínimo de agressão pulmonar à lesão preexistente e alteração na mortalidade desses pacientes. A adoção de baixos volumes correntes deve-se ao consenso de que a adoção de altos volumes, em torno de 10 a15 ml/Kg peso, é prejudicial ao sistema respiratório tendo relação com aumento de mortalidade em pacientes com SARA. Comparou-se a Ventilação à Volume Controlado e a Ventilação à Pressão Controlada com relação a parâmetros respiratórios e hemodinâmicos, assim como foi analisada a evolução desses parâmetros durante três dias seguidos e verificada a influência da evolução dos mesmos parâmetros no óbito. Esse estudo foi prospectivo e randomizado, com 7 pacientes ventilados à Volume Controlado e 9 à Pressão Controlada, com variação de volume corrente entre 6 e 8 ml/Kg peso, com conseqüente hipercapnia permissiva, tendo sido calculado o PEEP-ideal. Os pacientes apresentavam à inclusão Pa02/Fi02 abaixo de 200, com avaliação inicial da gravidade através da escala de MURRAY com LlS _ 2.5, da escala de SOFA e do APACHE II. Foi realizada monitorização hemodinâmica e respiratória com catéter de Swan-Ganz, coleta de gasometrias (arterial e venosa) e capnometria, duas vezes ao dia durante três dias seguidos. Não houve diferença significativa entre os dois grupos com relação à: VC, FR, PEEP, Pa02, Fi02, Pa02/Fi02, Cst, shunt pulmonar, PaC02, ETC02, diferença entre PaC02 e ETC02, pH, IC, RVS, RVP, D02 e V02. Houveram diferenças significativas para os dois grupos, do primeiro para o segundo dia de estudo com relação à: aumento de pH, redução de PaC02 e redução de RVP. Assim como reduções de Fi02, do primeiro para o segundo e do segundo para o terceiro dia de estudo. Todos os pacientes com SARA estudados, quando ventilados com baixos volumes correntes (6,7- 8 ml/Kg peso), tanto em VCV quanto em PCV, não apresentaram diferenças nem de oxigenação e nem no estado hemodinâmico, sendo que as alterações presentes, para ambas as modalidades, foram compensadas no segundo dia de estudo. Apesar de pequenos volumes respiratórios, a hipercapnia não foi importante, contrariamente ao esperado, havendo queda de PaCO2 na evolução. As modalidades ventilatórias não apresentaram diferenças na evolução dos pacientes com relação à mortalidade

Abstract: The main goal of this study was to compare two methods of mechanical ventilation associated to the Permissive Hypercapnia, applied on patients with ARDS, since there is not a preceding consensus concerning the best ventilation . modality associated to the adoption of small flowing volumes, in regard to the minimal of pulmonary aggression to the preexistent lesion and alteration in the mortality of these patients. The adoption of low tidal volumes are due to the consensus that the adoption of high volumes, around 10 to 15 ml/kg weight, is harmful to the respiratory system having relation with the raise of mortality in patients with ARDS. The Volume-Controlled Ventilation (VCV) was compared with the Pressure-Controlled Ventilation (PCV) in relation to respiratory and hemodynamics, also the evolution of these parameters was analyzed during three following days and verified the influence of the evolution of the same parameters in the death. This study was prospective and randomized, with seven patients ventilated at VCV and nine at PCV, with a tidal volume variation between 6 and 8 ml/kg weight, with consequent Permissive Hypercapnia, has being calculated the ideal-PEEP. The patients presented the PaO2/FiO2 inclusion under 200 , with initial evaluation of the gravity through the MURRA Y scale with LIS _ 2.5, of the SOFA and of APACHE 11 scale. Hemodynamic and respiratory monitoring was carried out with Swan-Ganz catheter, gasometry (arterial and venous) and capnometry sampling, twice a day during three following days. There was not significative difference between the two groups with relation to: VC, FR, PEEP, PaO2, FiO2, PaO2/FiO2, Cst, shunt, PaCO2, ETCO2, difference between PaCO2 e ETCO2, pH, IC, RVS, RVP, DO2 and VO2. Significative differences were found for the two groups, from the first to the second day of study with relation to: pH increase , reduction of PaCO2, and RVP reduction. As well as FiO2 reductions, from the first to the second and from the second to the third day of study. Ali studied patients with AROS when ventilated with low tidal volumes (6,7-8 ml/kg weight), as well in VCV as in PCV, did not presented differences neither of oxygenation nor of the hemodynamic, being that the present alterations, for both modalities, were compensated in the second day of study. In spite of the small respiratory volumes, the hypercapnia was not important, contrary to the expected, ocurring drop of PaCO2 in the evolution. The ventilatory modalities did not present differences in the evolution of the patients in relation to the mortality
Subject: Insuficiência respiratória
Surfactante pulmonar
Acidose
Septicemia
Mortalidade
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2002
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Sperling_MilenaPelosiRizk_M.pdf6.56 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.