Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/308800
Type: TESE
Title: Alterações tireoideanas em pacientes com beta-talassemia maior submetidos a hipertransfusão sanguinea
Author: Baptista, Maria Tereza Matias, 1949-
Advisor: Norato, Denise Yvonne Janovitz, 1952-
Abstract: Resumo: Entre as diversas apresentações clínicas das síndromes talassêmicas a beta-talassemia maior, ou anemia de Cooley, é uma das de maior gravidade. Seus portadores apresentam grave anemia hemolítica, desde os primeiros anos de vida, com intensa hipóxia, levando seus portadores a receber transfusões regulares para manutenção de suas vidas. O regime de transfusão crônica leva à sobrecarga de ferro, que é estocado nas células sob a forma de ferritina. Para minimizar estes efeitos, estes pacientes são submetidos à terapia quelante com desferoxamina, geralmente por via subcutânea. Várias manifestações clínicas podem ser observadas, como hepato e esplenomegalia, alterações ósseas típicas (hiperostose porótica e defeitos corticais devido à hiperplasia medular), alterações endocrinológicas (hipotireoidismo, hipogonadismo, diabetes melito) e falência cardíaca. Pode-se observar ainda doença crônica hepática, em decorrência da sobrecarga de ferro, mas também de infecções virais secundárias às transfusões repetidas. Avanços sucessivos no tratamento desta doença, bem como a aquisição de novas tecnologias, propiciaram maior expectativa de vida e melhora da sua qualidade. Na atualidade, as possibilidades de crescimento, desenvolvimento puberal e fertilidade são muito próxim~s às da população normal. Para determinar os prováveis fatores envolvidos na manifestação das alterações tireoideanas, foi estudado um grupo de vinte pacientes com beta¬talassemia maior, no qual observou-se prevalência de hipotireoidismo primário de 35%, muito superior à encontrada na grande maioria dos relatos da literatura e ausência de anticorpos anti-tireóide em todos os casos. Uma das hipóteses aventadas para esta prevalência elevada foi a de que estivesse associada à presença de alelos específicos, que poderiam estar diretamente relacionados à determinação das manifestações clínicas do hipotireoidismo. Entretanto, os alelos beta-talassêmicos observados neste grupo foram semelhantes aos mais freqüentemente encontrados no Estado de São Paulo, não havendo associação entre eles e a presença de hipotireoidismo. Encontramos diferenças significativas quando comparamos o grupo com eutireoidismo e o grupo com hipotireoidismo: estes últimos eram mais velhos, apresentavam menor tempo médio de intervalo entre as transfusões, maior número total de transfusões, maior idade no início da terapia quelante, maior in tervalo entre o diagnóstico da doença talassêmica e o início da terapia quelante, maior intervalo entre a primeka transfusão e o início da terapia quelante, concentrações séricas maiores de ferritina e de TSH e menores de T3. É provável que o mecanismo de instalação do hipotireoidismo seja decorrente, inicialmente, de um dano tecidual pela deposição de ferro com conseqüente exposição de antígenos celulares e, posteriormente, com a formação de anticorpos anti-tireóide. Uma vez que a freqüência dos anticorpos anti-tireóide elevam-se com a idade, em especial após os quarenta e cinco anos, com maior prevalência no sexo feminino, é possível que o grupo hipotireoideo ainda venha a apresentar positividade para estes anticorpos. Por outro lado, é possível que nestes pacientes a sobrecarga inicial de ferro, até que a terapia quelante tenha sido iniciada, seja de importãncia fundamental na determinação do hipotireoidismo, especialmente se considerarmos os relatos de que o início da quelação pode influenciar a preservação da função gonadal e o potencial de fertilidade. Seria interessante a observação do grupo atualmente eutireoideo, até que atinja a mesma média de idade do grupo hipotireoideo, para avaliar se o mesmo passará a apresentar freqüência semelhante de hipotireoidismo. Além disso, este acompanhamento permitirá, também, verificar a influência da demora no início da terapia quelante, assim como a possibilidade de desen~olvimento de anticorpos anti-tireóide

Abstract: Among several clinical presentations of thalassemia syndromes, beta¬thalassemia major (Cooley's disease) is one of the great severity. The clinical features consist of chronic hemolytic anemia, from the early years of life, and severe hypoxia, requiring a regimen of chronic blood transfusions to survive. Treatment with chronic regular transfusions leads to iron overload, which is stored in the cells as ferritin. Chelation with desferrioxamine, generally subcutaneous, is used to minimize the effects of iron overload. Secondmy to severe hemolytic anemia, hypoxia and iron overload, several clinical features, as hepatomegaly, splenomegaly, typical skeletal manifestations (porotic hyperostosis and cortical defects due to bone marrow hyperplasia), endocrine dysfunctions (hypothyroidism, hypogonadism, insulin dependent diabetes mellitus) and cardiac failure are present. Chronic hepatic disease can be associated, due to iron overload and acquired viral infections that result from repeated transfusions. Sucessive improvement in the management of this disease and the new technologies increase quality and life expectancy. In our days these patients attain° growth, pubertal development and fertility similar to the general population. In order to determine the probable factors involved in thyroid dysfunction we studied a group of patients with beta-thalassemia major, in which the prevalence of hypothyroidism is 35%, greater than that reported in the literature.Our first hypothesis postulated the existence of specific beta-thalassemic alleles direct1y related to the clinical manifestations of primary hypothyroidism. However, the beta-thalassemic alleles present in our sample are similar to those described as the more frequent in São Paulo State, and no association was found with hypothyroidism. Significant differences between the groups of euthyroid and hypothyroid patients were observed: the latter were older, had smaller interval among transfusions, had great amount of transfusions, were older at the beginning of chelation therapy, had greater interval between the first transfusion and the beginning of the chelation therapy and had greater seric levels of ferritin and TSH and lower seric levels ofT3. Tissue damage could be the initial mechanism to induce hypothyroidism, due to iron deposition secondary to iron overload, then exposing cell antigens with late anti-thyroid antibodies formation. Since anti-thyroid antibodies are more frequent after forty five years of age, and more prevalent in females, we can not mle out the autoimmune aetiology as a possibility. On the other hand, the initial iron overload, before chelation therapy was initiated, could play a fundamental role in determining hypothyroidism, if we consider that the age at the beginning of chelation therapy can influence gonadal function and potencial fertitlity. It will be very interesting to observe the patients of the euthyroid group, as it attains the same mean age of the hypothyroid group, in order to evaluate if they will develop hypothyroidism in a similar frequency. It will be also possible to verify the influence of the delayed ons~t of chelating therapy
Subject: Tereoide - Doença
Hipotireoidismo
Talassemia
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 1999
Appears in Collections:FCM - Dissertação e Tese

Files in This Item:
File SizeFormat 
Baptista_MariaTerezaMatias_D.pdf1.44 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.