Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/308775
Type: DISSERTAÇÃO
Degree Level: Mestrado
Title: Sexualidade e qualidade de vida de mulheres com falência ovariana prematura
Title Alternative: Sexuality and quality of life in women with premature ovarian failure
Author: Almeida, Deborah Marçal Bueno de
Advisor: Pinto, Cristina Laguna Benetti, 1959-
Abstract: Resumo: Introdução: Mulheres com falência ovariana prematura (FOP) têm sentimentos de perda e luto, raiva, tristeza, culpa, vergonha, ansiedade e baixa autoestima. O diagnóstico também afeta negativamente sua sexualidade, mas os estudos que avaliam a sexualidade de mulheres com FOP não deixam clara a prevalência de disfunção sexual e quais aspectos dessa condição médica podem afetar a vida sexual. A interferência da FOP sobre a qualidade de vida também ainda é relativamente desconhecida. Objetivo: Avaliar sexualidade e qualidade de vida de mulheres com FOP. Desenho do estudo: Realizou-se um estudo de corte transversal em 58 mulheres com diagnóstico de FOP acompanhadas no Ambulatório de Ginecologia Endócrina do Departamento de Tocoginecologia da Faculdade de Ciências Médicas na Universidade Estadual de Campinas. Cada mulher com FOP foi comparada a uma mulher com a mesma idade (±2 anos), porém apresentando função ovariana normal, do mesmo hospital, compondo o grupo de controle. As mulheres dos dois grupos deveriam relatar pelo menos uma relação sexual no último mês. A função sexual foi avaliada através do Female Sexual Function Index (FSFI) e a qualidade de vida através do WHOQOL-bref. Resultados: A média de idade ± DP das mulheres com FOP e com função sexual preservada foi de 39,4 ± 5,5 e 39 ± 6,8 anos, respectivamente. Os dois grupos não diferiram quanto ao estado conjugal, escolaridade e opção religiosa. O valor do escore do FSFI foi de 24,0 ± 6,0 e 27,3 ± 4,8 (média ± DP), respectivamente, para FOP e grupo de controle (P=0,004). A prevalência de disfunção sexual entre as mulheres com FOP foi de 62,1% e entre o grupo de controle foi de 37,8% (P=0,009). Na análise dos domínios, apenas para desejo, não se observou diferença entre os dois grupos. Para os domínios excitação, lubrificação, orgasmo, satisfação e dor, os escores foram significativamente piores no grupo de mulheres com FOP do que nas do grupo de controle. Pertencer ao grupo FOP aumentou em 2,8 vezes o risco de apresentar disfunção sexual. Na avaliação da qualidade de vida, a pontuação média ± DP das mulheres com FOP no domínio físico foi significativamente diferente e pior, com 61,3 ± 18,0 e para as mulheres de controle foi de 72,8 ± 16,4 (P=0,0001). No domínio psicológico, a pontuação diferiu significativamente, com média ± DP de 64,2 ± 16,7 e 69,3 ± 14,1, respectivamente, para os grupos com FOP e de controle (P=0,045). Ter FOP representou um risco aproximadamente 2,5 vezes maior de apresentar comprometimento nos domínios físico e psicológico do que as mulheres com função gonadal preservada. Não se observou diferença significativa para os domínios social e meio ambiente, e para as questões QV e saúde. Conclusão: Mulheres com FOP tiveram maior prevalência de disfunção sexual do que mulheres da mesma idade com função gonadal preservada, apresentando mais dificuldades em relação à satisfação, lubrificação, orgasmo, dor e excitação, mas não apresentaram diferenças em relação ao grupo de mulheres com função ovariana normal quanto ao desejo. Quanto à qualidade de vida, mulheres com FOP tiveram maior dificuldade em relação aos aspectos físicos e psicológicos. Assim, FOP mostrou-se como um fator de risco para disfunção sexual e piora na qualidade de vida. Estas conclusões apontam para a necessidade de prover apoio psicossocial e clínico adequado a mulheres com FOP, na tentativa de minimizar a repercussão deste diagnóstico na função sexual e nos aspectos da qualidade de vida das mulheres

Abstract: Introduction: Women with premature ovarian failure (POF) present feelings of loss and grief, anger, sadness, guilt, shame, anxiety, and low self-esteem. Studies investigating the sexuality of women with POF, did not evaluate the prevalence of sexual dysfunction and the aspects of this medical condition that affect the sex life. The interference of POF on the quality of life of these women is still relatively unknown. Objective: To evaluate sexuality and quality of life of women with POF. Design: A cross-sectional study with 58 women diagnosed with POF. Each woman was compared to a woman of similar age (±2 years), presenting normal ovarian function (control group). Women in both groups reported at least one sexual intercourse in the last month before the participation in the study. Sexual function was assessed by the Female Sexual Function Index (FSFI) and the quality of life by WHOQOL-bref. Results: The mean score ± SD of the FSFI was 24.0 ± 6.0 and 27.3 ± 4.8, respectively, for POF and control. The prevalence of sexual dysfunction among women with POF was 62.1% (n=36) and 37.8% (n=22) in the control group. In the analysis of the domains, only in the domain referred to desire there was no difference between the two groups. For the domains arousal, lubrication, orgasm, satisfaction and pain scores were significantly lower, and therefore worse for the group of women with POF than for the control group. Women in the POF group increased by 2.8 times the risk for sexual dysfunction. In the evaluation of quality of life, the mean score ± SD of women with POF in the physical domain was significantly different, with 61.3 ± 18.0, and control women was 72.8 ± 16.4. In the psychological domain, the scores differed significantly, the mean ± SD was 64.2 ± 16.7 and 69.3 14.1, respectively, for the group with POF and controls (P=0.0455). POF presented a risk of approximately 2.5 times more likely to get worse scores in physical and psychological domains than women with gonadal function preserved. There was no significant difference to the domains social and environment, and quality of life and health. Conclusion: Women with POF have a higher prevalence of sexual dysfunction than women of same age with preserved gonadal function. In the sexual aspect, they have more difficulties in satisfaction, lubrication, orgasm, pain and arousal, but do not differ in relation to the other group when it comes to desire. In regards of quality of life, women with POF have more difficulties in the physical and psychological domains. It is needed to provide psychosocial support and adequate clinic for women with POF in an attempt to minimize the impact of this diagnosis on sexual function and quality of life of women
Subject: Insuficiência ovariana primária
Sexualidade
Qualidade de vida
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2010
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
Almeida_DeborahMarcalBuenode_M.pdf824.76 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.