Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/308503
Type: TESE
Degree Level: Doutorado
Title: Prevalência de depressão perinatal e fatores associados
Title Alternative: Prevalence of perinatal depression and associated factors
Author: Melo Junior, Elias Ferreira de
Advisor: Cecatti, José Guilherme, 1957-
Abstract: Resumo: Objetivos: Este estudo propõe a realizar uma revisão sitemática da literatura científica internacional sobre a prevalência de Depressão Pós-Parto (DPP) e Depressão Gestacional (DG) e uma investigação prospectiva da ocorrência destas condições no contexto de dois serviços de saúde de referência para a atenção materno-infantil nas cidades de Recife (PE) e de Campinas (SP) e identificar fatores associados a essa ocorrência. Método: Para o primeiro objetivo do estudo, foi realizada uma ampla busca na literatura científica internacional nos bancos de dados eletrônicos por artigos publicados de 2000 a junho de 2010, sem restrição de língua, e com buscas manuais de referências secundárias. Incluímos estudos originais de corte transversal, coorte, caso-controle, ensaios controlados aleatorizados e análises de banco de dados. Excluíram-se estudos que usaram populações específicas ou com limitações metodológicas. Para o segundo objetivo foi realizado um estudo de coorte prospectivo, com duas abordagens transversais consecutivas, onde 266 gestantes dos dois centros foram incluídas e estratificadas por possíveis fatores de risco, com a ocorrência de depressão avaliada em dois diferentes tempos, no início do terceiro trimestre da gestação e entre 4 a 6 semanas de puerpério. Foram incluídas mulheres grávidas no início do terceiro trimestre da gestação (entre 30 a 35 semanas) que estavam dispostas a retornar para as avaliações puerperais ou serem contatadas por telefone. O desfecho principal foi a ocorrência de escore EPDS (Edinburgh Postnatal Depression Scale) ?12. Os possíveis fatores de risco para DPP foram avaliados nos dois grupos (com e sem depressão), sendo estimadas as razões de prevalência com seus respectivos IC95%. Resultados: Para a revisão sistemática, 487 artigos foram revisados e 102 incluídos. A prevalência de DG foi de 12,93% (IC99% 12,64-13,22) com base em 86.637 mulheres. A prevalência de DPP foi de 12,61% (IC99% 12.36-12.86) baseada em 120.936 mulheres. Não houve diferença significativa na prevalência usando instrumentos de rastreamento ou diagnóstico. Os países em desenvolvimento tiveram uma prevalëncia global de DPP que foi o dobro dos países desenvolvidos. Houve também uma tendência significativa na diminuição da prevalência com o aumento do tamanho amostral. No segundo estudo completaram as duas entrevistas 170 mulheres em Recife e 96 em Campinas. A prevalência de depressão foi 30,1% na gestação e 10,2% no puerpério. Os fatores associados com a depressão gestacional foram a menor escolaridade (RP 2,08; IC95% 1,01-4,31), baixa classe econômica (1,98; IC95% 1,12-3,53) e ausência do companheiro (1,84; IC95% 1,24-2,74). Os fatores associados com a DPP foram a cor da pele não branca (2,63; IC95% 1,10-6,29), a ausência de um companheiro (2,87; IC95% 1,37-6.04) e a ocorrência de violência psicológica (2,96; IC95% 1,46-5,98) ou sexual (5,08; IC95% 1,21-21,28). O desempenho do escore anteparto alterado como preditor de alteração do pós-parto apresentou sensibilidade de 81,5%, especificidade de 75,7% e valor preditivo positivo de 97,3%. Não houve diferença no escore entre os centros em nenhum dos períodos analisados. Conclusões: A revisão sistemática enfatizou a necessidade de se ampliar o foco da pesquisa quando se trata de rastreamento e diagnóstico de DPP, considerando que uma perspectiva global possibilitou valiosas recomendações sobre a condição. Os dados do presente estudo mostram que a prevalência de DPP é de cerca de 10% e se relaciona com condições sócio demográficas desfavoráveis. Além disso, sugere que é factível a utilização da escala de Edimburgo para triagem de mulheres no pré-natal que possam vir a apresentar DG ou DPP

Abstract: Objectives: we propose to perform a systematic review of the international scientific literature on the prevalence of Postpartum Depression (PPD) and Gestational Depression (GD) and a prospective investigation on the occurrence of these conditions in the context of two referral health services from Recife (PE) and Campinas (SP) and identify factors associated with this occurrence. Method: For the first objective, a comprehensive search in the international scientific literature was performed in electronic databases for articles published from 2000 to June 2010, with no language restriction, with hand searches of secondary references. We included original cross-sectional, cohort, case-control studies, randomized controlled trials and database analysis. We excluded studies that used specific populations or with methodological limitations. For the second objective a prospective cohort study was developed with two consecutive cross sectional approaches, including 266 pregnant women from both centers, stratified according to possible risk factors, and the occurrence of depression assessed in two diferente periods, at the beginning of the third trimester and between 4 and 6 weeks of the postpartum period. Pregnant women who were between 30 and 35 weeks of pregnancy and who accepted to return for postpartum evaluation or to be contacted by phone were included. The main outcome was the occurrence of EPDS (Edinburgh Postnatal Depression Scale) scores ?12. The possible risk factors for PPD were evaluated in both groups (with and without depression), and the prevalence ratios with their respective 95%CI were estimated. Results: For the systematic review, 487 articles were reviewed, and 102 included. The prevalence of GD was 12.93% (99%CI 12.64-13.22), based on 86,637 women. The prevalence of PPD was 12.61% (99%CI 12.36-12.86), based on 120,936 women. No statistically significant difference was found in the prevalence using screening or diagnostic instruments. Developing countries have a significant double overall prevalence of PPD as compared to developed settings. There was a significant trend in decreasing the prevalence with the increase in the sample size. For the second study 170 women completed the two interviews in Recife and 96 in Campinas. The prevalence of GD was 30.1% and of PPD was 10.2%. The factors associated with GD were low literacy (PR 2.08; 95%CI 1.01-4.31), low socioeconomic class (1.98; 95%CI 1.12-3.53) and absence of a partner (1.84; 95%CI 1.24-2.74). The factors associated with PPD were non white skin color (2.63; 95%CI 1.10-6.29), the absence of a partner (2.87; 95%CI 1.37-6.04) and the occurrence of psychological (2.96; 95%CI 1.46-5.98) or sexual violence (5.08; 95%CI 1.21-21.28). The performance of an abnormal antepartum score as predictor of abnormal postpartum score showed a sensitivity of 81.5%, specificity of 75.7% and positive predictive value of 97.3%. There was no difference in the scores between the centers in none of periods evaluated. Conclusions: The systematic review emphasized the need to broaden the research focus when dealing with screening and diagnosis of PPD, because a global perspective provided valuable insight on the condition. The results of the cohort study show that the prevalence of PPD is around 10% and is related to unfavorable socio demographic conditions. In addition, they suggest that it is feasible to use the Edinburgh scale during prenatal care for screening women who may have GD or PPD
Subject: Revisão
Depressão
Gravidez
Período pós-parto
Fatores de risco
Language: Português
Editor: [s.n.]
Date Issue: 2011
Appears in Collections:FCM - Tese e Dissertação

Files in This Item:
File SizeFormat 
MeloJunior_EliasFerreirade_D.pdf3.29 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.